CONSECTI http://www.consecti.org.br Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação Fri, 24 Oct 2014 12:39:30 +0000 pt-BR hourly 1 http://wordpress.org/?v=4.0 Faperj divulga resultado de três editais e apoia 139 novos projetoshttp://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/faperj-divulga-resultado-de-tres-editais-e-apoia-139-novos-projetos/ http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/faperj-divulga-resultado-de-tres-editais-e-apoia-139-novos-projetos/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:39:30 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23511 A diretoria da FAPERJ está anunciando seu apoio a 139 novos projetos, contemplados em três editais: Apoio à melhoria do ensino em escolas da rede pública, Apoio a incubadoras de empresas de base tecnológica e Tecnova – Rio Inovação 2013 – Subvenção Econômica à Inovação. Com os dois resultados, que estão sendo divulgados nesta quinta-feira, […]

The post Faperj divulga resultado de três editais e apoia 139 novos projetos appeared first on CONSECTI.

]]>
A diretoria da FAPERJ está anunciando seu apoio a 139 novos projetos, contemplados em três editais: Apoio à melhoria do ensino em escolas da rede pública, Apoio a incubadoras de empresas de base tecnológica e Tecnova – Rio Inovação 2013 – Subvenção Econômica à Inovação. Com os dois resultados, que estão sendo divulgados nesta quinta-feira, 23 de outubro, foram beneficiados 60 projetos de 18 instituições no primeiro programa, o segundo beneficiou 16 propostas, de 12 instituições, enquanto o terceiro aprovou 63 projetos de empresas.

No caso do edital Apoio à melhoria do ensino em escolas da rede pública, entre as 18 instituições beneficiadas, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com 17 projetos aprovados, e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), com 15, lideram o ranking das que mais tiveram propostas contempladas. A Universidade Federal Fluminense (UFF) teve seis projetos apoiados; o Colégio Pedro II, a Fundação Oswaldo Cruz e o Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) tiveram três projetos aprovados cada. A Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio) e a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) tiveram dois projetos beneficiados, cada. Também foram contemplados o Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet), o Centro Universitário Carioca, o Espaço Ciência Viva, o Centro Universitário Augusto Motta (Unisuam), o Instituto Federal Fluminense (IFF), a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e a Universidade do Grande Rio (Unigranrio), com uma proposta, cada.

Destinado a estimular projetos voltados a desenvolver temas relevantes ao processo de ensino-aprendizagem, o programa contribui tanto para o estabelecimento da excelência nas escolas da rede pública fluminense quanto para a promoção do intercâmbio de instituições de ensino superior e pesquisa com escolas da rede pública, contando com recursos de R$ 1,5 milhão. Desse total, 30% serão destinados a projetos envolvendo escolas públicas sediadas fora da região metropolitana do Rio de Janeiro. O programa visa apoiar três tópicos principais: aprimoramento da formação; capacitação e a atualização de professores das escolas da rede pública do estado; melhoria da infraestrutura necessária ao ensino da rede pública (escolas municipais, estaduais e federais) fluminense.

Os projetos inscritos foram avaliados por um Comitê Especial de Julgamento, designado pela diretoria da FAPERJ, e analisados, entre outros critérios, pelo impacto para as instituições envolvidas – em especial para as escolas da rede pública participantes – e por sua relevância para a melhoria do ensino na rede pública.

Classificadas em uma de duas faixas, de acordo com o montante solicitado, as propostas enquadradas na Faixa A solicitaram entre R$ 30.001 e R$ 60 mil – e precisaram contar com um mínimo de três pesquisadores doutores; na Faixa B, de até R$ 30 mil – as propostas foram individuais. Os recursos do programa poderão financiar despesas de capital (aquisição de materiais permanentes e de equipamentos) e custeio. Dentre as despesas de custeio, encontram-se: serviços de terceiros (pessoas físicas e jurídicas) com caráter eventual, incluindo a manutenção corretiva e preventiva de equipamentos e de material permanente, e para a realização de pequenos reparos e adaptações de bens imóveis; diárias e passagens (desde que compreendam despesas necessárias para o desenvolvimento do projeto de pesquisa); material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; e despesas de importação.

