falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Depois dos EUA, Europa anuncia R$ 90 bilhões para semicondutores - Consecti

Notícias
09 fevereiro 2022

Depois dos EUA, Europa anuncia R$ 90 bilhões para semicondutores

A Comissão Europeia vai facilitar as regras de financiamento para plantas inovadoras de semicondutores, conforme anunciado nesta terça, 8/2. A Lei Europeia de Chips “permitirá 15 bilhões de euros (R$ 90 bilhões) em investimentos públicos e privados adicionais até 2030”, disse a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, em comunicado.

A medida vem na esteira da escassez global de chips, com estragos para fabricantes de automóveis, prestadores de serviços de saúde, operadoras de telecomunicações. E a reação europeia também é reflexo da Lei de Chips dos EUA, de US$ 52 bilhões (R$ 270 bilhões).

“Isso se somará aos 30 bilhões de euros de investimentos públicos já planejados da NextGenerationEU, Horizon Europe e orçamentos nacionais. E esses fundos devem ser acompanhados por mais investimentos privados de longo prazo”, disse Ursula von der Leyen, referindo-se aos projetos da UE em andamento.

Segundo ela, o bloco vai flexibilizar suas regras de auxílio estatal, que visam evitar subsídios ilegais e injustos concedidos por países da UE a empresas, para fábricas de chips inovadoras. “Estamos, portanto, adaptando nossas regras de auxílios estatais, sob condições estritas. Isso permitirá – pela primeira vez – apoio público para instalações de produção europeias ‘primeiras do gênero’, que beneficiam toda a Europa.”

Essas fábricas podem receber mais financiamento estatal, disse a chefe digital da UE, Margrethe Vestager, já que o bloco busca dobrar sua participação no mercado global para 20% em 2030. “Essas instalações não existiriam na Europa se não fizermos algo. Pode ser justificado cobrir até 100% da lacuna de financiamento comprovada com recursos públicos”, disse ela em entrevista coletiva.

A chefe digital, questioanada se a Comissão estava dobrando as regras de auxílio estatal, disse que a aprovação do financiamento seria baseada em uma disposição raramente usada no tratado da UE e que a ajuda deveria ser proporcional, ter um impacto pan-europeu e não ser mais do que o necessário.

Ela também alertou os governos da UE contra táticas injustas para atrair investimentos. “Porque não podemos simplesmente autorizar qualquer subsídio onde um é mais alto que o outro. Sempre estivemos muito atentos ao fato de que não deveria ser um governo tentar atrair investimentos em um território aumentando as promessas de ajuda estatal ,” ela disse.

Os países menores da UE expressaram seu desconforto com as regras mais flexíveis, temendo uma corrida aos subsídios que favorecerá as empresas dos países maiores, como França, Alemanha, Holanda e Itália, disse um diplomata da UE.

O impulso do chip ocorre quando os países da UE cortejam a fabricante de chips norte-americana Intel, que ainda não anunciou onde localizará uma fábrica europeia de mega-fab, provocando preocupações de uma corrida por subsídios.

A Intel saudou o impulso dos chips da UE, instando as autoridades de ambos os lados do Atlântico a unirem forças. “Estamos atualmente considerando um aumento significativo em nossa presença na Europa e esperamos que a Lei de Chips da UE facilite esses planos”, disse a empresa em comunicado.

A britânica Arm Ltd, que nomeou um novo CEO na terça-feira, disse que abriria o capital antes de março de 2023 e Masayoshi Son, chefe da empresa controladora SoftBank, indicou que estaria nos Estados Unidos, provavelmente na Nasdaq. consulte Mais informação

Os planos de IPO ocorrem quando o SoftBank desistiu dos planos de vender a Arm para a fabricante de chips norte-americana Nvidia Corp (NVDA.O), deixando de lado um acordo potencialmente no valor de até US$ 80 bilhões devido a obstáculos regulatórios.

A GlobalWafers também está procurando um novo local como parte de um plano de expansão de US$ 3,6 bilhões implementado após sua aquisição fracassada da Siltronic da Alemanha. consulte Mais informação

O European Chips Act, que exigirá a aprovação dos países da UE e dos legisladores da UE antes de se tornar lei, também inclui uma caixa de ferramentas que permite à Comissão exigir que as empresas entreguem chips importantes durante uma crise.

Fonte: Reuters