+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

IPTI celebra resultados e apresenta novos projetos para 2021 em Sergipe

Atuando na criação de tecnologias sociais visando o desenvolvimento humano, o Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI) encerrou o ano de 2020 com a confirmação de diversas parcerias para a continuidade de seus trabalhos em 2021. Com o apoio de antigos e novos financiadores e colaboradores, a organização celebra a ampliação de seus programas para outros municípios e estados, além de novos desafios focados nas áreas de segurança alimentar nas escolas e projetos para a primeira infância. A instituição mantém parceria com o Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec).

Entre as novidades para 2021 está a conclusão das obras do Centro Vocacional Tecnológico (CVT), localizado no povoado Crasto, no município de Santa Luzia do Itanhy. O espaço, construído pelo Governo do Estado, por meio da Sedetec, deve ser finalizado até fevereiro, e deverá hospedar as atuais e futuras empresas de base criativa e digital desenvolvidas pelo instituto na localidade, ampliando a soma de esforços entre o IPTI e o Governo do Estado na transformação da realidade local.

Outro foco do IPTI para este ano será a construção de um novo projeto que contemple regiões de extrema pobreza, concentrando esforços na melhoria da integração entre agricultura familiar e escolas e no uso de sistemas de informação e inteligência artificial. A ação já conta com apoio financeiro para ser iniciada, e tem o propósito de atuar no gerenciamento de demandas e ofertas de alimentos para as escolas.

Denominado CRIA, o segundo novo projeto do IPTI visa promover a primeira infância com qualidade, de forma sustentável e contínua. A proposta de desenvolvimento do programa foi elaborada ao longo de 2020 com a contribuição de organizações como Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Imaginable Futures, Instituto Mahle, Instituto Porticus, Instituto Samuel Klein e Universidade Federal do Ceará. Para 2021, o planejamento inclui a captação de parceiros e apoiadores.

“A questão da primeira infância precisa ser enfrentada com inovação, complexidade e perspectiva de longo prazo, se realmente desejamos construir uma sociedade mais justa. Estamos comprometidos com isso e otimistas de que vamos conseguir viabilizar esse projeto neste ano. Sobre o projeto de segurança alimentar, temos enormes desafios pela frente, em especial na questão da sustentabilidade do modelo, levando em conta que o valor da merenda escolar é de apenas R$ 0,36 por dia por criança do ensino fundamental”, afirma o cofundador do IPTI, Saulo Barretto.

Continuidade

Ao final de 2020, o portfólio de parceiros do IPTI foi incrementado com a chegada de instituições como Banco Safra, BTG, Solar e XP, além da renovação do vínculo com apoiadores como AmBev e Bayer. O instituto também conseguiu captar 42% do total necessário para a reaplicação de duas importantes tecnologias sociais no contexto das escolas: a metodologia de alfabetização Synapse e o sistema de gestão escolar TAG. Ambos devem ser reaplicados em municípios do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais.

Atualmente, o Synapse está presente em 15 municípios de Sergipe e Maranhão. Para 2021, a metodologia deve ser reaplicada em mais sete municípios de Sergipe, um do Ceará, dois do Maranhão e dois em Minas Gerais. Com a ampliação, a ferramenta deve ultrapassar o número de um mil professores e mais de 20 mil alunos usuários. Ao longo do ano, o IPTI deve finalizar também a fase de desenvolvimento do Synapse Educação Infantil, para iniciar os testes do modelo de escala  em 2022.

Já o sistema TAG é utilizado atualmente em 18 municípios, devendo aumentar para 30 em 2021. Até 2022, a perspectiva é de que o número aumente para 44, com contratos em Sergipe, Maranhão, Ceará, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Norte.

Mais ações

Os projetos SIRi, CLOC, Arte Naturalista, PLOC e LuCA, que atuam no ensino de inglês, programação, robótica, ilustração, som e cinema, também terão sua continuidade garantida, com desenvolvimento das formações e engajamento dos alunos mais avançados em lançamentos de empresas. Quanto ao projeto Romanceiros do Itanhy, o planejamento é voltado à articulação de coautorias com ilustradores para a produção de livros de literatura infantil.

Para o projeto Hb, o IPTI pretende atuar na conclusão do desenvolvimento da nova plataforma de teste rápido para medir a taxa de hemoglobina e ferritina no sangue, visando a ampliação das possibilidades de uso da tecnologia social. O objetivo é de que mais municípios possam monitorar e tratar o problema da anemia ferropriva nas escolas. No âmbito do projeto @HOPE, por sua vez, o instituto deve inaugurar a “Escola dos Sonhos”, direcionada à construção de uma experiência de arte, ciência, tecnologia e empreendedorismo para escolas municipais.

“Agradecemos a todos que nos ajudaram ao longo de 2020 e que torcem para que nossa experiência em Santa Luzia do Itanhy, em Sergipe, no Brasil e no mundo tenha cada vez mais sucesso, e que possamos inspirar mais e mais pessoas e comunidades a construir um mundo melhor para todos”, comenta Rodrigo de Maio, Diretor Presidente do IPTI.

Fonte: SEDETEC SE (adaptada)

Próximos Eventos