Destaques

Uso de redes sociais pelo governo aproxima cidadãos de órgãos públicos

Uma pesquisa feita nas páginas no Facebook dos 27 tribunais de contas estaduais e um federal mostrou que as instituições que adotam um posicionamento mais informal recebem as melhores avaliações do público. A avaliação levou em consideração a movimentação e as postagens nas páginas ao longo do mês de setembro de 2017, as fotos, vídeos e textos publicados pelos servidores dos TCEs (Tribunais de Contas Estaduais) e TCU (Tribunal de Contas da União).

Na comparação geral, a página do Tribunal de Contas da União tem a maior quantidade de curtidas entre os órgãos pesquisados: 54,4 mil. Apesar disso, a avaliação que os usuários fazem da página não é das melhores, e deram 4,3 pontos de um total de 5 ao Facebook do TCU. A linguagem adotada nos posts é a formal, e o conteúdo tem caráter exclusivamente informativo, como a divulgação de campanhas contra a corrupção, notícias institucionais e publicações especiais em datas comemorativas.

Entre os tribunais estaduais, a página do TCE de Mato Grosso é a mais curtida (24,2 mil) e tem uma das maiores notas: 4,7 na avaliação dos usuários. Para divulgar os conteúdos de interesse público, a equipe do tribunal usa “memes” — imagens caricatas e cômicas que costumam se popularizar rapidamente na internet —, uma linguagem própria para aumentar o engajamento, montam peças gráficas divertidas e têm o foco dos materiais no leitor, e não no público interno da instituição.

Outro comportamento identificado rendeu 5,3 mil curtidas ao Tribunal de Contas de Goiás: o uso da página para a interação com o público. Apesar de adotarem uma linguagem mais formal, os servidores públicos procuram responder rapidamente aos questionamentos dos cidadãos e mostrar o que o órgão tem feito.

Os pesquisadores identificaram que todas as capacitações feitas pelos funcionários estão reunidas em uma série de posts semanais, com abordagens diversificadas e uso de recursos como GIFs (imagens com movimentos) e artes de alta qualidade, além de hashtags (#) e da técnica de storytelling — por meio desse estilo, eles apresentam os servidores e mostram a convivência interna dos funcionários públicos.

Os dados foram levantados pela WeGov, organização que incentiva o intra empreendedorismo nos órgãos públicos. Um dos fundadores, André Tamura, explicou que o bom desempenho de algumas páginas se dá justamente por conta do entendimento dos gestores públicos de que o correto “é usar cada vez menos o ‘juridiquês’ e cada vez mais a empatia”. Para ele, as instituições devem estar próximas do cidadão.

Fonte: TI Inside

Próximos Eventos