Cada um dos projetos contemplados poderá, ainda, solicitar até duas bolsas de treinamento e capacitação técnica (TCT) para professores das escolas públicas; até duas bolsas de iniciação científica (IC) para alunos de graduação; e até quatro bolsas de pré-iniciação científica (Jovens Talentos) para alunos de ensino médio das escolas envolvidas. As bolsas concedidas no âmbito deste edital têm duração de 12 (doze) meses, a partir da data da liberação dos recursos.

Apoio a incubadoras de empresas de base tecnológica

Das doze instituições beneficiadas no edital de Apoio a incubadoras de empresas de base tecnológica, as que mais propostas aprovaram foram a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), com quatro, e a Universidade Federal Fluminense, com dois. Também foram beneficiados o Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet); a Faculdade Redentor (FacRedentor); o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ); o Instituto Vital Brasil (IVB); a Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio); a Secretaria Estadual de Cultura (SEC); a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf); o Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo); a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

Programa que se volta a financiar a melhoria da infraestrutura física e administrativa de incubadoras de empresas e de empresas-júnior de base tecnológica em operação no estado, especialmente aquelas instaladas em instituições de C&T, o edital Apoio a incubadoras de empresas de base tecnológica visa cumprir objetivos, como o aprimoramento dos serviços prestados às empresas; a ampliação da capacidade de operação, incluindo expansão de instalações; o aumento do número de empresas atendidas; a ampliação dos impactos da incubadora sobre a comunidade em que está inserida; e o incremento do conteúdo de inovação tecnológica das empresas atendidas.

Profissionais vinculados a incubadoras de base tecnológica ou a empresas-júnior, sediadas ou não em instituições de ciência e tecnologia (ICTs) em operação no estado, puderam inscrever projetos, desde que contassem com a anuência do dirigente máximo da instituição. Cada projeto precisou ainda apontar um corresponsável por sua gestão.

Com recursos de R$ 3 milhões, a serem pagos em duas parcelas, cada projeto poderia solicitar um máximo de R$ 300 mil. Com esses recursos, poderiam ser custeadas despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e equipamentos; e obras de infraestrutura e instalações; e despesas de custeio, caso em que se enquadram serviços de terceiros (pessoa física ou jurídica), com caráter eventual para a manutenção de equipamentos e para a realização de reparos e adaptações de bens imóveis (até o limite de 25% do montante solicitado, dentro dos itens de custeio); diárias e passagens, até o limite de 5% do montante solicitado em despesas de custeio (não serão permitidas diárias e passagens para participação em reuniões científicas/tecnológicas); material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; despesas de importação (até o limite máximo de 18% do valor do bem importado).

Avaliados por uma Comissão Especial de Julgamento, especialmente designada pela diretoria da FAPERJ, os projetos foram analisados, entre outros critérios, por sua relevância para o desenvolvimento científico, tecnológico, estratégico, econômico, ambiental e social fluminense. Cada proposta poderia ainda solicitar até uma bolsa de iniciação tecnológica (IT), para graduandos das ICTs em que as incubadoras estão situadas, com duração máxima de 12 meses e possibilidade de renovação por igual período); até duas bolsas de inovação tecnológica (INT), cujo nível variará de acordo com a formação do bolsista, com duração máxima de 12 meses e possibilidade de uma renovação por igual período.

Equipamentos e bens permanentes, adquiridos com recursos do edital, ao final do projeto serão patrimoniados na ICT em que a incubadora se localiza. Ou, se for o caso, permanecer na incubadora, em regime de comodato, pelo período de cinco anos, desde que com a concordância da ICT e da FAPERJ.


