Destaques

Fundo do Vale do Silício lança plataforma para democratizar acesso a investimentos

O fundo de venture capital Social Capital, do Vale do Silício, abre hoje, dia 1º de agosto, sua plataforma de Capital-as-a-Service (CaaS) para startups brasileiras do tipo early stage que buscam investimento e insights para seus negócios.

Fundado em 2011, o Social Capital lançou em 2017 a versão beta e fechada da primeira estratégia de investimentos baseada no uso de software do mundo – inaugurando assim uma categoria de serviços até então inexistente, a de investimentos de venture capital baseados em dados, com sua plataforma de CaaS.

O fundo escolheu o Brasil para inaugurar a versão aberta ao público pela primeira vez desde que o produto foi criado e chega para selecionar empresas de forma escalável, transparente e baseada em dados. Os investimentos ficam entre US$ 50.000 e US$ 250.000 (que equivalem a uma faixa de aproximadamente R$ 186.000 a R$ 930.000). A empresa americana busca oportunidades para co-investir, mas também pode liderar rodadas de investimentos.

A inovação chegou para transformar o setor de venture capital que, apesar de se debruçar sobre empresas altamente tecnológicas e disruptivas, muitas vezes ainda segue práticas tradicionais e ultrapassadas para escolher onde alocar seus investimentos. Assim, iniciativas interessantes podem ser deixadas de lado já que muitos fundos escolhem empresas com base em indicadores superficiais como contatos pessoais ou o status de seus executivos. Além disso, são raros os fundos que explicam para os fundadores os motivos das rejeições.

A plataforma do Social Capital, por sua vez, utiliza análise de dados e machine learning para avaliar as startups e identificar, de forma semi-automatizada, aquelas com o melhor desempenho, as melhores soluções e mais potencial de crescimento. O Capital-as-a-Service foi projetado por profissionais vindos de empresas de tecnologia como Facebook, Dropbox e Survey Monkey, entre outros, que se inspiraram em suas experiências para descobrir como o uso de software poderia democratizar o acesso a investimentos.

Funciona assim: a inscrição pode ser feita no caas.socialcapital.com, onde deve ser preenchido um formulário com as principais informações sobre a empresa, seguido pelo upload de dados transacionais, que será a chave para a análise das métricas do negócio. Além disso, o candidato é convidado a escrever um texto com elementos qualitativos como a missão e os valores da empresa.

A resposta chega dentro de poucos dias e, mesmo no caso de a startup não ser selecionada, o Social Capital oferece recomendações e benchmarks para apoiar a empresa em seu processo de evolução e, se a startup quiser tentar novamente, o fundo volta a avaliar as métricas e continua oferecendo análises de seus negócios. Tanto as selecionadas quanto as não selecionadas recebem a análise quantitativa completa aplicada pelo fundo na hora de avaliar os negócios, mostrando o desempenho da empresa com relação a métricas fundamentais do setor. Além disso, o Social Capital pretende implementar serviços como uma comunidade online e webinars e conteúdos sobre retenção, aquisição, precificação e outros meios de suporte escaláveis.

Em sua atuação como um fundo de venture capital, o Social Capital leva em conta a contribuição social das iniciativas, como startups dos setores de saúde, educação, serviços financeiros, tecnologias B2B e tecnologias emergentes, mas sua modalidade CaaS abrange qualquer empresa que utilize tecnologia para resolver problemas reais em mercados onde o acesso a investimentos é mais restrito.

Fonte: TI Inside

Próximos Eventos