Giro nos Estados

“Sergipe entra definitivamente no mundo das startups” , diz Belivaldo ao lançar edital de R$ 1,2 milhão para incentivo a inovação

Promover o desenvolvimento tecnológico como base para modernização do estado. Com este foco, o governador Belivaldo Chagas lançou, nesta segunda-feira (03), o edital do Programa Nacional de Apoio à Geração de Empreendimentos Inovadores (Centelha/SE), por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa e a Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec). O objetivo do programa é estimular a criação de startups, a partir da geração de novas ideias, disseminando a cultura do empreendedorismo inovador em Sergipe.

Segundo Belivaldo, este apoio do governo representa um grande passo para criar um ambiente favorável que resulte em um processo de desenvolvimento para o surgimento de um possível polo tecnológico em Sergipe. “Sergipe entra definitivamente no mundo das startups. É uma oportunidade que o governo oferece, fruto de uma parceria também com o governo federal, para que a gente estimule, principalmente, os jovens do mundo acadêmico, a despontarem no mundo das startups. As boas ideias, inovadoras, elas são bem-vindas. Os resultados estão aparecendo mundo afora. Pequenas empresas surgem, a partir de ideias inovadoras e Sergipe terá toda a estrutura para se destacar também nessa área”, declarou.

Ciente da importância da tecnologia e inovação para o desenvolvimento da economia do estado, Belivaldo destacou ainda que o edital pode gerar iniciativas que ajudem o Estado a tornar seus serviços mais eficientes. “Utilizando da inovação podemos abrir portas para o desenvolvimento. Precisamos avançar no mundo da tecnologia, da informática, inclusive para economizar recursos e desburocratizar o Estado. A partir do momento que a gente estreita essa relação com novas ideias e com as universidades, quem ganha é a sociedade. De mãos dadas com todos os parceiros, podemos promover o progresso para ampliar os nossos serviços com qualidade e diminuir a burocracia ao entrarmos definitivamente na era digital, diminuindo também uso excessivo do papel. O processo de inovação é uma realidade no mundo como um todo, na Europa se há exemplos de países que conseguiram provocar uma economia financeira imensa na prestação de serviços, aumentando com isso, uma boa prestação de serviços à sociedade. A gente também precisa partir pra esse mundo, e Sergipe, sendo um estado pequeno, pode servir até de modelo. Nós enquanto governo do Estado, vamos apoiar essas iniciativas”, expôs.

Os recursos financeiros serão aplicados por meio de verba de subvenção econômica, bolsas e capacitações, para incentivar empreendedores a transformarem suas ideias em negócios de sucesso. O financiamento do Centelha é  proveniente de uma parceria entre o governo do Estado e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O investimento total é de R$ 1,2 milhão, sendo R$ 900 mil provindos da Finep, e R$ 300 mil de contrapartida estadual. O edital vai contemplar até 24 startups e cada uma receberá um valor de até 52 mil, com prazo para a execução do projeto de 12 meses. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e a Fundação Certi estão envolvidos no programa.

Os programas de incentivo por meio de subvenção econômica consistem em uma modalidade de apoio financeiro com aplicação de recursos públicos não reembolsáveis (que não precisam ser devolvidos). Os recursos são aplicados diretamente nas empresas, para compartilhar com elas os custos e riscos inerentes às atividades.

O Programa contribuirá para o estabelecimento da ponte entre a academia e as indústrias de Sergipe, já que muitas das ideias podem ser oriundas das universidades por meio de estudantes de cursos de graduação e de pós-graduação.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto Pereira, ressaltou o papel do Estado como fomentador de políticas sólidas de desenvolvimento. “No mundo todo, grandes projetos surgiram de pequenas empresas. No Brasil, temos grandes exemplos em Santa Catarina com seu parque tecnológico. Sergipe está no caminho certo, já temos infraestrutura física pronta e os editais. Precisamos manter a aproximação com as universidades. Então, temos tudo: a mão de obra sendo formada nas universidades, o parque que pode abrigar essas empresas, e o capital para dar a “centelha” ao projeto”.

O gestor da Sedetec explicou que o investimento em tecnologia e informação é essencial em todas as áreas. “A sociedade hoje é de conhecimento. Qualquer protótipo hoje é baseado em impressora em 3D. Já na área de medicina, não se pode deixar de pensar em genética. Na computação, os data centers. Desta maneira, a gente está no caminho certo, as dificuldades econômicas são severas, mas não vamos desistir. Vamos persistir e continuar contando com o apoio da Finep que é decisivo para execução desses projetos”.