Tecnova – Rio Inovação 2013 – Subvenção Econômica à Inovação

Com a divulgação do resultado final da etapa de regularidade fiscal (E-3) do Tecnova – Rio Inovação 2013 – Subvenção Econômica à Inovação, 63 novos projetos foram contemplados. Lançado em conjunto pela FAPERJ e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o programa visa estimular produtos, serviços, insumos, equipamentos e processos que signifiquem inovação em áreas específicas, como petróleo e gás, energias alternativas, tecnologia da informação e comunicações, segurança pública, saúde, esporte, turismo e tecnologias portadoras de futuro, a serem desenvolvidos por micro e pequenas empresas.

Com um total de recursos de R$ 25 milhões, puderam inscrever-se ao edital microempresas e empresas de pequeno porte brasileiras, sediadas no estado do Rio de Janeiro, cujo faturamento não exceda R$ 3,6 milhões, com o mínimo de seis meses de registro na Junta Comercial ou no Registro Civil das Pessoas Jurídicas (RCPJ) e atuando em atividade relativa ao tema relacionado ao projeto. Cada projeto, porém, poderia solicitar recursos financeiros de no mínimo R$ 200 mil e no máximo R$ 650 mil. Como contrapartida, a empresa proponente deverá custear um valor correspondente a seu porte: microempresas com faturamento bruto inferior ou igual a R$ 360 mil, contrapartida de 5% do valor solicitado; empresa de pequeno porte, com faturamento superior a R$ 360 mil e inferior ou igual a R$ 3,6 milhões, contrapartida de 10% sobre o valor solicitado.

O programa financia tanto despesas de capital (como obras e instalações e equipamentos e material permanente) quanto despesas de custeio, caso em que se enquadram vencimentos e obrigações patronais (pagamento de pessoal próprio com vínculo trabalhista de acordo com as regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), para a equipe encarregada das atividades do projeto; contratação de serviços temporários e de natureza eventual de pessoa física, sem vínculo empregatício; contratação de serviços de pessoa jurídica, como locação de equipamentos, despesas de patenteamento, certificação, testes, análises, entre outros necessários ao desenvolvimento do projeto, despesas com material de consumo; e diárias e passagens (despesas com deslocamento, traslados, alimentação e hospedagem), exclusivamente para a equipe executora e em atividades inerentes ao projeto.

O cronograma do edital exibe uma extensa lista de datas que deverá ser observada pelos proponentes. Até 3 de novembro, estende-se o prazo para apresentação de recursos a etapa de avaliação da documentação comprobatória da regularidade fiscal, jurídica e econômico-financeira. O prazo para resposta aos recursos e possível convocação de novos projetos para apresentar documentação termina em 6 de novembro, data em que se seguirá a divulgação da lista final de aprovados e possível convocação de novos projetos para apresentar documentação. O término do prazo para apresentação da documentação comprobatória da regularidade fiscal, jurídica e econômico-financeira se encerra a 13 de novembro. Na mesma data, está prevista a divulgação da lista de repescagem de aprovados. O final do prazo para apresentação de recursos a etapa de avaliação da documentação comprobatória da regularidade fiscal, jurídica e econômico-financeira dos novos projetos convocados está prevista para se estender até 24 de novembro. A divulgação da lista final de aprovados na repescagem deverá acontecer a partir de 27 de novembro, data em que deverá ter início a contratação dos selecionados.

Segundo o diretor de Tecnologia Rex Nazaré Alves, “como a inovação nas micro e pequenas empresas é o grande gerador de empregos no País, e responsável pela redução das desigualdades econômicas e sociais, um dos pré-requisitos estabelecidos para a participação do programa Tecnova foi justamente o de empresas com esse perfil.” Os temas para o desenvolvimento de projetos do edital também foram adaptados a características estaduais específicas: petróleo e gás, energias alternativas, tecnologia da informação e comunicações, saúde, segurança pública, esporte, turismo e tecnologias portadoras de futuro. “Tudo visando difundir uma cultura de inovação tecnológica de criatividade e empreendedorismo no estado do Rio de Janeiro. Foram apresentados 138 projetos, oriundos de 26 municípios.”

