falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Brasileiro de 5 anos é o mais jovem a descobrir asteroides no mundo - Consecti

Brasileiro de 5 anos é o mais jovem a descobrir asteroides no mundo - Consecti

Notícias
10 fevereiro 2022

Brasileiro de 5 anos é o mais jovem a descobrir asteroides no mundo

A expressão popular “o céu é o limite” já nem cabe mais no vocabulário do pequeno Miro Latansio Tsai, que aos cinco anos de idade foi reconhecido como a pessoa mais jovem do mundo a identificar asteroides. Com uma paixão nata por planetas e estrelas, o brasileirinho descobriu 15 corpos celestes que foram aprovados em preliminares pelo International Astronomical Search Collaboration (IASC) e, posteriormente, serão confirmados pela Agência Espacial Americana (NASA).

A curiosidade da criança pela astronomia começou aos dois anos de idade, quando Miro passou a questionar os pais sobre a temperatura do sol e o motivo pelo qual a noite vinha acompanhada da lua. E durante um passeio ao Museu Catavento, em São Paulo, que a advogada Carla Latansio, mãe do astrônomo-mirim, percebeu que o filho tinha aptidão para a ciência: ao ver a sequência de planetas exposta na parede, ele começou a falar o nome de todos, um a um.

— Eu e meu marido não trabalhamos com nada relacionado à ciência. Esse episódio do museu foi surpreendente porque não tínhamos a menor ideia de que ele sabia o nome dos planetas. Ele provavelmente deve ter visto em desenhos e aprendido. Já com três anos, o Miro pedia para ver documentários sobre o espaço sideral e começava a contar para nós a existência de buracos negros. Essa foi a hora que a gente descobriu que não era um saber pontual, mas um gosto muito particular e amado por ele — afirma a mãe.

Foi no período de pandemia que Miro teve a oportunidade de realizar o sonho de observar o céu mais de perto, momento em que os pais conheceram o projeto Caça Asteroides, promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), e inscreveu o filho. Com aptidão para manusear o programa usado para identificar corpos celestes, o menino localizou entre outubro e novembro do ano passado 15 corpos celestes nunca antes vistos.

A conquista inédita de Miro, que ainda vai para o primeiro ano do ensino fundamental em agosto deste ano, fez com que ele fosse convidado para a 18º Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, onde recebeu um certificado de mérito do MCTI, da Iasc e da NASA por suas descobertas.

— Fiquei muito orgulhoso quando ganhei as medalhas. Eu adoro caçar asteroides para proteger o planeta. Vai que algum meteoro bate na terra e explode tudo? Igual aconteceu com os dinossauros, pode acabar a era dos humanos (sic) — argumenta Miro, que também já ganhou um certificado da NASA por ter solucionado um problema galático no projeto Space Apps Challenge (Desafio de Aplicativos Espaciais, na tradução).

O projeto brasileiro que introduziu Miro na astronomia é o mesmo frequentado pela alagoana Nicole Oliveira, de oito anos, que antes do companheiro de descobertas ocupava a primeira posição entre as pessoas mais jovens do mundo a descobrir asteroides. Nicolinha, como é carinhosamente conhecida, recebeu o título de astrônoma amadora e foi premiada por encontrar 23 corpos celestes.

A paixão da menina pela astronomia foi o fator que mobilizou o MCTI a alterar suas políticas de participação e faixa etária, abrindo espaço para mais crianças que desejam seguir o mesmo caminho participarem do Caça Asteroides.

Em entrevista ao GLOBO em outubro do ano passado, Nicole disse que sonha em trabalhar na Nasa e despertar o amor pela ciência em outras crianças.

— Meu sonho é descobrir vários asteroides, trabalhar na Nasa, estudar no Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Mas eu quero muito mesmo que todas as crianças também possam sonhar com tudo isso.

Fonte: Exame