Notícias

Pará apresenta plano estratégico de CT&I para o quadriênio 2011-2015

Foi apresentado na última segunda-feira (27), para representantes de instituições de ensino e pesquisa e empresários, o Plano Diretor 2011-2015 da Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect). O principal objetivo é integrar os principais atores de ciência, tecnologia e inovação no Pará. O documento foi construído de maneira participativa, com a colaboração de diversos setores, com o intuito de fornecer transparência, compromisso e credibilidade.

“Não podemos governar o Estado no setor que nos cabe sem dar uma resposta à sociedade, sem melhorar os indicativos sociais e econômicos”, disse o titular da Sedect, Alex Fiúza, destacando que as ações, metas e estratégias previstas no Plano Diretor da secretaria estão estruturadas em quatro eixos. Um deles é o aprendizado, que prevê a qualificação da equipe da Sedect e a implantação de um programa de gestão em excelência.

Outro eixo é o dos processos, que pretende criar um sistema de informação em ciência, tecnologia e inovação; divulgar e popularizar o setor; estimular a inovação e o empreendedorismo; incentivar a formação de mestres e doutores; e viabilizar incubadoras de empresas, parques de ciência e tecnologia e pólos de conhecimento.

Objetivos – No eixo das parcerias, ainda dentro do plano, está a meta de fomentar a criação e consolidação de cadeias produtivas estratégicas, além de efetivar estratégias de atração de investimentos e ampliar a captação de recursos para ciência, tecnologia e inovação.

No âmbito do Estado, o plano prevê a consolidação da ciência, tecnologia e inovação como base para a ampliação da matriz econômica. Outras metas são legitimar a relevância do setor para o desenvolvimento sustentável e contribuir para a melhoria dos indicadores sociais.

A Sedect, ao longo de quatro anos de gestão, pretende também criar e manter o Observatório Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação; consolidar o Parque de Ciência e Tecnologia Guamá; criar e consolidar sete incubadoras de empresas no Estado; promover seminários, cursos e capacitações; criar e manter o Portal Paraense de Inovação (PPI); implantar 300 novos telecentros em todo o Estado; e revisar e encaminhar a Lei de Inovação do Estado.

Biopará –Um dos projetos apresentados na ocasião foi o Programa Paraense de Incentivo ao Uso Sustentável da Biodiversidade, cuja proposta é aplicar técnicas modernas em cadeias produtivas da biodiversidade, como a de alimentos e dermocosméticos, num movimento contrário ao desmatamento.

Em estudo feito pela própria Sedect, foram identificados como principais produtos de apelo comercial e não-madeireiros os fitoterápicos, como breu branco, inajá, copaíba, murumuru, semente de cupuaçu, semente de cumaru e leites.

Em alimentos funcionais, foram apontados o açaí, cacau, castanha, buriti, bacuri, palmito, bacaba, taperebá e cupuaçu. A lista inclui, ainda, cosméticos e corantes obtidos a partir desses produtos vegetais. “Precisamos usar a floresta de maneira sustentável, sem desmatar. Nossa intenção é criar uma matriz que saiba aproveitar a biodiversidade local, com recursos renováveis, diferente do minério, cujo ciclo é datado”, completou Alex Fiúza

Fonte: SEDECT- PA