+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

FAPESP e Sabesp esclarecem dúvidas sobre chamada de propostas

foto_dentro17110_1O evento de divulgação da segundachamada de propostas vinculada ao acordo firmado entre a FAPESP e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) reuniu mais de 90 pesquisadores paulistas no dia 9 de abril, na sede da Fundação.

O objetivo do encontro, conforme explicou o coordenador adjunto de Pesquisa para Inovação da FAPESP, Sérgio Queiroz, foi mostrar aos interessados em apresentar projetos de pesquisa alguns aspectos conceituais sobre os temas propostos pela Sabesp, além de esclarecer dúvidas sobre os critérios de seleção, formas de financiamento e de prestação de contas.

Para apoiar as propostas selecionadas, FAPESP e Sabesp dividirão um investimento de até R$ 10 milhões. Os projetos deverão ter duração de até 36 meses. As propostas serão recebidas até 17 de maio.

Queiroz destacou que os projetos deverão ser formulados segundo as condições do Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE), da FAPESP, que apoia pesquisa em instituições acadêmicas ou em institutos de pesquisa, desenvolvida em cooperação com pesquisadores de centros de pesquisa de empresas.

“O objetivo é que na data de encerramento da chamada tenhamos boas propostas. Os projetos deverão trazer soluções novas e criativas para os problemas do saneamento”, ressaltou Queiroz.

O superintendente de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Tecnológica da Sabesp, Américo Sampaio, e o engenheiro Marcelo Miki detalharam as expectativas da empresa em relação a cada um dos sete temas de pesquisa apontados como prioritários na segunda Chamada de Propostas: “Tecnologia de membranas filtrantes nas estações de tratamento de água e de esgoto”, “Alternativas de tratamento, disposição e utilização de lodo de estações de tratamento de água e estações de tratamento de esgotos”, “Novas tecnologias para melhorias dos processos de operações unitárias”, “Novas tecnologias para implantação, operação e manutenção de sistemas de distribuição de água e coleta de esgoto”, “Monitoramento da qualidade da água”, “Eficiência Energética” e “Economia do saneamento”.

Sampaio ressaltou que a empresa procura projetos orientados a situações reais de aplicação e viáveis de serem implantados. “Na primeira chamada, elegemos as sete grandes linhas de pesquisa prioritárias, mas deixamos os temas em aberto, pois queríamos conhecer o que os institutos de ciência e tecnologia do Estado de São Paulo estavam fazendo. Agora, os temas estão muito mais focados e detalhados dentro dessas sete áreas. Isso exigiu um grande esforço interno para entender as reais necessidades das áreas operacionais da empresa”, disse.

Para o superintendente da Sabesp, uma das questões mais emergenciais é achar destinação ambientalmente adequada para o lodo retirado de estações de tratamento de água e de esgotos do Estado. Sampaio também ressaltou o tema da eficiência energética.

“Hoje, 10% do gasto de energia no Estado de São Paulo está relacionado ao saneamento. Precisamos ter sistemas mais eficientes do ponto de vista energético e saber como levar isso em consideração em uma compra de equipamentos. Isso é fundamental para nós e temos recebido poucos projetos nessa área prioritária, não apenas para a Sabesp, mas para o saneamento no Brasil”, disse Sampaio.

Na abertura do evento, o diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, destacou que a Fundação tem buscado desenvolver oportunidades para que pesquisadores de institutos e universidades paulistas trabalhem em colaboração com pesquisadores de empresas de todo o mundo.

De acordo com Brito Cruz, a colaboração permite oferecer aos estudantes, principalmente os da área de engenharia, uma formação educacional e profissional melhor.

Ainda segundo o diretor científico da FAPESP, essa interação também ajuda as empresas que têm a estratégia de desenvolver setores próprios de pesquisa e desenvolvimento a queimar etapas e acelerar a produção do conhecimento.

“A vontade da Sabesp de ter um setor de pesquisa e desenvolvimento foi fundamental para essa parceria. A Sabesp já é uma das maiores empresas de saneamento do mundo e quer ser grande também em tecnologia e inovação e estamos dando uma pequena ajuda para isso”, disse.

Na primeira chamada do acordo FAPESP-Sabesp, publicada em dezembro de 2009, foram selecionados 12 projetos – nove dos quais estão em andamento. Entre os temas investigados estão processos para remoção de substâncias contaminantes no tratamento de água; avaliação, em mananciais, do impacto de agentes de doenças; tratamento de esgoto por iodo ativado; sistemas de detecção de vazamentos em redes de distribuição de água; gestão sustentável de sistemas hídricos; e eficiência do ciclo de produção no setor de saneamento básico.

A segunda chamada está disponível em: www.fapesp.br/7488.

Fonte: Agência Fapesp

Próximos Eventos