+55 (61) 9 7400-2446

Notícias

MEC vai propor tutoria e cursos de nivelamento para cotistas

Ministro anuncia assistência estudantil e diz que medidas são para formar alunos.

O Ministério da Educação (MEC) prepara um modelo nacional de tutoria e cursos de nivelamento para estudantes que ingressarem nas universidades federais pelo sistema de cotas. O anúncio foi feito pelo ministro Aloizio Mercadante, ao apresentar a regulamentação da Lei de Cotas publicada nesta segunda (15) no Diário Oficial.

A partir do próximo vestibular, pelo menos 12,5% das vagas para todos os cursos e turnos, em universidades e institutos federais, deverão ser reservadas a alunos de escolas públicas, com subcotas para estudantes de baixa renda e autodeclarados pretos, pardos e indígenas. A lei determina que, em quatro anos, esse percentual chegue a 50%.

Mercadante disse que discute com reitores mecanismos para garantir que os cotistas tenham êxito acadêmico e obtenham o diploma. Mas o modelo de cursos não deve estar pronto até o próximo vestibular, quando as cotas entram em vigor.

“Vamos estabelecer cursos de nivelamento e tutorias. E vai ter um modelo nacional apoiado pelo MEC”, afirmou o ministro. “A experiência demonstra que parte desses alunos precisa de um acompanhamento, especialmente no início do curso. Temos que garantir que eles saiam em boas condições. Inclusive vamos fazer uma política de bolsa, de assistência estudantil especialmente para cotistas de baixa renda, para que tenham todas as condições de se dedicar exclusivamente à universidade, poder se formar e ter o seu diploma”.

Ele evitou comentar proposta da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, em análise na Casa Civil, de criação de cotas para negros em concursos públicos e cargos de confiança federais. Mas admitiu a possibilidade de reservar vagas para egressos da escola pública e autodeclarados pretos e pardos no programa Ciência sem Fronteiras, que dá bolsas de graduação e pós-graduação no exterior.

Um balanço parcial, segundo Mercadante, mostrou que cerca de 33% dos bolsistas do Ciência sem Fronteiras já vêm da escola pública e são pretos ou pardos. Ele disse que o levantamento será aprofundado antes de qualquer decisão. E que a nota mínima de 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no caso do Ciência sem Fronteiras, não será reduzida. “Vamos analisar primeiro se é necessário”.

O ministro destacou que uma eventual política de cotas no programa de bolsas no exterior precisaria ser precedida do ensino massivo de inglês e outras línguas. “Não adianta eu dizer “olha, tem uma política de cotas [no Ciência sem Fronteiras]”, se ele [candidato] não tem proficiência em inglês. Eu só posso mandar para Portugal. A política de cotas tem que garantir as condições de desempenho no curso.

O MEC prepara o lançamento do Inglês sem Fronteiras, iniciativa que testará conhecimentos e oferecerá cursos em universidades federais. Em relação à lei de cotas nas universidades e nos institutos técnicos, o ministro destacou as tutorias já implementadas por instituições que atendem cotistas. “Os alunos têm um tutor que acompanha, vê as deficiências, ajuda a reforçar o que é necessário”.

Fonte: O Globo

Próximos Eventos