Giro nos Estados

Consórcio promete R$ 1,3 bi e leva gestão do Parque Tecnológico de Brasília

Quase uma década e meia depois de prometido, a Brasília conseguiu realizar nesta quarta-feira, 17/7, a licitação que dará efetivamente largada ao Parque Tecnológico Capital Digital, o terreno de 1 milhão de metros quadrados que se pretende virar um cluster de empresas de tecnologia da informação.

Apesar dos dois adiamentos na licitação, apenas um proponente apareceu para apresentar lance – o consórcio Ibero Americano, formado por uma empresa espanhola e duas brasileiras. Ao se comprometer a investir R$ 1,3 bilhão no parque, o grupo terá a gestão da Cidade Digital por 35 anos.

“Um ano depois de superada a etapa burocrática devem começar a se instalar algumas empresas. Em seis anos devemos ter toda a área construída”, afirmou ao Convergência Digital, o presidente da AMCC Telecom, André da Costa Côdo, que também presidirá a Sociedade de Propósito Específico a ser formada.

A AMCC, de Anápolis-GO, é especializada em infraestrutura de telecomunicações. As outras parceiras são a Gaia New Technologies, da Espanha, e a Catedral Construções, de Curitiba-PR. Juntas no consórcio, elas se associarão à Companhia Imobiliária de Brasília – Terracap, na formação da SPE que vai gerir o Parque.

A Terracap – ou seja, o governo do Distrito Federal – entra com o terreno de aproximadamente 1 milhão de metros quadrados situado próximo à Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República na capital. A área é avaliada em R$ 1,07 bilhão e, assim, representa os 47,1% da SPE.

Ao vencer a licitação, o consórcio privado se compromete a investir R$ 1,3 bilhão ao longo de seis anos (20% em cada um dos quatro primeiros, 10% nos dois últimos), e fica dessa forma com 52,9% do capital da Sociedade. O aporte se dará diretamente nas benfeitorias necessárias para “erguer” o Parque Tecnológico .

Fonte: Convergência Digital

Próximos Eventos