+55 (61) 9 7400-2446

Destaques

Cerca de 20% das crianças e adolescentes brasileiros não acessam a Internet

Cresceu a frequência de uso da Internet no Brasil por crianças e adolescentes em 2015, mas ainda há cerca de 20% dessa população, ou 5,9 milhões de meninos e meninas entre 9 e 17 anos de idade, que não acessam a rede. Além disso, dentro desse universo de desconectados, 3,4 milhões nunca chegaram a acessar a Internet. Os dados da pesquisa TIC Kids Online Brasil 2015, divulgada pelo Comitê Gestor da Internet (CGI.br) nesta segunda, 10, que ouviu 6.163 pessoas (metade com crianças e adolescentes, metade com pais ou responsáveis) entre novembro de 2015 e junho de 2016.

Como observado em outras edições da pesquisa, a disparidade sócio-econômica e regional continua existindo. Do total de desconectados, 15% afirmam que é por não ter disponibilidade de acesso em domicílio. Nas áreas rurais, o índice chega a 30%, enquanto nas regiões Norte e Nordeste, o percentual é de 31% e 21%, respectivamente. Assim, nas famílias com renda mensal de até um salário mínimo é maior essa alegação (31%). Por classe social, este é o motivo para 36% da classe D/E.

Da mesma forma, há desigualdade também entre os conectados. A quantidade de crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos que acessam a Internet no Brasil chegou a 80%, ou 23,7 milhões de usuários. A proporção é de 90% no Sul do País, 88% no Sudeste, 85% no Centro-Oeste, 71% no Nordeste e 56% no Norte. E enquanto 97% das classes A e B acessam a rede, apenas 51% dos jovens nas classes D e E têm a mesma oportunidade. Vale ressaltar que na pesquisa referente a 2014, eram 20,5 milhões de jovens, mas a faixa etária era diferente (entre 10 e 17 anos).

“Mesmo entre os que já superaram a barreira de acesso, algumas desigualdades se mantêm”, avalia a coordenadora da pesquisa, a pesquisadora do Cetic.br, Maria Eugênia Sozio. “Do total em 2014, (a quantidade de jovens) com acesso à Internet mais de uma vez por dia cresceu de 21% para 66%, e o crescimento na classe D/E foi de 25% para 49%”, completa. Confira no gráfico abaixo.

tic-kids-online-br-2015

Meios de acesso

De acordo com a pesquisa, 83% do público jovem que acessa a Internet o faz por meio do celular. Importante notar, porém, que 31% acessam exclusivamente com esse tipo de dispositivo, proporção que sobe para 55% no recorte das classes D e E. Os computadores (desktop, laptops e tabets) perderam popularidade e foram a escolha de 64% das crianças e adolescentes (contra 81% em 2014). “Entre crianças usuárias de Internet, existem diferenças importantes e merecem políticas públicas, significa que a pura política de inclusão digital não é suficiente”, diz Sozio. Ela acredita que o aumento no uso do celular foi o responsável pelo avanço da maior frequência do acesso.

Isso tem implicações no desenvolvimento de habilidades, segundo o pesquisador do Cetic.br, Alexandre Barbosa. “Para redes sociais de maneira geral, o celular resolve a situação, mas para o desenvolvimento de outras habilidades mais complexas, o celular é limitador”, afirma. “Infelizmente, vemos maior acesso somente pelo celular justamente nas classes menos favorecidas, os que não têm banda larga fixa em casa.”

No tipo de acesso, 71% acessam a Internet utilizando o celular por meio de Wi-Fi, e 46% usam somente redes móveis. A proporção muda de acordo com a acessibilidade de infraestrutura na região: enquanto no Sudeste fica em 75% e 47%, respectivamente, no Norte fica em 67% e 61%. Vale ressaltar, contudo, que o Nordeste é onde há maior proporção de acesso via Wi-Fi: 77% (e 44% por redes 3G e 4G). O acesso pela rede móvel também é maior nas classes D e E, com 50% (e 66% via Wi-Fi). “Muitas crianças de classe D/E dependem exclusivamente de pacote de dados. Mais uma vez, fa gancho com o tipo de oportunidade ao qual essas crianças estão expostas – ou seja, com velocidade e qualidade de conexão inferiores, em que algumas atividades não são possíveis”, analisa Maria Eugênia Sozio.

