+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

Docentes do IFRO têm textos publicados em livro de Linguística lançado na Unir

As professoras do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Elisangela Lima de Carvalho Schuindt e Ana Cláudia Dias Ribeiro, são autoras de dois capítulos do livro “Linguagens, Identidades e Pluralidade Cultural” lançado na última quarta-feira (04/11), no auditório da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). O livro é fruto de pesquisas realizadas pelos alunos de Mestrado em Letras da Unir e foi organizado pelas professoras doutoras Nair Ferreira Gurgel do Amaral, Marília Lima Pimentel Cotinguiba e Sonia Maria Gomes Sampaio. Ao todo, o livro da editora CRV conta com 26 autores divididos em 13 capítulos todos relacionados às Linguagens, às Identidades e à Pluralidade Cultural.

A professora Ana Cláudia Dias Ribeiro escreveu em parceria com a professora Sorhaya Chediak um texto sobre o tema “A variação linguística nos livros didáticos nos últimos 10 anos”, já a professora Elisangela Lima de Carvalho Schuindt em parceria com a professora Sônia Maria Gomes Sampaio, defendeu o tema “A diáspora Barbadiana, o discurso colonialista e o seu pluriculturalismo em Porto Velho”.

Ana Cláudia Dias Ribeiro revela que a linguagem é um dos meios de reconhecer a própria identidade e o estudo da variação linguística nos faz entender e respeitar a variação regional da linguagem. “É importante que os professores de Língua Portuguesa trabalhem em sala de aula esse tema para evitar o preconceito linguístico, pois cada região tem seus costumes, maneirismos e variações na forma de falar e a pesquisa apresentou um ponto interessante, pois os livros mais antigos não falavam sobre esse tema e com o passar do tempo esta discussão entrou em pauta. O tema preconceito linguístico se faz presente, nas edições mais recentes dos livros didáticos o que garante o acesso e compreensão do assunto, evitando fatos como do aluno que muitas vezes deixou de falar ou realizar uma leitura em sala de aula por sentir vergonha de seu sotaque”, comenta a professora.

A professora Elisangela Lima de Carvalho Schuindt, revela que “vivemos numa sociedade marcada por diferenças e essas diferenças precisam ser discutidas no âmbito acadêmico. Durante muito tempo o discurso de igualdade sufocou a problemática da diversidade, mas quando discutimos maneiras de vencermos os conflitos que permeiam as relações envolvendo identidades e culturas diferentes, começamos a perceber o ‘outro’ de forma solidária, respeitando e compartilhando conhecimentos, linguagem e cultura”, explica Elisangela.

O artigo “A Diáspora Barbadiana, o Discurso Colonialista e seu Pluriculturalismo em Porto Velho” teve como objetivo estudar os acontecimentos históricos que trouxeram para Porto Velho na época da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM) os antilhianos, mais conhecidos como barbadianos, pois vinham da ilha de Barbados.

As pesquisadoras deste tema propuseram uma análise do discurso colonialista que os barbadianos herdaram de seus colonizadores ingleses e também realizaram um breve levantamento da contribuição cultural desses estrangeiros para a cidade de Porto Velho, além de observações sobre a pluriculturalidade que é produzida com a vinda de povos de culturas diferentes para outros países, como foi o caso dos barbadianos na região amazônica.

Fonte: IFRO

Próximos Eventos