Confira a listagem completa dos contemplados no edital Apoio à melhoria do ensino em escolas da rede pública

Confira a listagem completa dos contemplados no edital Apoio a incubadoras de empresas de base tecnológica

Confira a listagem completa dos contemplados no edital Tecnova – Rio Inovação 2013 – Subvenção Econômica à Inovação

Fonte: FAPERJ

 

 

The post Faperj divulga resultado de três editais e apoia 139 novos projetos appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/faperj-divulga-resultado-de-tres-editais-e-apoia-139-novos-projetos/feed/ 0
Sala tecnológica modelo revoluciona a qualificação profissional em Goiáshttp://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/sala-tecnologica-modelo-revoluciona-qualificacao-profissional-em-goias/ http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/sala-tecnologica-modelo-revoluciona-qualificacao-profissional-em-goias/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:37:10 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23509 Sectec implanta, em 50 salas de aulas dos Itegos, plataforma tecnológica que possui 62 ferramentas de interatividade, a mais moderna do Centro-Oeste. Iniciativa colocará Goiás na vanguarda no que se refere ao uso de instrumentos de última geração voltados para o aprendizado, diz secretário Mauro Faiad (Sectec). Governo do Estado investe R$ 3,75 milhões no […]

The post Sala tecnológica modelo revoluciona a qualificação profissional em Goiás appeared first on CONSECTI.

]]>
Sectec implanta, em 50 salas de aulas dos Itegos, plataforma tecnológica que possui 62 ferramentas de interatividade, a mais moderna do Centro-Oeste. Iniciativa colocará Goiás na vanguarda no que se refere ao uso de instrumentos de última geração voltados para o aprendizado, diz secretário Mauro Faiad (Sectec). Governo do Estado investe R$ 3,75 milhões no projeto Ambientes Multimidiáticos

Uma revolução nas salas de aula que compõem os Institutos Tecnológicos de Goiás (Itegos), os novos cenários onde são ministrados cursos de qualificação profissional, dentre eles o Bolsa Futuro. O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Mauro Faiad, assinou nesta quarta-feira (22), na unidade da Sectec na Vila Nova, a ordem de serviço para instalação inicial de 50 lousas interativas que trazem a tecnologia de ponta para otimizar o aprendizado.

Trata-se do projeto Ambientes Multimidiáticos, cujos investimentos do Governo do Estado totalizam R$ 3,75 milhões. A iniciativa colocará as salas de aula dos programas de qualificação literalmente no século 21. Quadro, giz e apagador, que subsistem por séculos, são substituídos por uma ampla plataforma tecnológica, que possui 62 ferramentas de interatividade, a mais moderna do Centro-Oeste.

Durante a solenidade, direcionada para diretores, coordenadores de cursos e professores dos Itegos, foi feita a apresentação da sala tecnológica modelo. O equipamento inclui computador, lousa interativa de 4 metros com acesso à internet, projetor multimídia de curta distância, amplificação para voz com alto-falante de 300w, Software em integração com notebooks ou tablets. As ferramentas permitem acessar, durante as aulas, vídeos, fotos, textos em sites, arquivos, bem como interferir e destacar elementos. Com uma caneta multimídia, o giz dá lugar a um instrumento moderno de comunicação escrita na lousa. Nas aulas de matemática, símbolos da disciplina são ordenados de maneira instantânea.

“Com mais esta iniciativa, Goiás, que já era referência em qualificação profissional e inovação, agora assume a vanguarda no uso de um novo padrão tecnológico em salas de aula”, diz o secretário Mauro Faiad. A chefe do Gabinete de Gestão e Capacitação, Soraya Paranhos, destaca que, com expansão da Rede de Educação Profissional em Goiás, agora é a etapa de ampliar a tecnologia em salas de aula.

