+55 (61) 9 7400-2446

Notícias

Pará terá complexo industrial de biocosméticos

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) segue avançando no seu objetivo de atrair para o estado investimentos focados na exploração da biodiversidade local, com aplicação de conhecimento e sustentabilidade. A ida do secretário-adjunto da Secti, Alberto Arruda, à sede da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), em Florianópolis, foi mais um passo importante nesse sentido. Na ocasião, foram discutidos aspectos técnicos voltados à construção do Ecoparque, complexo industrial ecológico, situado em Benevides, na grande Belém.

A Natura, idealizadora do projeto, já possui uma unidade em Benevides, mas sua produção se restringe à fabricação de uma massa vegetal chamada noodle, que responde por 90% da composição do sabonete. Com a expansão, o objetivo é de que, até o final de 2012, a empresa inaugure uma fábrica para centralizar sua produção de sabonetes, hoje concentrada na região Sudeste. A nova fábrica deverá ocupar 10% de um terreno de 172 hectares. O restante do espaço seria cedido a outras companhias interessadas em ocupar o complexo.

A iniciativa prevê, também, a criação de um centro de pesquisa e inovação dentro do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, em consonância com o Programa Paraense de Incentivo ao Uso Sustentável da Biodiversidade (Biopará), conduzido pela Secti. A intenção é o estabelecimento de parcerias entre a Natura e as principais instituições de pesquisa da Amazônia Oriental, com o intuito de desenvolver técnicas modernas em cadeias produtivas de biocosméticos, área na qual o Pará conta com grande competência técnico-científica, incluindo o maior número de doutores na Região Norte.

“O governo do Pará trabalhará no sentido de fornecer as condições institucionais e técnicas necessárias para a instalação do complexo. Por outro lado, a Natura, bem como as outras empresas que comporão o Ecoparque, se comprometerão com o desenvolvimento social e científico da nossa região”, acredita Alberto Arruda, que também é químico e professor da Universidade Federal do Pará.

Fonte: SECTI-PA

Próximos Eventos