+55 (61) 9 7400-2446

Destaques

Brasil cai seis posições em ranking de países competitivos; uso de TICs ainda é problema

O Brasil caiu seis posições e ficou em 81º no ranking de países mais competitivos do do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) divulgado nesta quarta-feira, 28. Em “requerimentos básicos”, no entanto, o País ficou em 103º, enquanto “melhoradores de eficiência” foi em 61º. Há destaque positivo, entretanto: nos fatores de inovação e sofisticação, o mercado brasileiro atingiu o 72º lugar, melhorando 12 posições (em 2015, esteve em 84º). O aspecto positivo é que o mercado brasileiro é extremamente competitivo em relação a serviços de Internet, longa distância e mobilidade, atingindo o grau máximo e ficando em “primeiro” ao lado de mais 69 países. O relatório, contudo, critica as políticas regulatórias e a falta de reconhecimento por parte do governo do impacto das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs).

O avanço em TICs é parte de outro relatório do WEF, o Global Information Technology Report 2016. Nele, há o Networked Readiness Index 2016 (publicado em julho e disponível aqui), que mede a capacidade dos países de entregar TICs para aumentar a competitividade e o bem-estar. É baseado em seis princípios: um ambiente regulatório e de negócios de alta qualidade; disponibilidade de infraestrutura, habilidades e acessibilidade econômica de TICs; papel das TICs para sociedade, governo e empresariado; impacto de TICs na economia e sociedade; o ambiente, receptividade e uso de TICs; e uma agenda com políticas claras. A pesquisa foi realizada em 140 países com mais de 14 mil executivos.

O relatório ressalta que o mercado brasileiro “reverteu parcialmente a forte tendência de queda de anos recentes”. De acordo com o WEF, o Brasil conta com larga adoção de TIC tanto para indivíduos quanto para empresas graças à “muito boa acessibilidade – em particular, conexões de Internet banda larga barata”, na qual o País está em 14º lugar. Destaca que o uso individual ganhou cinco posições, uma “conquista considerável”, já que outros países também melhoraram.

Porém, o relatório destaca o “ambiente regulatório fraco” que impacta no desenvolvimento da receptividade aos índices, bem como o ambiente de negócios e inovação, descritos como “um dos mais fracos do mundo”, em 124º, com disponibilidade de capital e aquisição de tecnologia “caindo ainda mais”. “O apoio do governo à agenda de TIC é percebido como fraco e a comunidade de negócios vê o governo fracassar em entregar (políticas) em termos de incorporação de tecnologias digitais nas estratégias em geral (121º), além da promoção direta de TIC (122º)”.

No sub-índice que avalia os ambientes político e regulatório e de inovação e negócios, o País ficou em 118º. Considerando a política e regulação, ficou em 98º, e no ambiente de negócios e inovação, atingiu a 124º posição. No conjunto de capacidade, o Brasil ficou melhor posicionado: 55º, com a 58º posição em infraestrutura, 26º em acessibilidade econômica e 91º em habilidades. Em se tratando de uso de TICs, o Brasil está na 57ª posição, com 57º em uso individual, 59º em uso em negócios e 84º com uso por parte dos governos. O impacto socioeconômico das TICs no Brasil o deixou em 79º lugar no ranking. Separando por impacto econômico, o País está em 75º, com o impacto social em 77º.

Detalhamento

No relatório detalhado do Networked Readiness Index, no pilar de infraestrutura, o destaque é para o ranking de competitividade em Internet e telefonia: segundo o Fórum, o Brasil está em primeiro lugar dentre 139 países, mas ao lado de outros 68 países que atingiram o mesmo indicador. Isso significa que, no entendimento do WEF, há um elevado grau de competição em Internet, mobilidade e longa distância no país. As boas notícias terminam aí. Na cobertura de rede móvel, o país está em 35º lugar. Servidores de Internet seguros estão em 58º, e a capacidade de Internet (em kb por usuário) deixa o País em 60º lugar.

No pilar de uso individual, o País mostra índices medianos, como na penetração móvel (35º), de penetração de Internet por usuário (58º), de residências com computador pessoal (66º), de residências com acesso à Internet (66º), de banda larga fixa (63º), de banda larga móvel (24º) e de uso de redes sociais (46º). A penetração das TICs em empresas também mostra posições intermediárias para o Brasil, sobretudo no uso de Internet B2C (40º), nas aplicações de patentes (51º) e na absorção da tecnologia nas firmas (57º). Peca, no entanto, o uso em governos: a importância das TICs para o Estado está em 121º, e a promoção de políticas bem-sucedidas está em 122º. O índice de serviços online do governo tem melhor resultado: 49º.

