falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Brasil concentra um terço das empresas mais inovadoras da América Latina - Consecti

Brasil concentra um terço das empresas mais inovadoras da América Latina - Consecti

Notícias
16 março 2022

Brasil concentra um terço das empresas mais inovadoras da América Latina

A terceira edição do estudo State of Innovation, da Visa, revela uma rápida aceleração no índice de adoção de tecnologia entre as empresas da América Latina, com destaque para o Brasil, que lidera com mais de um terço das empresas mais inovadoras. No país, as companhias tendem a ter mais parcerias com startups e são mais propensas a ter um investimento direto ou parcial. Além disso, elas também estão à frente em termos de tecnologia por terem um número significativamente maior de APIs e estão experimentando ativamente tecnologias avançadas, como IA, tokenização e criptografia.

Segundo o estudo, enquanto em 2020 as empresas concentram-se em migrar para canais móveis e digitais na esteira da Covid-19, hoje elas estão trabalhando para solucionar as barreiras estruturais que atrapalham a digitalização. De fato, as tecnologias que melhoram a segurança e viabilizam experiências descomplicadas para os clientes têm sido as mais adotadas entre todas as empresas pesquisadas. Biometria, tokenização e Inteligência Artificial (IA) para detecção de fraudes foram as tecnologias com o maior aumento no uso no ano passado em relação a 2020.

Na edição de 2022, os resultados também mostram uma aceleração na inovação – o percentual de participantes que estão no estágio Avançado de inovação teve a maior alta, subindo de 17% para 23% em relação a 2020, demonstrando que as empresas mais inovadoras da região estão abrindo caminho para ecossistemas digitais mais confiáveis ​​e fortes. Além disso, o número médio de Interfaces de Programação de Aplicativos (APIs) das entidades pesquisadas aumentou 53% em relação a 2020.

“As conclusões desta edição refletem uma expansão contínua de inovações revolucionárias na região. É possível notar que as novas tecnologias não são mais um fim em si mesmas – elas se tornaram um meio essencial de resolver as dores mais urgentes do consumidor, revolucionando a forma como as empresas se relacionam com um universo mais amplo de clientes”, afirma Vanesa Meyer, vice-presidente de Inovação da Visa América Latina e Caribe. “Com o mundo evoluindo em um ritmo inédito, na Visa, estamos comprometidos a acompanhar continuamente o estado da inovação em nossa região para ajudar a impulsionar e fortalecer um ecossistema verdadeiramente inclusivo e digital.”

De acordo com o estudo deste ano, as 30 empresas mais inovadoras da região formam um grupo bastante diversificado. As nativas digitais representam 46% desse todo, enquanto as empresas tradicionais de emissão, comércio e aceitação perfazem os 54% restantes, demonstrando que muitas organizações mais antigas se reinventaram adotando modelos inovadores.

A pesquisa também revela as características mais importantes compartilhadas atualmente por essas empresas de alta performance:

– A inovação é descentralizada em toda a organização, está profundamente integrada à estratégia corporativa e é promovida pelos executivos do C-level com equipes autônomas e ágeis. Além disso, 93% das empresas mais inovadoras dizem usar incentivos para promover a inovação de forma mais ampla em toda a organização.

– Ao compartilharem abertamente seus dados, quebrarem silos e fazerem parcerias externas, elas adotam uma estratégia de inovação aberta para oferecer uma experiência superior aos seus clientes.

– Elas estão usando tecnologias de última geração, entre as quais, inteligência artificial (IA), machine learning, biometria, open banking, pagamentos mais rápidos e muitas outras para derrubar as últimas barreiras à digitalização: fraudes, pagamentos lentos, silos de dados e experiências de cliente desarticuladas.

– Em vez de se dedicarem a grandes lançamentos, essas empresas estão sempre revisando seus produtos e serviços atuais, usando testes contínuos em tempo real e feedbacks constantes dos clientes.

– Dois terços das entidades da amostra estão usando IA e machine learning (ML) para entender mais profundamente seus clientes e criar experiências personalizadas e individualizadas. O uso de IA aumentou em todas as entidades pesquisadas no ano passado e quase todas as empresas mais inovadoras adotaram IA e ML em alguma medida.

– Cada vez mais, as empresas têm adotado ferramentas de segurança avançadas para proteger informações sensíveis. Algumas das mais implementadas são IA para detecção de fraudes, tokenização e biometria, que em 2021 registrou o maior uso (74%) entre as empresas pesquisadas, sendo a autenticação facial a aplicação mais usada (63%).

– Há uma crescente descentralização dos serviços financeiros por meio de tecnologias como open banking, a ativação de tudo como um serviço (everything-as-a-service) e blockchain. Na verdade, quase metade das empresas pesquisadas e 60% das mais inovadoras indicam que já estão desenvolvendo soluções de open banking.

– Há também uma ênfase comum no comércio de baixo contato, seja por meio da digitalização de processos manuais ou da implementação de tecnologias de pagamento por aproximação.

– Cada vez mais, os emissores mais inovadores da região, entre os quais bancos, fintechs e exchanges de criptomoedas vêm adotando processos de onboarding e aprovação totalmente digitais e instantâneos como padrão – cerca de dois terços já estão trabalhando para habilitá-los.

– As empresas estão adotando uma estratégia omnichannel para garantir uma experiência consistente ao usuário e chegar a novos clientes. Hoje, os varejistas mais inovadores gerenciam quase uma dúzia de canais de vendas, entre os quais, lojas físicas, aplicativos móveis e diferentes aplicativos de mensagens e plataformas de mídia social.

– A Identidade Digital, onde os dados pessoais dos consumidores são armazenados na nuvem, é uma tendência em rápida aceleração na América Latina – 20% das empresas pesquisadas disseram que já estão usando open banking para casos de uso de identidade digital.

– As empresas estão cada vez mais interessadas em produtos cripto. No entanto, a implementação desses produtos continua limitada – apenas 8% das empresas pesquisadas relatam algum grau de integração com criptomoedas. Porém, mais de um terço das empresas pesquisadas (34%) indicaram que estão desenvolvendo produtos cripto ou que os incluíram em seus planos estratégicos.

 

 

A pesquisa foi conduzida pela Americas Market Intelligence (AMI) no período de maio a novembro de 2021 e envolveu a avaliação de mais de 100 empresas da América Latina com base em cinco pilares de inovação: suporte interno para a inovação, colaboração externa, execução, uso de tecnologia e capacidade de escala. As empresas participantes foram classificadas em cinco estágios de inovação: inicial, em desenvolvimento, intermediário, avançado e inovador nato/maduro. O estudo incluiu entrevistas com CEOs, COOs, CTOs e fundadores de empresas.

Fonte: Convergência Digital