+55 (61) 9 7400-2446

Destaques

Cirurgias robótica e tradicional têm resultados iguais, diz estudo

Um estudo publicado na prestigiosa revista médica “Lancet” tenta colocar um ponto final em um dos grandes debates atuais da urologia: afinal, a cirurgia robótica, que surgiu nos anos 2000, é mesmo superior à cirurgia aberta convencional para tratar câncer de próstata?

Segundo os autores, do Royal Brisbane & Women’s Hospital, na Austrália, a resposta é não. Três meses depois das cirurgias, os pacientes que se submeteram às duas técnicas tinham resultados semelhantes, principalmente em relação a continência urinária e função erétil.

O estudo tem o grande mérito de ser o primeiro randomizado a comparar os dois tipos de cirurgia –ou seja, a dividir aleatoriamente pacientes em cada um dos grupos.

Nos EUA, onde a cirurgia robótica mais se difundiu, isso se tornou impraticável porque 1) a cirurgia aberta para retirada da próstata praticamente sumiu do país; 2) os médicos consideram a cirurgia robótica tão superior à técnica convencional que acreditam ser antiético submeter pacientes a outro tipo de operação e os próprios pacientes se recusariam.

O estudo australiano começou em 2010 e os pacientes foram operados até 2014. No final, 121 pacientes que fizeram a cirurgia aberta e 131 que fizeram a robótica completaram o acompanhamento de três meses. Cada grupo foi operado por um mesmo cirurgião experiente.

Os resultados funcionais depois de três meses foram similares, afirmam os autores. Mas houve diferenças principalmente no pós-operatório imediato. Pacientes da cirurgia aberta reportaram mais dor nas primeiras 24 horas e na primeira semana e tiveram três vezes mais perda de sangue e um maior tempo de internação. A duração do procedimento também foi maior.

Não houve, porém, diferenças no número de pacientes que sofreram complicações após a operação.

Para especialistas ouvidos, houve um consenso: o estudo foi muito bem conduzido, mas o tempo de acompanhamento dos pacientes foi curto e o número de voluntários poderia ser maior –segundo comentário publicado junto com a pesquisa, foi uma decisão do Comitê de Monitoramento Independente de Dados parar de recrutar mais pacientes após quatro anos, na ausência de diferenças entre os principais resultados.

“Os dados são interessantes, mas não é ‘o’ trabalho que vai acabar com essa discussão longa. Em congressos de urologia, ninguém aguenta mais esse debate. Chegamos num ponto que quem quer faz, vai da preferência do cirurgião e do paciente”, diz Anuar Mitre, urologista do Hospital Sírio-Libanês.

“Sou cirurgião que faz a convencional, a laparoscópica pura e a laparoscópica robótica. A cirurgia é exatamente a mesma, mas as duas últimas são menos invasivas. Pergunta se alguém quer fazer a aberta. Claro que você cria uma concorrência entre médicos, mas a conclusão do trabalho é que importa mais o cirurgião do que a técnica”, diz Mitre. “Você não precisa de uma Mercedes no dia a dia, mas tem gente que opta por esses carros e pode pagar por eles”, compara. “A cirurgia aberta não é pior, mas eu, como médico, prefiro ver o paciente com menos sangramento, levantando-se mais cedo e saindo antes do hospital.”

Gustavo Guimarães, chefe do núcleo de urologia do A.C.Camargo Cancer Center, vai na mesma linha. “O estudo prova é que um bom cirurgião vai ter bom resultados. A experiência é mais importante, e é isso que deve levar à escolha da técnica. Mas se os resultados são iguais, a que traz menos morbidade é preferencial.”

O comentário que acompanha o estudo afirma que “estudos que mostram equivalência às vezes são interpretados como apoio a um retorno às práticas já existentes. Mas equivalência e não inferioridade deveriam ser vistas como positivas porque mostram que a inovação preservou o propósito da intervenção cirúrgica. São esses avanços em tecnologia aplicada, reduzindo o trauma do acesso e a invasão das cirurgias, que permitem melhorar a qualidade e a segurança das intervenções. Nosso desafio é demonstrar o caminho seguro e custo-efetivo junto com um impacto saudável e econômico”.

