+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

Santa Catarina desponta no cenário nacional no uso de energias renováveis

Santa Catarina cresce entre os estados brasileiros, em geração distribuída de energia elétrica, com destaque para o uso de energia solar, biomassa, eólica e pequenas hidrelétricas. Com o objetivo de difundir o atual cenário, as oportunidades e as principais tendências do setor, foi realizado em Chapecó, na última terça-feira (19), o Seminário de Geração Distribuída de Energia Elétrica que contou com a participação do secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Adenilso Biasus, do coordenador do programa SC+Energia e presidente da Apesc, Gerson Berti, do presidente Regional Oeste da Fiesc, Waldemar Antônio Schmtz, além de entidades, empresas públicas e privadas.

Promovido pela Associação dos Produtores de Energia de Santa Catarina (Apesc), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e o Governo do Estado, por meio do programa SC+Energia, o evento mobilizou os principais atores responsáveis pelo processo de desenvolvimento do mercado e fomentou o debate sobre eficiência energética, linhas de financiamento e avanços tecnológicos desse novo modelo de geração do setor.

O coordenador do Programa SC+Energia, Gerson Berti, lembrou que a geração distribuída, é uma oportunidade regulamentada recentemente pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), sendo a primeira regulação de 2012 e em 2015 veio adaptações que contribuíram para o incentivo em promover a geração de energia, seja solar, eólica ou até mesmo hídrica, em casas, indústrias ou empresas. “Há oportunidades, para que as pessoas tenham mais segurança energética gerando sua energia e com isso, economizando de maneira a justificar este investimento com retorno médio de seis anos”, avalia.

IMG 3886
Crédito: Andréia Oliveira/ADR Chapecó

Mesmo com um pequeno território, Santa Catarina já é o quarto com geração distribuída, tendo apenas seis estados com território menor.A grande aposta está na energia solar, onde o telhado das casas, empresas e indústrias, antes um espaço desocupado, inerte e improdutivo passa a ser um importante gerador de energia no local do consumo. Santa Catarina também é forte na produção de biomassa, com uma densa cobertura vegetal de reflorestamento e a destinação com a geração térmica renovável a partir de lenha. A topografia e recursos hídricos permitem ainda a geração por meio de pequenas hidrelétricas, e os pontos de bons ventos que permitem o uso de energia eólica. “Somos um estado geograficamente privilegiado e devemos aproveitar muito nossa capacidade que aliada a nossa cultura e o perfil empreendedor, certamente a geração distribuída em Santa Catarina vai crescer muito”, conclui Berti.

O secretário de Estado, Adenilso Biasus, destacou que pela cultura, convicção e engajamento do seu povo, Santa Catarina ainda vai crescer muito mais em geração distribuída, demonstrando um Estado com responsabilidade ambiental.

“O grande dilema no momento é produzir mais energia, utilizando menos recursos naturais, possíveis. Por isso que Santa Catarina investeem fontes renováveis, aliado à tecnologia para que as novas fontes sejam implementadas, como por exemplo, a questão do lixo que processado, corresponde a uma fonte renovável. Nosso diferencial é que temos um potencial em relação a produção por meio de fontes renováveis e que estão sendo colocadas em prática para que possamos diminuir o uso de fontes não renováveis, como o petróleo, gás e carvão que além de prejudicarem a natureza acabam gerando um custo maior ao consumidor. Os catarinenses entendem a importância deste tipo de geração que é ambientalmente responsável”, destacou o secretário Biasus.

Fonte: SDS SC

Próximos Eventos