O maior prêmio de ciência e tecnologia do Brasil será entregue nesta semana

Na próxima terça-feira (03/05), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT) e a Fundação Conrado Wessel entregam a mais importante honraria em ciência e tecnologia do país, o Prêmio Almirante Álvaro Alberto. A honraria concedida anualmente reconhece pesquisadores brasileiros pelo trabalho realizado ao longo de sua carreira em prol do progresso da ciência e pela transferência de conhecimento da academia ao setor produtivo.

O agraciado da edição de 2010 será o médico e neurocientista Iván Izquierdo, que receberá diploma, medalha e R$ 150 mil. A solenidade será realizada Academia Brasileira de Ciências (ABC), no Rio de Janeiro, e contará com a participação do ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante.
Ivan Izquierdo

O pesquisador Iván Antonio Izquierdo é considerado um dos maiores pesquisadores do mundo na área de fisiologia da memória. Graduou-se e doutorou-se na Universidade de Buenos Aires (UBA) e fez seu pós-doutorado na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). Mudou-se para o Brasil em 1973, incorporando-se posteriormente à Escola Paulista de Medicina, hoje Unifesp, onde fundou um grupo de pesquisas em neurociência. Desde 1978, reside em Porto Alegre, Rio Grande do Sul e em 1981 obteve nacionalidade brasileira.

Membro de várias Academias e sociedades científicas do país e do exterior, Izquierdo fez grandes descobertas, como os principais mecanismos moleculares da formação, evocação, persistência e extinção das memórias, a dependência de estado endógena, a separação funcional entre as memórias de curta duração e longa duração. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, Izquierdo já recebeu mais de 50 prêmios e distinções. Autor de 17 livros e mais de 650 artigos científicos, estes últimos já parte imprescindível da bibliografia sobre a biologia memória.

Durante mais de 20 anos, Izquierdo integrou o Departamento de Bioquímica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Seu grupo de pesquisa, agora ampliado, está no Instituto do Cérebro da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), onde Izquierdo é Professor titular de Medicina e coordenador do Centro de Memória.

Sobre Álvaro Alberto

Seguindo o caminho trilhado por seu pai, o médico Álvaro da Silva, e de seu avô, o farmacêutico João Álvaro, ao longo de mais de um século, Álvaro Alberto também seguiu o caminho das ciências. Foi na Escola Naval do Rio de Janeiro que Álvaro Alberto iniciou seus primeiros estudos e começou a se destacar. Durante mais de 30 anos, Álvaro Alberto se dedicou ao magistério sem abandonar suas pesquisas, especialmente na área de explosivos e também com estudos mais aprofundados na área de energia nuclear.

Idealizador e primeiro presidente do CNPq, então Conselho Nacional de Pesquisas, o Almirante também foi o representante brasileiro na Comissão de Energia Atômica (CEA) das Nações Unidas e presidiu a Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Respeitado no meio acadêmico, Álvaro Alberto sempre defendeu que o desenvolvimento científico e tecnológico estava intimamente ligado com a prosperidade do país. E, acreditando nisso, deu início a uma nova era na pesquisa científica no país, com a criação do CNPq, cujo principal objetivo na época e que perdura até hoje é investir no potencial humano.
Mais informações podem ser obtidas na página do Prêmio:

http://www.cnpq.br/premios/2010/paa/premio.htm

Fonte: CNPq

Compartilhe:

    Leave a Reply