Nesta primeira etapa, o investimento é de R$ 1,57 milhão. Na sequência, haverá a aquisição de 18 equipamentos de videoconferência, no valor de R$ 1,68 milhão. A terceira fase compreende a aquisição de um sistema de gestão educacional (SGE), com recursos de R$ 500 mil. De acordo com o secretário Mauro Faiad, tudo está sendo feito para que as ações gerenciais sejam mais precisas e dinâmicas, permitindo um resultado melhor em todos os processos educativos.

TREINAMENTO
Coordenadores pedagógicos e professores vão receber treinamento para operar os kits interativos logo após a completa instalação dos equipamentos. Segundo o gerente de Educação Profissional e Tecnológica da Sectec, José Teodoro Coelho, o processo se dará em duas fases. A primeira, nos meses de dezembro e janeiro, com um grupo de 30 multiplicadores, que terão aulas presenciais e um ambiente virtual para complementar o processo. Num segundo momento, haverá um novo encontro para sanar as dúvidas e pendências.

Fonte: SECTEC-GO

The post Sala tecnológica modelo revoluciona a qualificação profissional em Goiás appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/sala-tecnologica-modelo-revoluciona-qualificacao-profissional-em-goias/feed/ 0
SECTTI e UFES assinam Termo de Cooperação Técnica para realização da 11ª Semana de Ciência e Tecnologiahttp://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/sectti-e-ufes-assinam-termo-de-cooperacao-tecnica-para-realizacao-da-11a-semana-de-ciencia-e-tecnologia/ http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/sectti-e-ufes-assinam-termo-de-cooperacao-tecnica-para-realizacao-da-11a-semana-de-ciencia-e-tecnologia/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:35:18 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23507 Na manhã desta quinta-feira (23), às 09 horas, no gabinete da Reitoria da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Trabalho (SECTTI), Alberto Farias Gavini Filho e o reitor, Reinaldo Centoducatte, assinaram o Termo de Cooperação Técnica para a realização da 11ª Semana Estadual de […]

The post SECTTI e UFES assinam Termo de Cooperação Técnica para realização da 11ª Semana de Ciência e Tecnologia appeared first on CONSECTI.

]]>
Na manhã desta quinta-feira (23), às 09 horas, no gabinete da Reitoria da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Trabalho (SECTTI), Alberto Farias Gavini Filho e o reitor, Reinaldo Centoducatte, assinaram o Termo de Cooperação Técnica para a realização da 11ª Semana Estadual de Ciência e Tecnologia, que acontece no período de 12 a 15 de novembro, na Ufes, Campus de Goiabeiras, em homenagem aos 60 anos da Universidade e aos 10 anos de criação do Sistema Estadual de Ciência e Tecnologia, composto pela SECTTI e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Espirito Santo (Fapes).

Também participaram da solenidade, a vice-reitora Ethel Leonor Noia Maciel, o Secretário de Estado de Gestão e Recursos Humanos (Seger), Pablo Rodnitzk, o diretor administrativo e financeiro da Fapes Euler Ribeiro e representantes dos Centros Acadêmicos da Ufes.

O secretário Alberto Gavini fez um relato da evolução da Semana Estadual de Ciência e Tecnologia nos últimos quatro anos, quando houve um acréscimo de 42 mil para 154 mil visitantes, nos quatro dias de realização do evento, em cada ano. Gavini também agradeceu à Ufes pela parceria na realização da 11ª edição da Semana de Ciência e Tecnologia, solicitou empenho da comunidade científica na manutenção e crescimento do evento e defendeu investimentos públicos e privados na área de ciência, tecnologia e inovação, como instrumento do desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Brasil: “Os jovens talentos que serão revelados, agora, na 11ª Semana C&T, só irão aparecer na sociedade daqui há anos, quando estiverem graduados ou pós-graduados, como todo investimento em ciência e tecnologia, que são de longo prazo”, justificou.