O presidente da Fapitec, José Heriberto Pinheiro, finformou que no último relatório da Confederação Nacional da Indústria, lançado pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará, os indicadores apontam Sergipe como um dos estados que mais investem em inovação no Brasil. “Sergipe está em terceiro lugar no Nordeste, estamos praticamente empatados com o Estado da Paraíba que está em segundo e Pernambuco em primeiro. Com esses incentivos, com esses programas que estamos lançando, certamente os próximos relatórios colocará Sergipe no patamar provavelmente em segundo lugar, pelo nível de compromisso que temos. Nesse relatório, Sergipe ocupa o 17º lugar  entre os estados que mais inovam na área tecnológica aqui no Brasil, então é um dado muito importante para Sergipe que nos coloca em uma situação privilegiada, e isso não é à toa, isso em cima de muito trabalho, muita responsabilidade e muita dedicação a inovação tecnológica no estado de Sergipe”.

Como funciona

Na primeira fase do edital, os interessados deverão apresentar suas ideias de negócio à equipe de trabalho. O objetivo é verificar se a ideia é inovadora, o seu potencial de mercado e se traz benefícios para a região. Passam para a segunda fase até duzentas propostas, e os selecionados devem elaborar um projeto de empreendimento, detalhando o plano de negócio executivo, com o objetivo de demonstrar as chances de a ideia gerar um bom negócio.

A terceira fase – pela qual passam até cem das propostas – consiste no desenvolvimento de um projeto de fomento, com apresentação detalhada do orçamento e do planejamento de sua execução. Ao longo de todas as etapas são oferecidas capacitações para auxiliar o empreendedor a aprimorar sua ideia e desenvolver seu negócio.

Ao final, até vinte e quatro projetos serão contemplados, cada um com valor de até 52 mil em subvenção econômica, além de outros benefícios oferecidos por parceiros do programa. Ainda, durante seis meses, essas empresas passarão por um processo de pré-incubação com suporte e capacitação para transformar suas ideias em negócios de sucesso.

Parceiros

A Rede de Parceiros é composta por instituições de diferentes esferas, tais como empresas, governo, universidades, incubadoras, aceleradoras, comunidades de startups, associações comerciais, federações industriais, escolas técnicas, empresas juniores, parques tecnológicos, prefeituras, fundos de investimento, entre outras. Além disso, pessoas físicas também podem atuar como Agente Centelha, independente de seus vínculos institucionais, sociedade organizada e mecanismos de inovação em geral.

O Programa Centelha em Sergipe já têm parceiros de peso para auxiliar nas atividades, entre eles estão: Fapitec, Sedetec, SergipeTec, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Universidade Tiradentes (Unit), Instituto Evaldo Lodi (IEL), Instituto Federal de Sergipe (IFS), Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (Fanese), Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio/SE), Instituto de Pesquisa em Tecnologia e Inovação (IPTI), JRabelo Gestão da Inovação, Grupo Rede+, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Acelerase, e a Secretaria de Estado da Educação, Esporte e Cultura (Seduc).

Benefícios para parceiros

O principal benefício oferecido aos parceiros do Programa Centelha é a possibilidade de contribuir para o fortalecimento da cultura empreendedora e do ecossistema de inovação brasileiro. As instituições parceiras e os Agentes Centelha podem contribuir de diversas formas, tais como: divulgação da oportunidade em suas redes sociais; incentivo à submissão de propostas;  envio de e-mails de divulgação à sua rede; realização de eventos de divulgação; mobilização de sua região ou instituição; propostas; esclarecimento de dúvidas dos empreendedores; orientação aos interessados no programa; orientação na abertura das empresas; entre outros.

Para ser um parceiro Centelha é só acessar o endereço eletrônico http://bit.ly/parceiros-centelha ou liguar para a Coordenação do Programa de Inovação Tecnológica da Fapitec: (79)3259-3007.

Certificados

Na ocasião o governo também entregou certificados do curso de Arduino Básico a dez alunos. O curso oferecido gratuitamente pelo Centro Vocacional Tecnólogico (CVT) do Sergipetec. A Universidade Tiradentes é parceira desta ação disponibilizando três estagiários de engenharia mecatrônica que realizaram esta ação nos laboratórios do CVT.

Fonte: SEDETEC-SE

Próximos Eventos