falecom@consecti.org.br
(61) 3142-0555

Pesquisa inédita do Instituto Caldeira e do governo do RS mapeia startups gaúchas - Consecti

Pesquisa inédita do Instituto Caldeira e do governo do RS mapeia startups gaúchas - Consecti

Giro nos estados
12 dezembro 2022

Pesquisa inédita do Instituto Caldeira e do governo do RS mapeia startups gaúchas

Uma pesquisa inédita, lançada pelo Instituto Caldeira em parceria com a Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia (SICT) e a Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), mapeará o cenário de startups gaúchas para dar mais visibilidade ao ecossistema de inovação do Rio Grande do Sul.

O questionário on-line está disponível aqui e deve ser preenchido até 31 de dezembro exclusivamente pelos sócios-fundadores das empresas. A iniciativa tem apoio de SebraeX, Rede Gaúcha de Ambientes de Inovação (Reginp), Associação Gaúcha de Startups (AGS) e Grupo RBS.

A pesquisa “As startups no ecossistema gaúcho de inovação 2022” integra o projeto Ecossistemas de Inovação do RS, que está sendo coordenado pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE-SPGG). Esta será mais uma publicação promovida pela RS Tech, plataforma criada pelo Instituto Caldeira com o objetivo de divulgar dados, artigos e pesquisas sobre os impactos e caminhos para as novas economias no estado.

As perguntas estão relacionadas a características gerais, aspectos econômico-financeiros e esforço de inovação da startup, bem como ao perfil socioeconômico de seus sócios-fundadores. O objetivo é retratar as características das empresas, avaliar sua relevância para a economia do estado e identificar os principais aspectos que limitam ou favorecem a sua competitividade. Os dados poderão orientar a elaboração de políticas de apoio em ciência, tecnologia e inovação no RS.

Para o titular da SICT, Alsones Balestrin, esse mapeamento é relevante para todos os atores da quádrupla hélice (governo, iniciativa privada, academia e sociedade civil), pois fornecerá informações precisas sobre o ecossistema de startups local. “Quanto mais entendemos o ecossistema a fundo, mais conseguimos planejar ações que ajudem a orquestrá-lo e fomentá-lo, o que contribui positivamente para a geração de riqueza do nosso estado”, afirma Balestrin.

O secretário da SPGG, Claudio Gastal, destaca a importância desse estudo para toda a economia gaúcha. “As startups se tornaram atores estratégicos para a oferta de diversas soluções tecnológicas no RS e no mundo. Por isso, é fundamental conhecê-las em profundidade, para identificar seus desafios e vantagens competitivas, de modo a orientar estrategicamente os investimentos privados e as políticas públicas de ciência, tecnologia e inovação”, enfatiza Gastal.

“Em linha com o principal objetivo do Caldeira, que é o fomento do ecossistema de inovação gaúcho, o levantamento de dados sobre esse mercado contribui para que o instituto siga gerando valor para a comunidade de startups do RS”, ressalta Pedro Valério, CEO do Instituto Caldeira.

A previsão é de que os resultados da pesquisa sejam lançados ainda no primeiro semestre de 2023, possivelmente durante o South Summit Brazil, que ocorrerá em Porto Alegre entre os dias 29 e 31 de março de 2023. O passo seguinte será orientar a construção de ações de apoio – públicas e privadas – adequadas à realidade das startups gaúchas e com potencial para melhorar o seu desempenho econômico, o que beneficiará todo o ecossistema de inovação gaúcho.

Fonte: SICT RS