Já o reitor Reinaldo Centoducatte reconheceu o trabalho do Governo do Estado, nos últimos quatro anos, para despertar o interesse pela investigação e popularização científica no Espírito Santo e defendeu que a ciência, a tecnologia e a inovação são os caminhos mais “seguros e rápidos para o desenvolvimento do País”. A abertura oficial da 11ª Semana Estadual de Ciência e Tecnologia, com o tema: Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social, acontece no dia 12 de novembro, às 10 horas, no Teatro Universitário da UFES, em Goiabeiras.

Fonte: SECTTI-ES

The post SECTTI e UFES assinam Termo de Cooperação Técnica para realização da 11ª Semana de Ciência e Tecnologia appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/sectti-e-ufes-assinam-termo-de-cooperacao-tecnica-para-realizacao-da-11a-semana-de-ciencia-e-tecnologia/feed/ 0
Soluções para combater aumento de calor são apresentadas durante Urban Climate and Urban Plannighttp://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/solucoes-para-combater-aumento-de-calor-sao-apresentadas-durante-urban-climate-urban-plannig/ http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/solucoes-para-combater-aumento-de-calor-sao-apresentadas-durante-urban-climate-urban-plannig/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:33:49 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23505 Crescimento urbano, poluição do ar, destruição de áreas verdes, falta de vento e umidade. Esses são alguns fatores que contribuem para o aumento do aquecimento das cidades. Preocupados em discutir soluções para essas questões, cientistas, planejadores e pesquisadores da área se reuniram nesta terça-feira (22), na palestra do professor Dr. Lutz Katzschner, durante o evento […]

The post Soluções para combater aumento de calor são apresentadas durante Urban Climate and Urban Plannig appeared first on CONSECTI.

]]>
Crescimento urbano, poluição do ar, destruição de áreas verdes, falta de vento e umidade. Esses são alguns fatores que contribuem para o aumento do aquecimento das cidades. Preocupados em discutir soluções para essas questões, cientistas, planejadores e pesquisadores da área se reuniram nesta terça-feira (22), na palestra do professor Dr. Lutz Katzschner, durante o evento Urban Climate and Urban Plannig, realizado na Escola Politécnica da UFBA, promovido pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia (Secti).

Na ocasião, Lutz Katzschner, que participa do Projeto Qualidade do Ambiente Urbano de Salvador – QUALISalvador e coordena programas de despoluição do ar e de bioclimatologia na Faculdade de Arquitetura, Planejamento Urbano e Paisagem da Universidade de Kassel, Alemanha e na Universidade de Hong Kong, China, apresentou os diversos estudos e análises realizadas sobre a crescente elevação da temperatura e mapas sínteses com recomendações para a melhoria do clima urbano.

A diretora de Fortalecimento Tecnológico Empresarial da Secti, Telma Côrtes, relata sobre a importância de criar soluções para a diminuição do aumento do calor, bem como a poluição do ar nas grandes capitais. “Vivemos um momento especial com o aumento do número de habitantes nas cidades. Isso acarreta uma necessidade de infraestrutura, repensar a cidade do ponto de vista da sustentabilidade e do clima para construirmos cidades mais verdes e saudáveis, através da questão do clima no planejamento urbano, plantando mais árvores, diminuindo a incidência de gases poluentes e outros”, concluiu Telma.

Fonte: SECTI-BA

The post Soluções para combater aumento de calor são apresentadas durante Urban Climate and Urban Plannig appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/giro-nos-estados/solucoes-para-combater-aumento-de-calor-sao-apresentadas-durante-urban-climate-urban-plannig/feed/ 0
Agricultura sustentável é nova fronteira da Embrapahttp://www.consecti.org.br/destaques/agricultura-sustentavel-e-nova-fronteira-da-embrapa/ http://www.consecti.org.br/destaques/agricultura-sustentavel-e-nova-fronteira-da-embrapa/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:29:50 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23503 “A inovação é o motor do desenvolvimento em mercados abertos, dinâmicos e intensivos em conhecimento”, afirma Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa. A estatal é exemplo da capacidade de transformação econômica da pesquisa e desenvolvimento (P&D). Nos últimos 40 anos, a ciência aplicada ao solo e às lavouras tornou o Brasil um dos maiores produtores […]

The post Agricultura sustentável é nova fronteira da Embrapa appeared first on CONSECTI.

