Notícias

Estudo revela mecanismo que faz câncer se espalhar

Uma equipe internacional de pesquisadores, incluindo brasileiros do Hospital A.C. Camargo (SP), pode ter dado um passo importante para bloquear o insidioso processo por meio do qual o câncer se espalha pelo organismo.

Os pesquisadores mostraram uma espécie de bolha microscópica, que lembra uma “minicélula”, é capaz de carregar as sementes de um novo tumor para partes distantes do corpo, preparando essas áreas para receber a doença.

Se for possível bloquear a ação dessas “bolhas”, os médicos teriam em mãos uma defesa importante contra a metástase, como é conhecido o espalhamento do câncer pelo organismo do doente.

A quantidade e o conteúdo das “minicélulas” também poderiam trazer pistas importantes sobre a gravidade de determinado câncer e sobre a resistência do tumor a medicamentos, explica a bioquímica Vilma Martins, pesquisadora do A.C. Camargo. “Pode ser uma ferramenta muito poderosa para os oncologistas”, afirma.

A pesquisadora assina um estudo sobre o tema que acaba de ser publicado na revista científica “Nature Medicine”. A equipe de cientistas, coordenada por David Lyden, da Faculdade Médica Weill Cornell, em Nova York, identificou sinais intrigantes do papel das “bolhas”, conhecidas tecnicamente como exossomos, num câncer que costuma afetar a pele, o melanoma.

“Um corpo que sai”

Os termos gregos que formam a palavra “exossomo” podem ser traduzidos exatamente da maneira acima: “um corpo que sai” da célula, como uma espécie de mensageiro, de acordo com o que pesquisas recentes mostram. “É uma área de pesquisa bastante nova”, diz Martins.

Os exossomos se formam no interior das células e apresentam uma membrana composta por uma camada dupla de gordura exatamente como a membrana das células “verdadeiras”.

Em seu interior, podem carregar vários tipos de molécula, inclusive material genético. Atravessam com facilidade a membrana das células e levam essa carga para outras células. “Parece um método eficiente de sinalização celular”, explica a pesquisadora.

O problema é que, como mostrou o trabalho da bioquímica e seus colegas, essa sinalização pode ser facilmente usada para o mal. Em pessoas com melanoma, por exemplo, os exossomos produzidos carregam uma quantidade maior de proteínas ligadas ao câncer quando o tumor da pessoa é mais grave.

Quando injetadas em camundongos junto com células tumorais, as “minicélulas” facilitaram a formação de tumores, carregando substâncias que ajudam a recrutar células formadoras de vasos sanguíneos.

É que os cientistas apelidam de “criação de nicho” para o tumor: um local cheio de nutrientes trazidos pelos vasos para que o vilão possa crescer. E os vasos também ficam mais permeáveis o que facilitaria a penetração das células tumorais. O desafio, agora, é aprender a bloquear o processo.

Fonte: Folha de São Paulo

Próximos Eventos