falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Inovação na indústria é vital para o crescimento econômico do Brasil - Consecti

Inovação na indústria é vital para o crescimento econômico do Brasil - Consecti

Notícias
01 abril 2022

Inovação na indústria é vital para o crescimento econômico do Brasil

A inovação na indústria brasileira precisa ser urgentemente recuperada para que o Brasil possa se desenvolver, dinamizar sua economia e tornar-se competitivo. Nesse sentido, o Estado deve ampliar e tornar mais estáveis e previsíveis os recursos para pesquisa e desenvolvimento (P&D) nas empresas, além de criar mecanismos para estimular a formação de um ecossistema mais favorável à inovação no país.

A avaliação foi feita pelos participantes da 9ª Conferência FAPESP 60 anos: Indústria e Inovação, que aconteceu no dia 23 de março.

O evento integra o ciclo de conferências comemorativas dos 60 anos da criação da FAPESP e reuniu especialistas para discutir a relevância da inovação tecnológica e sua centralidade nas agendas de muitas instituições e da própria FAPESP.

“Todos reconhecem que a origem da inovação está na ciência. O mais recente relatório da OCDE [Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico], sobre as perspectivas da ciência, tecnologia e indústria, ressalta que, à medida que os setores dependentes do conhecimento continuam a se expandir e a pressão competitiva aumenta, o financiamento da pesquisa básica por parte dos governos torna-se um elemento mais central para apoiar a pesquisa e o desenvolvimento empresarial”, disse Marco Antonio Zago, presidente da FAPESP.

Na contramão de outros países, os recursos públicos para essa finalidade no Brasil nos últimos anos, contudo, vêm caindo acentuadamente, apontou Pedro Wongtschowski, presidente do Conselho de Administração do grupo Ultra, líder da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) e membro do Conselho Superior da FAPESP.

“O investimento público em P&D no Brasil é decrescente. Há uma série de países que têm aumentado o volume de seus investimentos para essa finalidade nos últimos dez anos em relação ao tamanho de suas economias e ao seu Produto Interno Bruto [PIB]. A exceção é o Brasil”, comparou.

O Brasil investe atualmente entre 1% e 1,2% de seu PIB em P&D, somando os dispêndios públicos e privados em inovação, apontou Wongtschowski.

“Isso é muito pouco para o tamanho e a relevância do Brasil e para as ambições que devemos ter em relação à ciência e tecnologia no país”, avaliou.

A intensidade dos gastos no setor industrial brasileiro também vem caindo nos últimos anos. Os dados da última Pesquisa de Inovação (Pintec), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostraram que os dispêndios das indústrias no Brasil em P&D em termos de percentagem do faturamento caíram de 2,37% em 2011 para 1,65% em 2017.

A indústria de transformação, que representa 12% do PIB do Brasil, é responsável por metade das exportações brasileiras e responde por dois terços do investimento empresarial em P&D no país, apontou o executivo.

“A indústria é importante para a economia do país e só sobreviverá a longo prazo se inovar, ou seja, se for modernizada e atender às demandas de sustentabilidade impostas pelo mercado hoje”, sublinhou Wongtschowski.

O setor industrial também dá sustentação a outros dois importantes setores da economia brasileira: o agronegócio e o setor de serviços, destacou o executivo.

O agronegócio brasileiro não conseguiria ser competitivo sem ativos industriais como tratores, colheitadeiras, sistemas de irrigação, sensores para agricultura de precisão e fertilizantes. Já no setor de serviços, as novas soluções desenvolvidas no sistema financeiro hoje, por exemplo, dependem de computadores e redes de transmissão de dados desenvolvidos por indústrias, apontou Wongtschowski.

“O dinamismo do agronegócio e do setor de serviços brasileiros está diretamente vinculado à existência de uma indústria competitiva. E a indústria só será competitiva por meio da inovação”, avaliou.

Falta de Estado empreendedor

De acordo com Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP, a inovação, tema relativamente recente na agenda pública e privada do Brasil, hoje é central para os ministérios de Ciência e Tecnologia, Economia e para as agências de fomento à pesquisa em todo o mundo, como a FAPESP.

“A inovação tornou-se agenda permanente no Brasil, mas é preciso reconhecer que o país não tem se saído bem nesse aspecto”, avaliou.

“Por mais que tenhamos feito um esforço significativo nos últimos 20 anos, o desempenho do Brasil nesse quesito não tem sido satisfatório”, avaliou Pacheco.

Uma das razões para isso pode ser a falta de um Estado empreendedor, apontou Jorge Guimarães, diretor-presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

“Embora o Brasil tenha reunido, desde o final da Segunda Guerra Mundial, pilares fundamentais [para estimular a inovação], como a disponibilidade de talentos, instituições acadêmicas fortes e empresas transnacionais, que já existiam desde os anos 1950 no país, não tivemos e ainda não temos um Estado empreendedor”, afirmou Guimarães.

“Continuamos escapando da necessidade de o Estado participar pesadamente na subvenção e no recurso reembolsável para inovação que exige risco. E a empresa não vai pegar dinheiro emprestado e correr o risco de criar a inovação”, avaliou.

As principais agências de fomento à pesquisa do país, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a FAPESP, foram criadas no período pós-guerra, quando países como os Estados Unidos estabeleceram a meta de aumentar os investimentos em P&D, ressaltou Guimarães.

“Essas agências de fomento à pesquisa básica e à formação de recursos humanos enfrentaram esses desafios com muita eficiência e hoje estabeleceu-se um grupo forte de entidades no país com muita capacidade de enfrentar esse desafio”, disse.

Na avaliação de Fernando Galembeck, coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Materiais Complexos Funcionais (Inomat) – um dos INCTs financiados pela FAPESP e pelo CNPq no Estado de São Paulo –, é preciso que todo o ecossistema brasileiro de inovação seja forte.

“O elemento mais importante nesse ecossistema é o talento, ou seja, pessoas capazes de trabalhar em equipes diversificadas. Para ter inovação precisamos reunir muitas competências”, afirmou.

O evento pode ser assistido na íntegra em: fapesp.br/15350/9a-conferencia-fapesp-60-anos-industria-e-inovacao.

Fonte: Agência Fapesp