Pará realiza Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Belém (PA) se prepara para receber, nos próximos dias 18 a 20 de agosto, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia e a 3ª edição da Feira de Ciência e Tecnologia do Pará. Com o tema “Ciência para o Desenvolvimento Sustentável”, o evento vai debater as principais questões para impulsionar o crescimento da região Amazônica, mostrar a produção dos pesquisadores locais e popularizar o tema ciência e tecnologia entre a população.

Coordenado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia é realizado pela Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapespa), Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Universidade do Estado do Pará (UEPA) e a Empresa de Processamento de Dados do Pará (Prodepa).

Dentre os temas abordados, o desenvolvimento das principais cadeias produtivas paraenses, como o setor florestal e a agroindústria, por meio de investimentos em soluções tecnológicas. E o debate de gargalos importantes como a questão da energia que será gerada pela hidrelétrica de Belo Monte, em Marabá, a violência ou a conservação do meio ambiente na Amazônia.

Durante os três dias do evento, no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, acontecerão 60 palestras, 17 minicursos e mais 15 oficinas sobre temas variados. E também atrações culturais, encerrando a programação de cada dia. No ano passado, a Feira recebeu mais de 10 mil visitantes. Este ano, de acordo com os organizadores, a expectativa é de que sejam 25 mil.

“A ciência é a base do desenvolvimento e ela se faz no dia a dia. Por isso é importante que este seja um tema que faça parte da vida das pessoas e se torne tão comum quanto o futebol”, afirmou o secretário de desenvolvimento, ciência e tecnologia, Maurílio Monteiro.

A Semana Nacional de C&T traz também uma programação especial para as crianças e os jovens, que estão em fase de formação intelectual. Nos estandes estarão expostos experimentos de várias instituições de pesquisa do Estado, nos quais os estudantes podem descobrir uma forma divertida de aprendizado. No Laboratório de Demonstrações (Labdemon) da UFPA, por exemplo, as crianças podem descobrir porque os submarinos, para emergir e submergir, têm toda a sua estrutura formada por tanques especiais que são inundados com a água do mar para fazê-los flutuar ou afundar quando necessário.

Tudo isso por meio de experimentos feitos com garrafa PET, uma tampa de caneta, massa de modelar e água. Ou ainda conhecer os planetas no núcleo de Astronomia da Universidade Estadual do Pará (UEPA). Os estudantes que vão prestar vestibular também têm na Feira o espaço adequado para dar um reforço a mais na preparação: além de desmistificar a física ou a redação, que são disciplinas ‘espinhosas’ da prova, também traz palestras e oficinas sobre temas atuais, como a utilização das novas mídias digitais como twitter, blogs e jogos virtuais, e ainda oficinas de inglês e espanhol específicas para o vestibular.

O resultado de mais de 70 trabalhos científicos financiados pela Fapespa também serão divulgados durante o I Seminário de Bolsistas de Mestrado e Doutorado. Desde 2007, através de seus editais, foram concedidas 307 bolsas de Mestrado e 131 de Doutorado a pesquisadores que submeteram trabalhos aos seus editais da Fapespa.

Fonte: Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Pará

Compartilhe:

    Tags:

    Leave a Reply