falecom@consecti.org.br
(61) 3142-0555

Ciência pode ser usada no combate à fome, diz ministra Luciana Santos - Consecti

Ciência pode ser usada no combate à fome, diz ministra Luciana Santos - Consecti

Notícias
16 janeiro 2023

Ciência pode ser usada no combate à fome, diz ministra Luciana Santos

A ministra de Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, disse que a ciência pode ser usada no combate à fome. Em entrevista ao programa A Voz do Brasil, ela disse que é preciso produzir experiências que potencializem a agricultura familiar, “tanto do ponto de vista qualitativo como soluções para intempéries no semi-árido e outras regiões que tenham dificuldade de que a produção alimentar possa estar à altura daquela determinada região”. O assunto foi uma das prioridades destacadas após uma reunião hoje (13) da ministra com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Luciana disse que durante a reunião com Lula também tratou de outras prioridades para a pasta. Entre os assuntos tratados está a reposição orçamentária do ministério. “Depois de quatro anos de negacionismo, a ciência vai ter vez no Brasil. Então ele [Lula] toma a decisão de revogar a Medida Provisória 1136 de [ex-presidente Jair] Bolsonaro que contingensionava os recursos do Fundo Nacional de Ciência e Tecnologia até 2026”, disse.

Um outro assunto importante tratado na reunião foi sobre o aumento para nas bolsas dos pesquisadores do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “Nós estamos fazendo este estudo junto com Camilo Santana, que é ministro da Educação, com uma perspectiva de fazer um reajuste das bolsas, que estão congeladas há nove anos. Há uma determinação do presidente nesta direção. Vamos anunciar o montante e como se vai dar esse aumento o mais breve possível”, disse a ministra.

Luciana programas de intersecção com outros ministérios, como a retomada do Prodes, que é um programa de desmatamento da Amazônia e que tem um papel importante no Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpi), e do Projeto Biomas BR, que monitora a situação dos biomas brasileiros.

Fonte: Agência Brasil