Destaques

Projetos de preservação ambiental da América Latina vão usar Inteligência Artificial

Lançado em julho de 2017, o AI for Earth é o programa da Microsoft dedicado a distribuir investimentos em inteligência artificial (IA), pesquisa e tecnologia em quatro áreas principais: mudanças climáticas, agricultura, biodiversidade e água.

Por meio de subvenções que fornecem acesso a ferramentas de nuvem e inteligência artificial, oportunidades de educação e treinamento em IA e investimentos em soluções inovadoras e escaláveis, o AI for Earth trabalha para promover a sustentabilidade em todo o mundo.

A iniciativa anunciou nesta terça-feira, 11, quatro beneficiados latino-americanos na Argentina, México, Nicarágua e Porto Rico, com os quais a Microsoft vem trabalhando. Além disso, a Microsoft anunciou que onze agentes de mudança – incluindo um da América Central – receberão a AI for Earth Innovation Grant, habilitando-os a aplicar IA para ajudar a entender e proteger o planeta.

Revelando AI for Earth para os beneficiários da América Latina:
Os quatro projetos vencedores da América Latina que usam IA da Microsoft incluem uma iniciativa para medir a saúde das florestas e avaliar quanto tempo elas demoram para se recuperar; uma outra voltada para promover o desenvolvimento sustentável da terra; e outro projeto concentra-se na análise dos efeitos da mídia sobre a percepção das mudanças climáticas:

Na Argentina, um grupo de especialistas em uso da terra, mapeamento da cobertura da terra, modelagem da qualidade da água e impacto da modelagem das mudanças climáticas do Instituto Patagônico para o Estudo de Ecossistemas Continentais, usará IA e redes neurais para classificar imagens de satélite da Patagônia para criar um modelo sobre o impacto do uso atual e futuro da terra / cobertura da terra na qualidade da água na região.

No México, o Centro Intercultural para o Estudo dos Desertos e Oceanos (CEDO) está usando um modelo de aprendizado de máquina para determinar como as mudanças climáticas são comunicadas na região do Golfo da Califórnia. Por meio da análise de dados dos escritos locais e regionais da mídia online, a partir de 2016 e 2017, o CEDO treinará seu modelo para criar estruturas temáticas e, assim, ajudar a apoiar estratégias de adaptação às mudanças climáticas entre governos e organizações sem fins lucrativos.

O Centro Humboldt, localizado na Nicarágua, tem um projeto destinado a fornecer às comunidades de regiões florestais e humanitárias, ferramentas técnicas e científicas baseadas em IA para defender seus ativos e territórios comuns. O foco é melhorar o uso da terra, promover o desenvolvimento da terra e gerenciar o meio ambiente de maneira sustentável.

O furacão Maria, que atingiu Porto Rico em 2017, causou grandes danos às florestas da ilha. A professora Maria Huriarte, da Universidade de Columbia, está usando a IA para realizar uma inspeção ecológica virtual de espécies arbóreas para entender melhor como as tempestades afetam a capacidade de armazenamento de carbono e mitigar a mudança climática, e como as florestas danificadas se recuperam com o tempo.

A subvenção de US$ 1,28 milhão do AI for Earth Innovation anunciada hoje apoiará os projetos para melhorar a forma como monitoramos, modelamos e gerenciamos o sistema natural da Terra para um futuro mais sustentável.

O projeto vencedor da América Central propõe o desenvolvimento de um protótipo de um sistema de alerta antecipado de Harmful Algal Bloom (HAB, proliferação de algas nocivas) no Lago Atitlan, um marco da biodiversidade e cultura da Guatemala.

À medida que a demanda por água doce se intensifica e a degradação dos corpos d’água aumenta, é imperativo fornecer informações às autoridades locais de água para tomar medidas preventivas precoces. O objetivo é prever os próximos eventos de HAB no Lago Atitlan, já que o local passou por HABs recorrentes na última década.

O subsídio proporcionará aos beneficiários suporte financeiro, acesso a ferramentas do Microsoft Azure e IA, inclusão na comunidade do National Geographic Explorer e afiliação ao National Geographic Labs. Além disso, o programa apoiará a criação e a implantação de modelos e algoritmos treinados em código aberto, disponibilizando-os para comunidades maiores, incluindo outros pesquisadores e inovadores ambientais.

Fonte: TI Inside

Próximos Eventos