+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

Programa do Pacto Gaúcho pela Educação aprova o PROUNI Rio Grande do Sul

A Assembleia Legislativa, aprovou, por unanimidade, na noite desta terça-feira(12), o ProUni RS, programa que integra o Pacto Gaúcho pela Educação Profissionalizante, Técnica e Tecnológica. Serão oferecidas inicialmente 250 vagas direcionadas a setores estratégicos para o desenvolvimento do Estado, que necessitam de uma formação em nível superior. O ingresso se dará por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e outros critérios estabelecidos pelo Conselho Gestor, que, juntamente com a FAPERGS, estará organizando a o processo de seleção das Instituições e dos alunos, bem como, o calendário de implantação do Programa. A etapa final ficará a cargo das instituições de ensino superior, de acordo com seus próprios critérios.

Para o coordenador executivo do Pacto, o secretário da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico(SCIT), Cleber Prodanov, a aprovação é um marco importante formação dos jovens profissionais no estado gaúcho. “As vagas vão possibilitar, mais do que nunca, que seja reorientado todo o processo produtivo do RS”, salienta. “Além disso, o ProUni gaúcho irá ampliar a rede de universidades comunitárias focadas em uma formação mais técnica, tecnológica e profissionalizante”.

Para concorrer a uma bolsa, além de ter cursado o ensino médio na rede pública ou em escola privada na condição de bolsista integral, o estudante deve ter renda familiar de, no máximo, três vezes o valor do menor piso regional pago no Estado, morar no Rio Grande do Sul há pelo menos dois anos e não possuir diploma universitário.

O programa prevê cotas sociais, que serão regulamentadas por decreto, para estudantes negros, índios e com deficiência. Foi assegurado, por meio de emenda, o compromisso do Programa, através do seu Conselho Gestor, em buscar estratégias específicas de acolhimento para inclusão de jovens oriundos dos programas sociais, como Projovem, Proeja, Protejo, Jovem Aprendiz, RS Mais Igual e Bolsa Família.

Como contrapartida, os beneficiários das bolsas terão que reservar 20 horas por semestre para iniciação científica ou extensão universitária, buscando integrar a trajetória acadêmica com o mundo do trabalho e contribuir com o projeto de desenvolvimento do Estado. Quem tiver aproveitamento acadêmico insuficiente, abandonar o curso, trocar de instituição de ensino ou fraudar informações perderá a bolsa.

Fonte: Assessoria de Comunicação SCIT-RS

Próximos Eventos