A “melhor” posição do Brasil em ambiente político e regulatório é a da base instalada de software pirata, ficando em 38º; nas leis relacionadas a TICs (80º); e na proteção à propriedade intelectual (83º). No ambiente de negócios e inovação, a principal queixa é no tempo para começar um negócio (135ª posição) e na fatia dos lucros absorvida pelos impostos (133º). A competição local é o destaque positivo, em 41º.

O impacto econômico nos modelos de negócio ficou em 76º, e nos modelos organizacionais, em 78º. Os impactos sociais de TICs em acesso a serviços básicos, no entanto, ficou em 111º lugar, enquanto o uso de TIC para eficiência no governo esteve em 110º. O acesso em escolas deixou o País em 97º, mas a participação eletrônica foi melhor posicionada, em 24º.

Geral

Na América Latina, o Chile (38º) foi o melhor colocado geral em TICs, enquanto Haiti é o pior (137º). O WEF não encontrou nenhuma tendência particular em desempenho comparado ao ano anterior, uma vez que metade do grupo de países cresceu, e outra metade caiu. Ainda assim, a região mostra crescimento no placar absoluto desde 2012. A entidade sugere que muitos governos “precisam urgentemente reforçar esforços para melhorar os ambientes regulatórios e de inovação em seus países”.

Em geral, o relatório destaca a revolução digital e seu impacto na natureza da pesquisa e desenvolvimento, com executivos de quase cem países destacando um aumento no impacto das TICs na inovação no modelo de negócios comparado ao ano passado. Isso tem seu preço: o aumento da pressão por inovação constante, sugerindo que uma adoção de TICs estagnada mostra que muitas empresas não estão embarcando rápido o suficiente. Trata-se de reflexo também da falta de reconhecimento por parte de empresas e governos da rápida adoção da economia digital pela população. Por outro lado, essa nova economia requer “inovações urgentes em governança e regulação”.

Fonte: Teletime

Because, honestly, how much more warm Coors Light can you really drink?. For example, get to know Joseph Randle. Let Time magazine do that:. England plays at Miami on Sunday, and the game is much more meaningful to the Patriots. Darren Sproles has already carved out a sizeable chunk in this offense, but he’s better as a receiving option. Why put that line there? There’s quite a few pitchers, especially young ones I see and the older ones I do see, is that they start to step out to come over to first base. This is what we need to talk about and fix. The Raiders continue to ride on http://www.cheapoakleys2013.com the passing offense and they’ve gotten this far with it. This is really important in determining where you hit the ball, on the club face. Chris Long, Logan Ryan, Rob Ninkovich and Shea McLellin all tallied sacks. No. The book covers playing with independent baseball leagues, mainly the Red Hawks of Fargo. A few days into the experiment I’m still urinating five or six times a day but it’s clear now, rather than dark yellow.. Gonna talk about Jared; I don need to compare him to Carson, Fisher said. No wonder. Here is a list of some famous Hispanic athletes, both American as well as international, who have brought laurels to their community.. Kiro slotted home a penalty corner to give a fine start to Indian Navy which, cheap jordans after two sessions in muggy weather, trounced BHA Colts XI 6 1. 23, 2016. “Those that incited violence on the streets under the guise of protest that tried to tear down what New York City police officers did every day. The rusher will rush the quarterback, and try to force him to throw a bad pass. In the past, the Vatican has subjected churchmen accused of abuse to internal ecclesiastical processes that could lead to them being deprived of their priesthood. Filming in such a severe conditions and making it so easy its a great job. Nobody no matter their political ideology should find it acceptable that 22 percent of our nation’s children live in poverty. Cheap Jordans Remember, the companies don’t even need to win their suits all they cheap nfl jerseys need to do is keep bringing the scientists back to court until they run out http://www.cheapjerseysupplyforyou.com of money and resort to burning their research notes for warmth.. When you add a cover to your club it protects the head of the club from scratches, dents, and dust all which can affect your clubs performance. So that is if it gets kicked in play. Still, we’re fairly certain that even back then, babies needed oxygen to survive. A controversial new book argues that infidelity and marriage are entirely compatible. “I would consider success putting in the work and looking back on this opportunity and this journey 10, 15, 20 years from now and saying that I gave everything I had, I did everything I could do to be the best that I could be.

Próximos Eventos