CUSTO

A diferença de custo é um dado crucial, especialmente na rede pública. Hoje, há 23 robôs para cirurgia no Brasil, sendo três no SUS –o Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo), o Inca (Instituto Nacional de Câncer), no Rio, e o Hospital de Clínicas de Porto Alegre têm um cada. A técnica chegou em 2008 no país.

Estima-se que, nos hospitais de ponta, só a cirurgia aberta custe de R$ 17 mil a R$ 20 mil e a robótica, de R$ 27 mil a R$ 30 mil (sem contar custos como internação). E o próprio robô tem um preço alto: cerca de US$ 3 milhões.

É por isso que o Icesp está fazendo um estudo para não só comparar as duas técnicas mas também avaliar custo-efetividade da robótica.

“Trouxemos o robô para responder aos ministérios da Saúde e Ciência quanto custa a tecnologia e se vale a pena lançar mão desses recursos”, diz William Nahas, coordenador da urologia cirúrgica do Icesp e professor da Faculdade de Medicina da USP.

Além da urologia, o estudo vai avaliar a diferença entre robótica X tradicional na ginecologia, na cirurgia torácica e na cirurgia gastrointestinal. Até agora, já foram operados cerca de 120 pacientes em cada um dos grupos (robótica e aberta), mas o objetivo, segundo Nahas, é chegar a 190 em cada um. Os resultados devem sair daqui a 12 ou 18 meses.

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz também fez estudo similar ao publicado na revista “Lancet”. Os pesquisadores estão esperando resultados de longo prazo para a publicação, segundo Carlo Passerotti, coordenador do Centro de Cirurgia Robótica do hospital.

Fonte: Folha de São Paulo

He has apologized publicly to Ms. EA continues to focus on three strategic objectives to drive shareholder value: producing fewer, bigger better packaged good games; driving growth in digital; controlling costs and creating operating efficiencies. Alas for the Trump voters, the Cheap Jordans disasters he will bring on this country will fall more heavily on them than anyone else. Nancy heads to town to get delicious chocolate candies for her Grilled Banana Boats dessert. In 1980, the Chicago Bears rallied from a 14 points down in the fourth quarter to stun the Lions in overtime.. I brought up a couple of funny stories and somehow slipped the deceased’s middle name. You can see that screen gorgeous, gorgeous screen. The difference being, if you saw any of these happen in a game you’d call bullshit:. Nothing has to be missed! The husband can simply freeze an NFL game to comply with the wife’s wishes that he tends to their http://www.cheapnfljerseysshop.com six month old baby .If he knows she goes gaga over the mere sight of Ashton Kutcher, he could easily program the DirecTV DVR by Tivo to look for the schedules by the actor’s name and the box would automatically record all the shows where that actor makes an appearance. Those who cannot do it will be destroyed by the lathe of heaven.” Le Guin says that is pretty much what happens to her character, Haber, who has taken on too much.Le Guin brings in some turtles into her story to show the third side; “Don’t ask me who they are or where they come from, they just came in when I wanted them to. In 1943, the Brits needed two things: a way to get vehicles quickly out of firefights, and a way to deploy vehicles so they aren’t an easy target. Tiki Barber With no disrespect to everyone else on this list, Tiki Barber is not only the greatest Giants running back of all time. You can be creative and use many design ideas for etching glass. When asked at the news conference to cheap jordans announce the trade, (Insert Every Executive Title in the World BUT GM here) Howie Roseman answered with a resounding “yes”, when asked if the Eagles traded up to draft a quarterback. Later on, the pain may extend downwards. Never mind teleportation if we found a way to convert matter into wholesale Jerseys energy like that, we’d probably sooner use it to build a bomb that would blow up the Cheap Oakleys solar system.. “Fans and tourists bring in money that normally wouldn’t be there,” Shibli says, explaining that researchers survey everyone from spectators to corporate delegations, as well as analysing the event budget, to assess where money is coming from and how it’s spent.

Próximos Eventos