+55 (61) 9 7400-2446

Giro nos Estados

APL da Cachaça vai fomentar e profissionalizar produção da bebida em Goiás

O Governo de Goiás e produtores locais se reuniram na manhã do dia (4/6) para formalizar a criação do Arranjo Produtivo Local (APL) da Cachaça de Goiás. Secretarias Estaduais de Ciência e Tecnologia (Sectec) e de Indústria e Comércio (SIC) assinaram termo de referência em solenidade no Auditório Jaime Câmara, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, que implanta o APL da Cachaça com o objetivo de fomentar e desenvolver a cadeia produtiva da bebida por meio da capacitação de produtores e do oferecimento de linhas de crédito para fomentar o crescimento do setor.

De acordo com o secretário de Ciência e Tecnologia, Mauro Faiad, com a formalização do APL da Cachaça, o Governo de Goiás pretende auxiliar os produtores no estabelecimento da marca Cachaça de Goiás, promover nacional e internacionalmente a cachaça de alambique do Estado e estabelecer parcerias com laboratórios para a realização de análises físico-químicas do produto. “A produção da cachaça é um nicho que Goiás tem que aproveitar, afinal este é um nome que tem peso no mundo inteiro”, reitera.

A produção da cachaça de alambique em Goiás é desenvolvida em todas as regiões do Estado. A expressiva maioria dos produtores é informal, com baixo nível de renda e de escolaridade, caracterizado por uma organização familiar, perpetuada por sua tradição. A produção de cachaça informal é vendida no próprio alambique, para intermediários na sede do município onde é produzida, para municípios vizinhos e eventualmente para fora do Estado.

Por isso, Mauro Faiad explica que o papel do APL será o de articular os pequenos produtores para que, primeiramente, passem a produzir sob um rígido controle de qualidade e certificação, e que também possam usufruir de benefícios como canais de distribuição, uso de novas tecnologias e qualificação de mão-de-obra, o que resultará em aumento da produtividade. “Queremos seguir o caminho de Minas Gerais”, ressalta. Levantamento preliminar realizado pelas secretarias aponta para a existência de cerca de dois mil alambiques em funcionamento hoje, em Goiás.

Estiveram presentes no evento ainda, dentre outros, o ex-ministro do Tribunal de Contas da União, Carlos Átila, produtor da Cachaça Doministro; o presidente da Associação Goiana de Produtores de Cachaça de Qualidade (Agopaq), Galeno Furtado; o deputado estadual Marcos Martins e o secretário de Indústria e Comércio, Alexandre Baldy.

Baldy recordou como o setor estava carente de atenção, e anunciou a criação de um selo de qualidade para certificar a cachaça produzida no estado. Já Mauro Faiad aventou a possibilidade de uma parceria com a Universidade Estadual de Goiás (UEG) enquanto instituto qualificado para a realização do controle de qualidade do produto goiano. “São os padrões de qualidade que distinguem a produção da cachaça de Minas Gerais da produzida no restante do país”, frisa Carlos Átila.

Fonte: Sectec-GO

Próximos Eventos