falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Após invasão da Ucrânia, Rússia amplia barreiras por internet própria - Consecti

Após invasão da Ucrânia, Rússia amplia barreiras por internet própria - Consecti

Notícias
08 março 2022

Após invasão da Ucrânia, Rússia amplia barreiras por internet própria

A Rússia começou a bloquear ou limitar o acesso a plataformas de tecnologia ocidentais, incluindo Facebook e Twitter, isolando a si e seus cidadãos do resto da internet do mundo de maneira drástica à medida que a invasão da Ucrânia se intensifica e as críticas aumentam. As medidas são semelhantes aos filtros usados pela China, e sinaliza a real possibilidade de uma interet fragmentada.

“Esta é uma bifurcação na história do planeta”, disse Michael McFaul, ex-embaixador dos EUA na Rússia e diretor da Escola Internacional de Stanford, durante uma videochamada na sexta-feira com outros especialistas da universidade.

Roskomnadzor, a agência reguladora de tecnologia e comunicações da Rússia, informou que bloqueou totalmente o acesso ao Facebook, mas não especificou se o acesso também seria restrito ao Instagram ou WhatsApp, que também fazem parte do grupo Meta.

O Twitter também foi bloqueado na Rússia. A empresa disse que “está ciente dos relatórios, mas atualmente não vemos nada significativamente diferente do que compartilhamos anteriormente que apontaria para um bloqueio”. Isso foi em 26 de fevereiro, quando o Twitter disse que seu serviço estava sendo restrito para algumas pessoas na Rússia e a empresa estava trabalhando para manter seu serviço “seguro e acessível”.
O YouTube caiu no país recentemente, provocando especulações de que a maior plataforma de compartilhamento de vídeos do mundo estava sendo bloqueada ou estrangulada. Na semana passada, Roskomnadzor questionou publicamente o Google e sua unidade do YouTube, bem como o TikTok, de propriedade da ByteDance, com sede na China.
O regulador disse que enviou uma carta ao Google reclamando de anúncios no YouTube supostamente contendo “conteúdo impreciso” com a intenção de “desinformar o público russo na Internet” sobre a invasão da Ucrânia pelo país. O Google respondeu parando todos os anúncios na região.
Quanto ao TikTok, Roskomnadzor disse que a plataforma removeu certos vídeos do site de notícias estatal RIA Novosti. Tais ações violam a “distribuição gratuita de informações”, disse o site, observando que registrou outros atos de suposta “discriminação” contra a mídia russa e figuras públicas pelo site.
“Continuamos a responder à guerra na Ucrânia com recursos de segurança e proteção aprimorados para detectar ameaças emergentes e remover desinformação prejudicial”, disse um porta-voz do TikTok em comunicado na sexta-feira. “Também fazemos parceria com organizações independentes de verificação de fatos para apoiar nossos esforços para ajudar o TikTok a permanecer um lugar seguro e autêntico”.
O TikTok também revelou uma nova política “acelerada” na mídia estatal. Pela primeira vez, começará a rotular algumas postagens de meios de comunicação estatais. Um porta-voz não quis comentar sobre sua suposta remoção de postagens na mídia russa.
facebook responde
Nick Clegg, presidente de assuntos globais do Facebook, disse que a decisão da Rússia de bloquear a plataforma serviu apenas para garantir que o povo russo fosse “cortado de informações confiáveis” e “privado de suas formas cotidianas de se conectar com familiares e amigos e silenciado de falar abertamente”. .”
“Continuaremos a fazer tudo o que pudermos para restaurar os serviços para que permaneçam disponíveis para que as pessoas se expressem com segurança e se organizem para agir”, acrescentou. Mais tarde na sexta-feira, o Facebook interrompeu a publicidade na Rússia e impediu os comerciantes russos de exibir seus anúncios em qualquer lugar do mundo.
Em um comunicado à imprensa, Roskomnadzor acusou o Facebook de cerca de duas dúzias de casos de “discriminação” desde 2020. O regulador também citou a recente decisão do Facebook de restringir o acesso de usuários a agências de notícias apoiadas pelo governo russo, como Sputnik e Russia Today.
A decisão do país de bloquear o Facebook ocorre mais de uma semana depois de começar a estrangular, ou dificultar o acesso dos usuários no país ao maior serviço de mídia social do mundo. Clegg disse na época que havia recusado as exigências da Rússia de que parasse de checar os posts sobre a invasão da mídia estatal, como RT e Sputnik. Autoridades ucranianas vêm pedindo às grandes empresas de tecnologia que ajam contra a Rússia nos últimos dias.
O acesso russo a qualquer plataforma provavelmente piorará, já que a conectividade com a internet no país está começando a ser afetada em meio à invasão. A Cogent Communications, uma provedora multinacional de serviços de internet com sede em Washington, disse que estava cortando seus serviços na Rússia, onde é a segunda maior operadora do país. David Schaffer, CEO da Cogent, disse ao The Washington Post que não queria que a empresa fosse usada para “ataques cibernéticos de saída ou desinformação”.
O movimento da Rússia para bloquear o Facebook é semelhante aos esforços da China para criar sua própria versão da internet fortemente censurada. Esse esforço remonta a mais de uma década. Em 2009, a China bloqueou o Facebook como parte de uma repressão a protestos e tumultos na época. Ele bloqueou o Twitter em breve e bloqueou o Google em 2014.
Pode haver pouco que qualquer plataforma possa fazer. Alicia Wanless, diretora da Parceria do Carnegie Endowment para Operações de Combate à Influência, disse que obter “controle total sobre seu próprio espaço de informação” é algo que a Rússia e a China exigem nas Nações Unidas “há muito tempo”.
“Isso criará essencialmente um ecossistema de informações fragmentado pelo qual o Ocidente não tem capacidade de influenciar outros países”, disse Wanless. “As democracias têm que… dar uma resposta no nível da ONU para o que o ambiente de informação deve realmente ser com os princípios democratas.”
A Rússia cortando o acesso a plataformas ocidentais e provedores de tecnologia também significará que corporações em todo o mundo, não apenas em tecnologia, “terão que reavaliar suas atividades em estados totalitários”, de acordo com Alex Stamos, diretor do Observatório da Internet de Stanford. Isso significa a China também.
Fonte: Convergência Digital