Notícias

Parques tecnológicos buscam empresas para ancorar projetos

Os parques tecnológicos do Brasil estão prospectando novos centros de pesquisa de companhias globais. No Parque Tecnológico do Rio de Janeiro, serão investidos R$ 500 milhões, por dez empresas âncoras, até 2013. Este ano, o Instituto Tecnológico Vale (ITV) será implantado no Parque de São José dos Campos (SP), com investimentos de R$ 223 milhões.No Rio Grande do Sul, o Parque Científico e Tecnológico da Pontifícia Universidade Católica (TecnoPUC) procura parceiros em áreas como energia e meio ambiente. Em Recife (PE), o Porto Digital, que já hospeda a IBM e a Microsoft, quer receber mais duas corporações, até o final de 2013, do mercado de tecnologia da informação (TI) e economia criativa. Para chamar a atenção das grandes empresas, os complexos acenam com a intermediação de recursos de agências de fomento, acesso a grupos de pesquisas nas universidades e isenção de IPTU.
“Os parques precisam apresentar um ecossistema de inovação favorável para as empresas, o que inclui instituições científicas qualificadas e um bom fluxo de estudantes e pesquisadores”, afirma Guilherme Ary Plonski, presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).
De acordo com a entidade, os 25 parques em funcionamento no Brasil têm, em média, duas empresas âncoras por operação. “São centros de desenvolvimento ou engenharia de corporações que lideram cadeias produtivas com companhias nascentes e de menor porte.”
O Parque Tecnológico do Rio de Janeiro, criado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), abriga dez grandes empresas que vão construir centros de pesquisa entre 2011 e 2013. A lista inclui a Schlumberger, Baker Hughes, Usiminas, Siemens e a GE, a adesão mais recente, em uma área vizinha ao parque.
“O centro de pesquisa da GE é o quinto da empresa no mundo e vai ocupar uma área de 50 mil m2, com recursos de US$ 150 milhões”, afirma o diretor do parque, Maurício Guedes. Por conta da exploração do pré-sal, o cluster carioca virou um catalisador de companhias da área de petróleo & gás. No final do ano passado, inaugurou o primeiro centro internacional de pesquisas para tecnologias do pré-sal.
“Estamos próximos do centro de pesquisa da Petrobras e dos laboratórios da UFRJ”, justifica. Além de gigantes da área de petróleo, há empresas de TI, biotecnologia e cosméticos interessadas em fincar bandeiras no local.
Segundo Guedes, os parques brasileiros atraem as corporações por conta de maiores oportunidades de negócios e pela estabilidade econômica, além da presença de centros acadêmicos reconhecidos internacionalmente. “Mas faltam políticas públicas voltadas à inovação, com um programa nacional de apoio à implantação de clusters e dotação orçamentária adequada.”
Criado em 2006, o Parque Tecnológico de São José dos Campos já recebeu R$ 200 milhões de aportes públicos e R$ 1,1 bilhão do setor privado. Conta com quatro empresas âncoras – Embraer, Vale, Sabesp e Sociedade Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) – com centros de desenvolvimento nas áreas de aviação, energia, saneamento ambiental e saúde, respectivamente. Este ano, será implantado o Instituto Tecnológico Vale (ITV), da Vale, voltado à pesquisa de fontes renováveis de energia, com investimentos de R$ 223 milhões.
“Oferecemos intermediação de recursos de agências de fomento e aproximação com grupos de pesquisas, além de isenção de IPTU”, afirma José Raimundo Coelho, diretor geral do parque, que procura parceiros que facilitem o adensamento de cadeias produtivas na indústria espacial e de TI. “Queremos ter 200 companhias residentes até 2015.”
No ano passado, o complexo paulista finalizou a construção de um prédio de cinco mil m2 para receber pequenas empresas, atraídas pelas atividades dos centros de desenvolvimento. O espaço abriga 27 companhias de tecnologia, eletrônica, geoprocessamento, aeronáutica e biomedicina. Nesse semestre, devem começar as obras de um novo centro empresarial, para 40 empreendimentos e três laboratórios de óleo & gás e TV digital.
“A projeção de crescimento do número de empresas no parque é de 20% ao ano, nos próximos cinco anos”, afirma Roberto Moschetta, diretor do TecnoPUC. O parque gaúcho recebeu sua primeira âncora, a Dell, em 2002, e hoje abriga mais sete grandes companhias – HP, Accenture, Totvs, Stefanini IT Solutions, Tlantic, Petrobras e RBS. “Estamos prospectando parceiros de TI, energia, biotecnologia e ciências da saúde”, informa Jorge Audy, pró-reitor de pesquisa da PUC-RS.
“As companhias devem ter potencial de geração de negócios para empresas locais e criação de empregos qualificados”, diz o diretor de inovação do Porto Digital, de Recife, Guilherme Calheiros. “A meta é atrair mais duas corporações até 2013, nas áreas de TI e economia criativa.”

Fonte: Valor Econômico

Próximos Eventos