Software Público Brasileiro lança dois programas para área educacional

O portal do Software Público Brasileiro (SPB), coordenado pela Secretaria
de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento
(SLTI/MP), passa a hospedar a partir da próxima semana duas novas aplicações
para a área de educação: o Gestão Acadêmica, também chamado Sagu, e o Gestão de
Bibliotecas, o Gnuteca. Ambas foram desenvolvidas pela Cooperativa de Soluções
Livres (Solis), com apoio do Centro Universitário Univates de Lageado, Rio
Grande do Sul.

O lançamento desses programas, já licenciados como
softwares livres, será na segunda-feira (28), às 14h30, na sede da Companhia de
Processamento de Dados do RS (Procergs), em Porto Alegre.

“Além de baixar e utilizar as ferramentas
gratuitamente, o interessado ou entidade tem a liberdade de alterar o código
das aplicações adequando-as a sua realidade e disponibilizar a nova versão para
outras pessoas da comunidade”, diz o diretor do Departamento de Governo
Eletrônico da SLTI, João Batista Ferri de Oliveira.

De acordo com João Batista, uma das finalidades do
Sagu é automatizar os processos de instituições de ensino, como o registro da
vida escolar do estudante, desde a sua admissão até a expedição do certificado
do curso. Já o software para gestão de bibliotecas vai atender o gerenciamento
de livros e periódicos de entidades e escolas de pequeno, médio e grande porte.
“Esta ferramenta proporciona um uso mais flexível, pois segue padrões
internacionais. É própria para ser aplicada em bibliotecas com acervo de 100 a
250 mil exemplares”, explica Ferri.

100 mil – Criado em 2007,
o portal do SPB já conta com 49 soluções
voltadas a diversos setores. Neste mês, o sistema registrou a marca de 100 mil
usuários cadastrados em todo o país e que se beneficiam dos programas. Os
serviços disponíveis são acessados até por empresas de outros países, como Argentina,
Portugal, Chile e Paraguai. Para a SLTI, o portal já se consolidou como um ambiente de compartilhamento de softwares. Isso
resulta em uma gestão de recursos e gastos de informática mais racionalizada,
ampliação de parcerias e reforço da política de software livre no setor público.

Entre os programas mais usados pela comunidade virtual estão o Coletor Automático de Informações Computacionais (Cacic),
que verifica informações sobre hardware e software nos computadores, o Ginga
(soluções para TV Digital Brasileira), além de sistemas de gestão para
municípios e programas na área da saúde, educação, meio ambiente e
gerenciamento de contratos.

Fonte: Imprensa Ministério do Planejamento

Compartilhe:

    Leave a Reply