Alexandre Barbosa ressalta ainda a redução na quantidade crianças que afirmam acessar a Internet na escola, de 38% em 2014 para 31%. Ele lembra que na pesquisa TIC Educação, há a informação de que a maior parte das escolas já estão conectadas, mas muitas ainda não permitem o acesso ao aluno. “Temos proporção de crianças que acessam somente pelo celular e, justamente na escola, onde poderia ter acesso a conteúdos e ter mediação adequada pelos educadoras, ela (a Internet) é bloqueada”, declara.

Exposição e gênero

A pesquisa mostra ainda uma exposição ao discurso de ódio e intolerância na Internet: 37% das crianças e adolescentes (8,8 milhões de jovens) afirmaram ter visto alguém ser discriminado na rede no último ano. Quanto mais velho, maior exposição: entre 15 e 17 anos, 51% presenciaram essas atividades online, enquanto entre 9 e 10 anos, o percentual é de 11%. O motivo mais alegado é de preconceito de cor ou raça, com 23%; enquanto 13% mencionaram aparência física; e 10%, relacionamento entre pessoas do mesmo sexo. Para 6%, o abuso na Internet foi com elas mesmas.

E se por um lado a quantidade de acessos é equivalente entre meninos e meninas, a finalidade não é equilibrada. Os meninos usam mais a rede para jogar online (57%, contra 17% das meninas). Por outro lado, elas usam mais (84%, contra 73% dos meninos) para pesquisas de trabalhos escolares.

Fonte: Teletime

What exactly happened on that dirt road is still subject to debate, but what we do know is that around an hour later he reappeared at the aforementioned bank, with the collar contraption around his neck, a homemade shotgun shaped like a walking cane in his hand, and a note demanding a quarter million dollars in cash.You know the area well. I never got thrown out of the West End Cheap Football Jerseys partly because I didn’t have enough money to buy enough alcohol to get me to point where I would get thrown out. I was pretty broke. Also I didn’t hang out much off campus. Between football schedule and academic schedule I didn’t have much social time. But I remember Canon’s which is not there anymore and Sigma Chai the fraternity house. I woke up a morning or two there underneath the pool table not knowing really how Cheap Oakleys Sale I got underneath the pool table.Comprised of soldiers http://www.cheapraybans2013.com from every nation fighting in the war Australian, Austrian, British, Canadian, French, German, Italian the Wild Deserters were an army of men driven mad by the bloodshed and endless poetry. They forged a new underground society inside the abandoned tunnels and craters of No Man’s Land, only venturing above ground to loot the dead and dying for food, clothing, weapons, and, according to some, to feast on their flesh.He has reached 50 career grand prix wins and is the brink of completing a sensational comeback to retain his crown.HOW DO THE STARS COMPARE ON THE FORMULA ONE TRACK Nico RosbergEntries: 205Wins: 23Podiums: 56Pole positions: 30World titles: 0Entries: 187Wins: 52Podiums: 103Pole positions: 60World titles: 3Wealth and sponsorshipHamilton became the highest paid British sportsman in history last year by signing a 100million contract to stay at Mercedes for three more years.The figure includes potential bonuses representing only the Discount Oakleys beginning of Hamilton’s future mega riches. While you have ‘em on your face, just pull the strap and that’ll tighten them up. This is, once again, one that has a fixed nose piece. We do have other goggles that come with either interchangeable nose pieces, or nose pieces that you can’t adjust. This one is one that you can cheap nfl jerseys adjust. “He is a tough old school front rower,” Bromwich said. “He isn’t very tall, he is stocky and very solid. He knows how to play like an old school front rower where they charge into them and carry blokes and get good play the balls which is pretty good these days.[There is no extra motivation] because there is a no.1 prop on the line. It’s just because he is the opposite front rower and I want to try and play better than him. It’s because it’s your job to do your job against them.”

Próximos Eventos