Notícias

Mercadante: Setor automotivo deve receber investimentos

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, disse hoje que o Brasil deverá ter, em breve, notícias de novos investimentos para o setor automotivo. “É um momento para atrair investimentos e inovar a indústria nacional. Minha avaliação é que teremos investimentos novos para a indústria automobilística no Brasil. As empresas querem participar do mercado interno brasileiro”, destacou, após participar hoje de reunião do Diretório Estadual do PT, na Capital, onde proferiu palestra sobre o tema ”Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o País”.

 

Sobre a crítica da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), de que é inconstitucional a alta imediata do IPI e que seriam necessários 90 dias para a medida entrar em vigor, Mercadante afirmou que “o princípio de noventena (90 dias) é para a criação de novos impostos e não para uma mudança de alíquota”.

O ministro afirmou que o governo está aberto para buscar soluções para aqueles fabricantes que tiverem interesse de produzir no País, “com criação de empregos e desenvolvimento tecnológico”. Mercadante disse que um dos objetivos do governo “é mudar a postura do Brasil em relação à inovação tecnológica”. “Crédito, incentivo fiscal e mercado interno são as grandes ferramentas para isso”, disse.

Na quinta-feira, o governo anunciou o aumento de 30 pontos porcentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis e caminhões para montadoras que não cumprirem determinados requisitos, como utilizar, no mínimo, 65% de conteúdo nacional ou regional (Mercosul), investirem em pesquisa e desenvolvimento e preencherem pelo menos 6 dentre 11 requisitos de investimentos.

Para Mercadante, a indústria automotiva deverá reagir de forma parecida de como ocorreu com os tablets, com o governo promovendo incentivos fiscais para atrair a produção local. “A indústria terá que seguir as condições locais, porque o mercado brasileiro é um dos poucos disponíveis no mundo. É o quinto maior mercado automotivo e as vendas estão desabando lá fora. Isso está sendo feito para atrair investimentos e inovar a indústria”, disse.

O ministro defendeu que outros produtos “sigam a mesma direção do que foi feito para os tablets e veículos”, como televisores, celulares e notebooks. “Estamos com um esforço muito grande para trazer a indústria de semicondutores. Para atrair esse setor, temos de exigir que a produção de celulares, tablets, computadores tenha conteúdo nacional”, destacou.

Fonte: Agência Estado

Próximos Eventos