falecom@consecti.org.br
(61) 3142-0555

58% dos executivos de TI alegam que novos talentos têm formação insuficiente - Consecti

58% dos executivos de TI alegam que novos talentos têm formação insuficiente - Consecti

Notícias
09 dezembro 2022

58% dos executivos de TI alegam que novos talentos têm formação insuficiente

A pesquisa Tendências em Tecnologia, realizada durante o Universo TOTVS 2022, em parceria com a H2R Pesquisas Avançadas, aponta que cerca de 58% dos executivos de TI acreditam que os novos talentos não estão totalmente capacitados para o mercado.
“Desde 2019, as empresas de tecnologia alertam para o apagão de profissionais de TI no Brasil. A falta de profissionais capacitados impulsiona o crescimento das universidades e escolas corporativas no País”, menciona a Coordenadora de Treinamento e Capacitação da Keyrus Academy, Christiane Gatti.

O estudo ainda aponta que apenas 13% dos participantes consideram que os profissionais de TI são mais valorizados no Brasil. Em relação ao investimento na capacitação de suas equipes, quase metade das empresas afirmaram que investem menos do que o suficiente, outros 26% consideram que fazem um investimento normal, 14% afirmam investir pouco e 5% dizem que não investem nada.

O Brasil forma apenas 53 mil pessoas por ano em cursos de perfil tecnológico, mas a demanda média anual é de 159 mil profissionais de TI e comunicação. É o que aponta o estudo “Demanda de Talentos em TIC e Estratégia TCEM”, publicado pela Brasscom.

De acordo com a entidade, a projeção é de um déficit anual de 106 mil talentos, 530 mil em cinco anos. São números que refletem o crescimento acelerado do setor de TIC, e deixam clara a urgente necessidade de que a formação profissional também seja ampliada no mesmo ritmo.

Para a Brasscom, o ideal é as empresas criarem estratégias inovadoras para ampliar a formação de talentos e superar o déficit – previsto para ultrapassar meio milhão de profissionais, pois a baixa de mão de obra desperta um alerta para o risco de um apagão de profissionais qualificados para ocupar os postos vagos.

Employer U

A implantação de Universidades Corporativas têm crescido em diferentes segmentos que têm percebido a importância de investir no ativo mais importante de uma organização: o capital humano e intelectual.

O movimento é descrito como Employer U (universidade conectada à empresa, em tradução livre) que além de formar ou capacitar profissionais de acordo com a cultura organizacional da empresa, ainda contribui para inserir mão de obra qualificada no mercado de TI.

A multinacional Keyrus, líder mundial em consultoria de inteligência de dados, digital e transformação de negócios, lançou a Keyrus Academy, Universidade Corporativa com o objetivo de ampliar a rede da multinacional e capacitar profissionais de TICs.

“Nosso objetivo é ampliar nossa rede e capacitar o profissional de tecnologia, indiferentemente de ser um colaborador ou não. Sentimos a necessidade de capacitar a mão de obra disponível no mercado. Além dessa ampliação, mantemos nossos treinamentos internos e os treinamentos corporativos”, menciona a Coordenadora de Treinamento e Capacitação da Keyrus Academy, Christiane Gatti.

O diferencial da implementação das Universidades Corporativas é que as pessoas aprendem com quem vive na prática o dia a dia do mercado de tecnologia. No caso da Keyrus Academy os cursos são ministrados por consultores Keyrus que são profissionais altamente capacitados tecnicamente e mercadologicamente.

“Entendemos que a educação é fator determinante para o engajamento dos colaboradores, o que impacta diretamente em uma entrega de qualidade”, enfatiza Gatti.

Considerando o atual cenário, em que a crise afeta diferentes áreas e setores da sociedade, é de extrema importância e necessidade que os colaboradores estejam alinhados e capacitados a lidar com as novas realidades, caso contrário, a empresa pode estagnar. Logo, com uma capacitação adequada é muito mais fácil ampliar a excelência no trabalho executado.

Outro ponto importante a se destacar é o fato de que a capacitação dos colaboradores contribui para a gestão de planos de carreira, afinal, tem ocorrido uma movimentação de profissionais que buscam por uma aprendizagem contínua para investir em um plano de carreira vindouro.

Fonte: TI Inside