+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

Governo do Paraná e Fiep realizam o Primeiro Painel das Rotas Estratégicas em CT&I 2040

Com os objetivos de apresentar as Rotas Estratégicas em Ciência, Tecnologia e Inovação – 2040 para o Paraná e promover a construção compartilhada desta Rota no Ecossistema Regional de CT& I e Inovação Oeste, o Governo do Estado, por meio da Fundação Araucária e da Superintendência da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), realizaram nesta quinta-feira (10), o Primeiro Painel das Rotas Estratégicas.


O evento reuniu os setores acadêmico, empresarial, sociedade civil organizada e governo, e também foi transmitido por meio do canal da Araucária no YouTube, contando com a participação de aproximadamente 120 pessoas.

Um Estado mais Moderno e Inovador tem sido um dos propósitos primordiais do Governo do Estado. A ciência, tecnologia e inovação são  elementos transformadores do Paraná, capazes de promover avanços sociais, econômicos-sociais e principalmente humanos.

“ Por meio dessas  Rotas queremos consolidar uma efetiva conexão entre a pesquisa desenvolvida nas nossas Instituições de Ciência e Tecnologia com as demandas de desenvolvimento do Paraná. É a pesquisa aplicada gerando riqueza e bem-estar para nossa população”, informou o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig

No evento foi apresentado como estão sendo construídas as Rotas, o estudo dos contextos regionais, o portal de dados, o mapeamento de ativos, a governança e foram aplicadas também as metodologias da Matriz SWOT, de análises cruzadas da Matriz em CT &I, de domínios de transformação, de visões de futuro, de plano de ações transformadoras e de sistematização das Rotas. Durante toda manhã essas dinâmicas de identificação e de validação das informações foram apresentadas  aos segmentos e ativos estratégicos da região Oeste. Esses públicos  participaram do evento, tanto pela plataforma zoom como por meio do YouTube.

“O Brasil continua sendo destaque no cenário de produção de ciência e tecnologia. O nosso maior gargalo continua sendo a transformação de ciência e tecnologia em inovação. Com essa iniciativa de construção de rotas estratégicas voltadas a essa área,  a indústria norteando esse trabalho torna-se peça fundamental para o desenvolvimento do Estado. A identificação de demandas prioritárias efetiva a produção do conhecimento e evolução da ciência e tecnologia do Paraná”, disse o superintendente da ciências, tecnologia e  e ensino superior, Aldo Bona.

As Rotas Estratégicas seguem também os seguintes aspectos norteadores: painéis de dados, mapas de ativos, reconhecimento das governanças, domínios de transformação, visões de futuro, ações transformadoras, orientação e aplicação de recursos.

“ A pauta da inovação é extremamente importante, e traduzir esse destaque por meio do melhor mapeamento dos nossos ativos faz com que consigamos reconhecer os talentos paranaenses. A evolução da estratégia e conceito da rota que está sendo desenhada é essencial na sinergia nas atitudes e ações a serem adotadas. O Governo do Paraná prioriza a criação de um ambiente estável e de boas articulações políticas, para desta forma, atrair ainda mais investimentos que contribuam automaticamente com o desenvolvimento do Estado. Não há futuro que não passe pela inovação “, afirmou o chefe da casa civil, Guto Silva.

As Rotas englobam as seguintes regiões e ecossistemas de inovação: Noroeste, Oeste, Sudoeste, Centro – Sul, Campos Gerais, Litoral, Norte – Pioneiro, Norte – Central e Região  Metropolitana de Curitiba. “O foco é no reconhecimento das particularidades de cada ecossistema e região, mas promovendo a integração de ações voltadas à inovação. Desta forma podemos reescrever a história da ciência, tecnologia e inovação, terá um antes e um depois de trabalho de mapeamento”, salientou a gerente executiva do observatório sistema Fiep, Marília de Souza.

“ O nosso papel é de também transformar toda essa complexidade que envolve a inovação em algo palatável, para que se torne cada vez mais próxima da população. Precisamos promover a convergência de todos dados e tecnologias que possuímos para aproveitar o que já foi feito e adequar o que precisa ainda ser incrementado. O objetivo é transformar o termo técnico em benefícios à população”, destacou o superintendente geral de inovação, Marcelo Rangel.

Como resultado do projeto, será entregue à sociedade paranaense, até o final do ano, uma agenda convergente de ações transformadoras que buscam orientar os Ecossistemas Regionais de CT&I.

“Adotamos uma metodologia de prospecção e de especialização inteligente que juntas permitem maior assertividade nas ações de promoção dos ecossistemas de CT&I. Ressaltamos nesta metodologia um processo de cocriação e participação para que haja cogestão dos atores estratégicos de cada região. Com isso, conseguimos destacar e priorizar o que realmente tem potencial de impactar de forma mais significativa nas regiões por meio da CT&I”, ressaltou o diretor científico, tecnológico e de inovação da Fundação Araucária, Luiz Márcio Spinosa.


Próximos eventos – No dia 22 de junho será realizado o painel sobre o Ecossistema Regional de CT&I Norte. No dia 23, será a vez do Litoral, e no dia 24, a Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Fonte: SETI em 14/06/2021

Próximos Eventos