+55 (61) 9 7400-2446

Notícias

Saúde fará edital de R$ 1,5 bi com exigência de produção local

O governo vai adquirir até R$ 1,5 bilhão em equipamentos e materiais médicos para hospitais. Para participar do edital de compra que o Ministério da Saúde vai lançar nos próximos dias, contudo, as empresas terão que produzir no Brasil ou, no máximo, se comprometer com o governo de que montarão plantas produtivas em até cinco anos. As novas regras estavam previstas no programa Brasil Maior desde agosto do ano passado, e mesmo depois de regulamentadas, pelo decreto 7.713, de abril deste ano, o Ministério da Saúde ainda não tinha utilizado este dispositivo.

As compras serão realizadas observando a margem de preferência de até 20% para fármacos e medicamentos não ativos, 25% para biofármacos e 8% para equipamentos hospitalares e medicamentos que sirvam de insumos. A decisão de acelerar as compras foi tomada na semana passada, depois que a presidente Dilma Rousseff cobrou dos ministérios uma antecipação de todas as compras governamentais possíveis, de forma a estimular a economia, como antecipou ontem o Valor.

Responsável pela estratégia, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, afirmou que as compras de máquinas e materiais médicos, com atenção especial a equipamentos de radioterapia, devem ocorrer já início do segundo semestre. “Vamos usar o poder de compra do Estado em sua plenitude, no intuito de desenvolver no Brasil um complexo industrial da saúde capaz de suprir a demanda dos hospitais privados e públicos”, explicou.

O déficit comercial do complexo industrial da saúde (máquinas e equipamentos médicos e hospitalares, medicamentos, fármacos e biofármacos) saltou de US$ 3 bilhões em 2000 para pouco mais de US$ 10 bilhões no ano passado. “Todo o nosso déficit comercial equivale a exportação do Mato Grosso, um dos principais polos exportadores de bens primários, em alta no mundo”, diz Gadelha.

Hoje, o Ministério da Saúde conta com 34 parcerias público-privadas (PPPs) que envolvem a pesquisa e inovação no setor, com a participação, do lado público, de centros como Fiocruz e Instituto Butantã. Com a nova regra para participação em editais de compras do Ministério da Saúde, os técnicos da Pasta esperam ampliar o envolvimento de institutos federais de pesquisa, uma vez que estes “abrirão portas” para a instalação de plantas de empresas estrangeiras.

Fonte: Valor Econômico

Próximos Eventos