+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

Facepe articula Rede Colaborativa de Combate à Pandemia

Uma reunião com representantes da comunidade científica de Pernambuco discutiu as possibilidades da criação de uma Rede Colaborativa para o Combate à Pandemia. O encontro, realizado por meio do Google Meet e transmitido ao vivo via streaming, aconteceu na tarde desta segunda-feira (20). Participaram da reunião os secretários estaduais de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aluísio Lessa; e o de Saúde, André Longo; além de gestores de centros de pesquisa e universidades de Pernambuco. A mediação foi do presidente da Facepe Fernando Jucá.

WhatsApp Image 2020-07-20 at 15.26.11

O ponto de partida das discussões em torno da rede foi o projeto  intitulado Prevalência e Incidência da COVID-19 nas macrorregiões de saúde do estado de Pernambuco. Para a realização da pesquisa, foi necessária a importação de uma máquina que realiza o exame RT-PCR de modo automatizado. “O Sistema Oktopure™ será utilizado para a realização da extração do ácido nucleico; e o Sistema Intelliqube para as demais fases de dispensação de líquidos, amplificação, detecção e análise de dados. Ambos os sistemas são da Biosearch Technologies”, diz um trecho do projeto. A iniciativa faz parte de um convênio firmado entre a Facepe e a Secretaria Estadual de Saúde. A Fundação investiu R$ 6.027.308,39 na importação do equipamento que já está sendo instalado na Laboratório Central de Pernambuco (Lacen).

Rede Colaborativa Covid-19 2De acordo com André Longo, a aquisição desta máquina vai aumentar a capacidade do estado em processar exames de Covid-19. “Pernambuco vai ficar entre os cinco estados com maior capacidade de testagem do país”.  A depender dos reagentes utilizados, o equipamento poderá processar até 9.200 exames por dia. “A máquina vai reduzir o prazo de conclusão de exames e há a possibilidade de usá-la com outros vírus respiratórios e arboviroses”, explicou a diretora do Lacen Rosilene Heinz.

Nesta fase de pandemia, o equipamento vai ser utilizado vai ser usado pelo projeto Prevalência e Incidência da COVID-19 nas macrorregiões de saúde do estado de Pernambuco, que é coordenado por Mozart Júlio Tabosa Sales (Imip) e Dr. Paulo Sávio Angeiras Góis (UFPE). Um dos objetivos da pesquisa é colaborar com o direcionamento das medidas restritivas de isolamento social e quarentena comunitária, assim como auxiliar o planejamento da retomada gradativa das atividades sociais e econômicas no estado.

De acordo com dados dos pesquisadores, casos graves da doença foram registrados em 148 de um total de 187 municípios do estado. Ainda de segundo eles, desde o início da pandemia foram realizados em torno de 35 mil testes para Covid-19, incluindo testes rápidos, com capacidade de 7.600 testes RT-PCR (Reação em Cadeia da Polimerase com Transcrição Reversa em tempo real) por semana. Considerando os testes realizados até maio de 2020 e a população estimada para o estado em 2019, foram realizados 3.687 testes por milhão de pessoas em Pernambuco. É um índice muito inferior se compararmos o estado com países como a Alemanha, que realizou 37.584 testes por milhão. Os números evidenciam a necessidade de ampliar a capacidade de testagem no estado.

Apesar dos números, Goes destacou que a imprecisão dos dados se apresentou como uma das maiores dificuldades no contexto da pandemia. “Não basta testar e isolar, tem que ter estratégia. Essa pesquisa é operacional e requer vários parceiros”. Já Mozart ressaltou o esforço multifacetado daquilo que ele vê como política de Estado e não de governo. “No futuro podemos usar o equipamento até para o HPV (vírus que provoca o câncer de útero) que atinge 500 mil mulheres e mata cerca de 400 mulheres por ano em Pernambuco”.

Clique aqui e assista a gravação do evento.

Confira a apresentação realizada durante a reunião.

O projeto de pesquisa Prevalência e Incidência da COVID-19 nas macrorregiões de saúde do estado de Pernambuco pode ser baixado no link abaixo.

PROJ-APQ-0135-20 (1)

Próximos Eventos