+55 (61) 4101-6508 / 4101-6509

Giro nos Estados

Parceria entre Paraná e Fiocruz deve resultar na criação de um parque tecnológico

A parceria entre o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e a Fundação Oswaldo Cruz promete resultar na criação de um parque tecnológico. A proposta foi apresentada na última terça-feira (18), ao secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Nildo Lübke. O empreendimento, que envolve laboratórios destinados a exploração científica na área de saúde, deve ser instalado na sede do Tecpar, na Cidade Industrial de Curitiba.

De acordo com informações do instituto paranaense, Lübke teria afirmado que a parceria é bem vinda por ampliar as ações no âmbito do Sistema Estadual de Ciência e Tecnologia. “O poder público estadual tem uma gama muito grande de atividades realizadas pelas nossas instituições de ciência e tecnologia. Temos o Lactec, que recebe recursos públicos; o Simepar, que tem um grande sistema de pesquisa meteorológica; o Tecpar, um instituto de pesquisa eficiente; o Iapar, um dos maiores órgãos de pesquisa vegetal dentro do Brasil, além de 13 instituições estaduais de ensino superior que formam um exército de pesquisadores no Estado”, ressaltou Lübke.

De acordo com o presidente do Tecpar, Luiz Fernando Ribas, o projeto está em consonância com a proposta do Ministério da Saúde que envolve a formação de um complexo industrial que atenda à demanda do Sistema Único de Saúde (SUS). “A proposta é uma integração entre o Tecpar e a Fiocruz para a realização de projetos nas áreas de desenvolvimento, pesquisa, ciência, biotecnologia, entre outras. Pretendemos iniciar o processo com a produção de insulina”, adiantou Ribas.

Parceria
O diretor da Fiocruz no Paraná, Mário Moreira, afirmou que a idéia de estabelecer novas parcerias com o Tecpar surgiu a partir de um trabalho na área de diagnóstico já desenvolvido em conjunto. “Trabalhamos com o instituto somente na área de diagnóstico, em linhas de ação bem restritas, como diagnósticos por base molecular, em que estamos desenvolvendo para o kit da H1N1 e um kitmolecular para controle de qualidade de sangue”. Segundo ele, a outra linha de ação prevista são os testes sorológicos, cujo primeiro produto a ser desenvolvido é um teste múltiplo para o controle de sangue doado para a rede de hemocentros brasileira.

Fonte: Gestão C&T com informações da SETI-PR e Tecpar

Compartilhe:

    Próximos Eventos