falecom@consecti.org.br
(61) 97400-2446

Pesquisas de mestrado relacionadas a construção de rodovias na Amazônia ganham destaque em livro internacional - Consecti

Pesquisas de mestrado relacionadas a construção de rodovias na Amazônia ganham destaque em livro internacional - Consecti

Giro nos estados
07 julho 2022

Pesquisas de mestrado relacionadas a construção de rodovias na Amazônia ganham destaque em livro internacional

Um compilado de pesquisas de mestrado realizadas no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PPGEC), da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), ganharam destaque em dois capítulos de um livro internacional, publicado pela editora IntechOpen com sede na Croácia. As pesquisas são relacionadas aos desafios na construção de rodovias na Amazônia brasileira, tendo como foco a identificação de problemas e soluções da engenharia.

O livro se chama “Métodos Aplicados em Projeto e Construção de Pontes, Rodovias e Estradas  – Teoria e Prática”, e um compilado de pesquisas resultantes de trabalhos de pós-graduação em Engenharia Civil, foram selecionadas para integrar dois capítulos do livro. Diversos alunos fizeram trabalhos com temáticas diferentes, porém tendo como ponto central materiais recicláveis para a engenharia. Os trabalhos apontam as dificuldades de engenharia a serem enfrentadas em obras de infraestrutura rodoviária na Amazônia brasileira.
Nilton Campelo, doutor em Geotecnia e orientador das pesquisas explicou que é a segunda vez que trabalhos relacionadas a área são publicados pela editora. “É com muita satisfação que a gente recebeu essa grata notícia”, disse Campelo. “Eu trabalho no laboratório com diversos materiais, pavimentação, agregados, misturas asfálticas, misturas cerâmicas, mas também na parte de fundação e contenções. Essa experiência levou a gente a realizar alguns trabalhos nessa área de pavimentação, envolvendo estradas construídas em várzeas, terra firme que resultou neste trabalho que nós publicamos”, explicou Nilton Campelo.
Para Campelo, o livro é muito importante e abre portas para que outras pesquisas com a mesma temática sejam realizadas. “Acho que agora a gente vai abrir uma porta para a engenharia nesse contexto da Amazônia”, disse o orientador.

Uma das pesquisas que integram o capítulo do livro é da engenheira civil Danielly Dias, que está relacionada as bases e sub-bases, que são camadas prévias antes de chegar no revestimento asfáltico. Danielly afirmou ser gratificante ver sua pesquisa ganhar espaço em uma publicação internacional.“Quando nós soubemos, foi muito gratificante. Foi assim, aquele sentimento de dever cumprido, porque um periódico técnico é muito relevante para um pesquisador, ainda mais quando ele é internacional. Pra mim foi extremamente gratificante”, afirmou a engenheira.
Danielly Dias também relatou as dificuldades para realizar pesquisas no país, levando em consideração a falta de incentivos e equipamentos que facilitem o trabalho de pesquisadores. “Fazer pesquisa aqui no país ainda é muito dispendioso, porque não temos fomento que contemplem os pesquisadores. Nessa área de materiais, principalmente de pavimentação, a gente não tem laboratório com equipamentos que a gente consiga ter índices muito bons pra tabular, pra fazer pesquisa. Minha pesquisa tem mais ou menos seis anos, parte dela foi feita na Coppe, outra parte foi feita na USP. Foi dispendioso a questão dos recursos, da logística, do transporte de materiais”, explicou Danielly.

O período conta também com pesquisas de mestrado em Engenharia Civil da Ufam de Arlene Campos, Marcos Baía e Daniel Almeida. Além da pesquisa de Raimundo Lima de Geociências da Ufam; Júlio Alencar de Engenharia Civil da Universidade Federal do Pará (UFPA); e Mário Santoro Filho da STP Engenharia de Projetos e Construções.
O professor Nilton Campelo, explica que a editora IntechOpen é a maior editora do mundo de edição de livros técnicos, com mais de três milhões de acessos por mês. A sede fica na Croácia, mas sua principal unidade fica em Londres.
Para a realização de pesquisas na universidade, Campelo destaca que foram aprovados R$ 16 milhões em equipamentos para os laboratórios da Faculdade de Tecnologia da Ufam.

Fonte: UFAM