Notícias

Universidade de Brasília poderá ter curso de engenharia aeroespacial

Jovens que sonham atuar no mercado de trabalho como especialistas na área espacial terão, a partir de 2012, a oportunidade de cursar a primeira graduação em engenharia aeroespacial da Universidade de Brasília (UnB). O projeto para a criação do curso foi montado por uma comissão de professores da Faculdade de Tecnologia e do Instituto de Física e deve ser implantado no câmpus UnB Gama. Para tanto, será necessária a aprovação do Decanato de Ensino de Graduação da universidade. No Brasil existem poucos cursos na área, sendo que os específicos são de pós-graduação. Este seria o primeiro curso de ensino superior para formação de engenheiros aeroespaciais ainda na graduação.

O curso da UnB será montado em cima da grade das outras quatro engenharias oferecidas no câmpus. Alessandro Borges, diretor da UnB Gama, afirma que a relação custo-benefício torna a graduação viável.

“O corpo docente seria todo aproveitado, necessitando da contratação de cerca de 10 novos professores. Quanto ao investimento em instalações e laboratórios, isso poderia ser feito gradativamente, já que os alunos entrariam em disciplinas específicas apenas nos últimos anos de curso”, explicou.

Pedro Luiz Caled Dacas, 22 anos, sempre quis trabalhar com desenvolvimento de foguetes. Mania de criança que virou profissão. Prestes a se graduar em engenharia mecânica pela UnB, Caled faz parte de um grupo de estudo para pesquisa de otimização de foguetes híbridos. É esforço redobrado para atuar na carreira tão pretendida.

“Assim como eu, quem depende das ofertas de curso para trabalhar com foguetes e estudos aeroespaciais fica limitado, tem que correr atrás de cursos fora de Brasília.

Conheço muita gente com a mesma paixão que não sabe por onde começar”, comenta. Pedro acredita que o Brasil está entrando em uma nova fase de investimentos em pesquisa para o espaço e que a criação desse curso é essencial.

Mercado
Segundo Antônio Bertachini Prado, doutor em engenharia espacial e coordenador dos cursos de pós-graduação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o mercado é promissor para profissionais que se especializam no planejamento e na execução de lançamento de veículos espaciais, como satélites e foguetes. “No entanto, a oferta de profissionais ficará pequena com o passar dos anos. A maioria dos profissionais que atuam nessa área hoje é de matemáticos, físicos e engenheiros com mestrado ou doutorado em aeroespacial. Faltam cursos que preparem e orientem desde cedo”, comenta. Ele explica que o Inpe prevê, para os próximos 10 anos, o aumento gradativo das missões espaciais.

Carlos Alberto Gurgel, chefe do Departamento de Engenharia Mecânica da UnB, explica que a instituição trabalhará para diminuir esse deficit. “A UnB possui a cultura do estudo aeroespacial arraigada nos cursos de engenharia e vem formando profissionais direcionados a essa área. Queremos nos valer dessa cultura para criar o curso, investir em nossos cientistas e expandir a área de pesquisa da instituição”, adianta.

Para estudar o espaço
» Universidades e instituições de pesquisa oferecem cursos de astrofísica, ciências do sistema terrestre, computação aplicada, meteorologia e graduações nas áreas de física, química e engenharias. Se aprovado, o curso de engenharia aeroespacial da UnB será o primeiro do Brasil.
Fonte: Correio Braziliense 07/01/2011

Próximos Eventos