falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Depois de subsídios para chips, EUA querem barrar memórias da China - Consecti

Depois de subsídios para chips, EUA querem barrar memórias da China - Consecti

Notícias
02 agosto 2022

Depois de subsídios para chips, EUA querem barrar memórias da China

Depois de aprovarem um pacote de subsídios para incentivar a fabricação de chips no país, os Estados Unidos agora consideram limitar os embarques de equipamentos americanos para fabricantes de chips de memória na China, de acordo com quatro pessoas familiarizadas com o assunto ouvidas pela agência Reuters. É mais uma tentativa de interromper os avanços do setor de semicondutores da China e proteger as empresas dos EUA.

Se o governo de Joe Biden prosseguir com a mudança, isso também pode prejudicar as gigantes de chips de memória sul-coreana Samsung e SK Hynix, disseram as fontes, falando sob condição de anonimato. A Samsung tem duas grandes fábricas na China, enquanto a SK Hynix Inc está comprando o negócio de fabricação de chips de memória flash NAND da Intel na China.

A medida, se aprovada, envolveria impedir o envio de equipamentos de fabricação de chips dos EUA para fábricas na China que fabricam chips NAND avançados. Isso marcaria a primeira oferta dos EUA por meio de controles de exportação para atingir a produção chinesa de chips de memória sem aplicações militares especializadas, representando uma visão mais ampla da segurança nacional americana, de acordo com especialistas em controle de exportação.
A medida também buscaria proteger os únicos produtores de chips de memória dos EUA, Western Digital Corp e Micron Technology, que juntos representam cerca de um quarto do mercado de chips NAND, que armazenam dados em dispositivos como smartphones e computadores pessoais e em datacenters .
Sob a ação que está sendo considerada, as autoridades dos EUA proibiriam a exportação de ferramentas para a China usadas para fabricar chips NAND com mais de 128 camadas, segundo duas das fontes. A LAM Research Corp e a Applied Materials, ambas sediadas no Vale do Silício, são as principais fornecedoras dessas ferramentas.
Todas as fontes descreveram a consideração do governo sobre o assunto como em estágios iniciais, sem nenhuma proposta de regulamentação ainda redigida. Solicitado a comentar sobre a possível mudança, um porta-voz do Departamento de Comércio, que supervisiona os controles de exportação, não discutiu possíveis restrições, mas observou que “o governo Biden está focado em prejudicar os esforços (da China) de fabricar semicondutores avançados para lidar com riscos significativos à segurança nacional. para os Estados Unidos.”
Fonte: Convergência Digital