+55 (61) 4101-6508 / 4101-6509

Notícias

Mercadante defende a formação de mais engenheiros no País

Estimular a formação de mais engenheiros para garantir o desenvolvimento sustentável do País. A proposta foi apresentada pelo ministro Aloizio Mercadante, ontem (22), em Brasília, no 6º Encontro de Lideranças promovido pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea).Dentro das discussões no painel Política Nacional de CT&I e Política de Desenvolvimento Produtivo (Investimentos: Desafios e Oportunidades), Mercadante sustentou a necessidade de intensificar o processo de formação de engenheiros para atender às demandas, com o recente crescimento econômico, e para inserir o Brasil no atual contexto de competitividade internacional, diante da constatação de insuficiência de profissionais no mercado.O ministro comparou a situação brasileira em relação a países com maior grau de desenvolvimento.  Para ele, uma alternativa seria formar tecnólogos para suprir parte das necessidades. “Tínhamos, no ano passado, 30 mil engenheiros formados e 10 mil tecnólogos, mas na China são 250 mil tecnólogos que se formam em cursos de três anos. No Brasil, formamos um engenheiro a cada 50 formandos, enquanto a Coréia forma um engenheiro a cada quatro formandos. Temos que acelerar essa formação”, enfatizou Mercadante.Ele informou que está em elaboração um Programa Nacional para as Engenharias, com a participação de outras instituições e de agências de fomento, para estimular as engenharias a aperfeiçoar a formação desse engenheiro que é o tecnólogo, especializado em alguma área da cadeia produtiva. “Hoje, falta profissional no mercado de trabalho. E a solução não é importar mão de obra. É formar aqui, gerar oportunidade aqui”, afirmou.De acordo com o ministro, o Brasil voltou a crescer de forma acelerada, mas ainda enfrenta problemas originados do grande período que enfrentou de baixo crescimento. Entre as dificuldades atuais, ele aponta a falta de estrutura, a falta de logística e, em especial, o déficit na formação de mão de obra e de recursos humanos. “O Brasil avançou muito na formação de recursos humanos, em 1987, cinco mil mestres e doutores foram formados, enquanto, em 2010, formamos 50 mil. O sistema de pós-graduação foi ampliado e interiorizado”, disse.  “Agora vamos ter que combinar uma engenharia mais longa com uma engenharia mais curta para atender determinados setores da cadeia produtiva. Só no Pré-Sal vamos precisar de 200 mil engenheiros nos próximos 15 anos”, acrescentou.Em seu pronunciamento, Mercante também anunciou que vai acolher a sugestão apresentada no evento pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) para a criação do um fundo específico para o setor, como ocorre com os Fundos Setoriais em áreas estratégicas, administrados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Fonte: Jornal da Ciência de 23/02/2011

Compartilhe:

    Próximos Eventos