+55 (61) 9 7400-2446

Notícias

Empresário brasileiro busca parcerias além da Foxconn

A investida de Eike Batista no mercado de tablets pode não vir de uma parceria com a Foxconn, empresa taiwanesa que tem planos de fabricar iPads, da norte-americana Apple, no Brasil. O bilionário sinalizou na noite de segunda-feira, 5, que pode buscar outros fabricantes apesar de já ter anunciado recentemente a intenção de se associar à companhia. Ele disse ainda que para tornar viável o investimento no setor, o governo precisaria zerar impostos sobre o produto.

“Há outros grandes players, como a Samsung. Nós gostamos sempre de fazer (parcerias) com os ‘número um’ do mundo. Então vamos ver quem tem a melhor proposta para o Brasil”, declarou o executivo à imprensa durante evento de lançamento de seu livro, O X da questão. O tom foi menos confiante do que o das declarações dadas no fim de outubro, quando Eike disse que faltaria apenas acertar o detalhamento da operação para fechar negócio com a empresa.

Em julho, a Foxconn, que já tem uma unidade em Jundiaí (SP), anunciou o plano de investir US$ 12 bilhões no Brasil. Parte do montante, seria aportado em uma nova fábrica, voltada à produção dos tablets. Segundo o governo, porém, ainda não há uma definição sobre que estado abrigará a nova planta.

Ao ser perguntado se estava mesmo decidido a entrar para o setor de tablets, Eike disse que a viabilidade da empreitada ainda depende da concessão de isenções tributárias para os aparelhos. “Hoje, com que está aí, dá para você montar, mas não (é possível) baixar dramaticamente o preço. O objetivo para dar um salto de produtividade no Brasil inteiro é levar a zero os impostos”, disse o empresário.

Economia. Se em relação ao setor de tablets Eike demonstrou uma ponta de incerteza, o empresário admitiu o abandono do plano de entrar no mercado automobilístico, intenção que já havia externado. O executivo, que tem negócios em setores como os de petróleo, construção naval, mineração, logística e energia, justificou que as grandes montadoras já estão no Brasil, mas lamentou o fato de o país não ter nenhuma empresa nacional atuando no setor.

Sobre as perspectivas para a economia brasileira para os próximos meses, Eike mostrou-se otimista e disse que o minério de ferro nacional é o “caviar” de que o País dispõe para se proteger das turbulências.

Além disso, ele destacou a importância do mercado interno e disse acreditar que o Produto Interno Bruto (PIB) pode crescer até 5% no ano que vem, se o País encarar de frente os gargalos da economia.

“O mundo continua precisando do que o Brasil exporta”, disse. “Nosso minério é o melhor do mundo (…) Os australianos, para aumentar a produção deles, têm de comprar minério brasileiro e misturar. É só para você entender como é bom ter caviar”, brincou.

Fonte: O Estado de São Paulo

Próximos Eventos