+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

Integração entre museus e pesquisas é tema de destaque no primeiro dia do seminário sobre museus no ES

Tornar o museu um ambiente dinâmico, capaz de dialogar e participar ativamente das transformações sociais foi uma das propostas discutidas pelos participantes no primeiro dia do seminário “O Museu na Universidade”, que teve início nesta terça-feira (05), no Cine Metrópolis.

Para os palestrantes, a criação de museus dentro de universidades é um processo de troca no qual, ao mesmo tempo em que o museu fornece novas possibilidades de pesquisa e de formação, alunos e pesquisadores contribuem para a inovação dos acervos.

Participaram da mesa “Ensino, ensino e pesquisa: experiências brasileira e espanhola” a curadora do museu espanhol Reina Sofia, Arianna Vanrell Vellosillo, e a professora e vice-curadora do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da Universidade de São Paulo, Cristina Freire.

Arianna destacou os projetos desenvolvidos pelo museu Reina Sofia, feitos em parceria com a Universidad Autônoma de Madrid e outras instituições, que visam estimular a participação de alunos na produção, conservação, restauração, exposição e discussão das obras de arte. Entre as propostas voltadas para a abertura do museu às comunidades, destacam-se os programas de acessibilidade para a inclusão de deficientes físicos e intelectuais, e a divulgação das ações do Reina Sofia na web e nas redes sociais.

Estímulo

Já a professora Cristina enfatizou a importância da criação de um museu que se insira no cotidiano de alunos e professores e estimule novas formas de ensino, pesquisa e extensão. “Acho que o museu cria a possibilidade de uma relação do conhecimento abstrato com o conhecimento sensível”, disse. Ela acrescentou que “ a pesquisa curatorial deve envolver história, teoria e crítica, mas também ampliar categorias e rever práticas”.

Para relatora da mesa, a professora do Centro de Artes da Ufes, Gisele Ribeiro “um dos pontos mais importantes citados é que a fundação de qualquer museu só tem a ganhar com a pesquisa das universidades. Mas, para que isso aconteça, é preciso que a universidade se dedique à discussão e à pesquisa crítica”, diz ela.

Pinacoteca

Na mesa “Acervo e políticas de aquisição”, a curadora-chefe da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Valéria Picolli, traçou o histórico do acervo da Pinacoteca e falou sobre os projetos de reformulação das exposições do museu, que têm o objetivo de torná-las mais acessíveis ao público. Além de destacar a importância de levar o museu às comunidades, Valéria enfatizou que “o acervo da Pinacoteca é o ponto de partida para a estruturação do museu”.

A última palestra do dia abordou o tema Museu e Política Cultural e foi ministrada pelo professor, Fernando Pessoa, com mediação do professor Lincoln Guimarães, ambos da Ufes. Para Pessoa “o museu é a casa da memória que nos lembra quem somos, mas também é um agente de transformação do homem”. Já o mediador lembrou que a Universidade possui um acervo cultural e a constituição de um museu é de fundamental importância.

O seminário “O Museu na Universidade” é realizado pela Superintendência de Comunicação e Cultura da Ufes (Supecc), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (Fapes). A proposta do evento é fomentar o debate acerca da criação do Museu de Arte Contemporânea (Marco) na Ufes, a partir da discussão do tema entre alunos, professores, pesquisadores e especialistas.

Fonte: UFES

Próximos Eventos