falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Projeto altera lei de dados pessoais para permitir compartilhamento de informações do Censo Escolar e do Enem - Consecti

Projeto altera lei de dados pessoais para permitir compartilhamento de informações do Censo Escolar e do Enem - Consecti

Notícias
01 abril 2022

Projeto altera lei de dados pessoais para permitir compartilhamento de informações do Censo Escolar e do Enem

O Projeto de Lei 454/22 altera a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) para autorizar o compartilhamento público de dados e microdados brutos coletados por meio do Censo Escolar e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inclusive segmentados por instituição de ensino.

A proposta tramita em regime de urgência e será analisada diretamente pelo Plenário da Câmara dos Deputados.

De acordo com o projeto, o poder público fica autorizado a compartilhar e a dar publicidade a dados e a microdados brutos de crianças e adolescentes coletados tanto por meio do Censo Escolar quanto do Enem, desde que estejam anonimizados ou pseudonimizados, ou seja, não identifiquem cada estudante.

Atualmente, segundo a LGPD, o tratamento de dados pessoais de crianças só pode ser realizado mediante consentimento específico de pelo menos um dos pais ou responsável legal.

Os deputados do Novo, Tiago Mitraud (MG) e Adriana Ventura (SP), autores da proposta, destacam que, com a entrada em vigor da LGPD, em agosto de 2020, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela coordenação do Censo e do Enem, passou a divulgar dados de forma reduzida e deixou de oferecer as séries históricas.

“Com a retirada da série histórica, mesmo os dados disponíveis do Censo Escolar de 2021 e do Enem 2020 são insuficientes para compreendermos a evolução da aprendizagem e das condições da educação no País”, diz a justificativa que acompanha o projeto.

Os parlamentares defendem que a publicidade e a proteção de dados devem coexistir de forma harmônica, e não se anular. “O ordenamento jurídico pátrio já oferece resposta razoável para garantir a coexistência de tais deveres. Isso porque a própria LGPD prevê a legalidade do compartilhamento de dados pessoais pseudonimizados em posse do Poder Público quando ‘houver previsão legal'”, concluem os autores no documento.

Fonte: TI Inside