]]>
“A inovação é o motor do desenvolvimento em mercados abertos, dinâmicos e intensivos em conhecimento”, afirma Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa. A estatal é exemplo da capacidade de transformação econômica da pesquisa e desenvolvimento (P&D). Nos últimos 40 anos, a ciência aplicada ao solo e às lavouras tornou o Brasil um dos maiores produtores globais de alimentos.

Com o avanço contínuo da ciência, o país enfrenta o desafio de acompanhar a velocidade de criação e, ao mesmo tempo, encontrar respostas para uma nova fronteira tecnológica: a agricultura sustentável. “O Brasil pode destacar-se no desenvolvimento de tecnologias e técnicas de manejo sustentáveis. Possuímos conhecimento, recursos naturais e mercado consumidor para justificar os investimentos”, acrescenta Lopes.

Essa combinação poderosa fomenta a pesquisa. “O país tem toda condição de ser protagonista na economia verde. O desenvolvimento sustentável é a única saída para o globo e dependerá de muita inovação”, destaca. Para ele, é importante o país definir suas prioridades em P&D, já que o orçamento é limitado e não é possível abarcar todos os segmentos. “Não dá para ser bom em tudo. Teremos de escolher áreas que nos dão vantagens comparativas e competitivas em relação a outros países”, afirma.

Lopes defende a pesquisa pública como forma de garantir que o dinheiro aplicado retorne à sociedade. “As empresas privadas não vão se interessar por muitas linhas de pesquisa, especialmente as de longo prazo e com mais retorno social do que financeiro”, explica.

Os estudos de agricultura sustentável, como a utilização de sistemas integrados de plantio, pecuária e manejo florestal são um bom exemplo disso. Segundo Lopes, é natural que as empresas concentrem seus esforços em defensivos, sementes e biotecnologia. “A pesquisa engajada com o planejamento econômico sempre dependerá de recursos públicos.”

Lopes argumenta que as empresas precisam investir mais em P&D para fortalecer o orçamento global de cada setor produtivo. Como exemplo, cita o agronegócio brasileiro, cuja pesquisa é extremamente dependente do orçamento público. O investimento global em P&D corresponde entre 1,3% e 1,4% do PIB agropecuário, releva Lopes, quase 60% do total aplicado vem do orçamento da Embrapa. O poder público financia um pouco mais de 20%, o que eleva o financiamento estatal para mais de 80%. As empresas privadas respondem, historicamente, por menos de 20%. “Essa relação precisa mudar.”

O orçamento da Embrapa em 2014 será de R$ 2,4 bilhões, dos quais, 70% do valor são destinados à folha de pagamento. Outros 30% são para investimentos e infraestrutura.

Fonte: Valor

The post Agricultura sustentável é nova fronteira da Embrapa appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/destaques/agricultura-sustentavel-e-nova-fronteira-da-embrapa/feed/ 0
Faps são estratégicas para o modelo integradohttp://www.consecti.org.br/destaques/faps-sao-estrategicas-para-o-modelo-integrado/ http://www.consecti.org.br/destaques/faps-sao-estrategicas-para-o-modelo-integrado/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:28:35 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23500 A inserção do conceito de inovação na agenda econômica provocou uma transformação no sistema de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Na última década, além de contar com mais recursos para investimento, houve uma multiplicação do número de fundações de amparo à pesquisa. Nesse período, foram aprovadas inúmeras leis estaduais para a regulamentação de projetos, […]

The post Faps são estratégicas para o modelo integrado appeared first on CONSECTI.

]]>
A inserção do conceito de inovação na agenda econômica provocou uma transformação no sistema de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Na última década, além de contar com mais recursos para investimento, houve uma multiplicação do número de fundações de amparo à pesquisa. Nesse período, foram aprovadas inúmeras leis estaduais para a regulamentação de projetos, além de uma maior integração entre governos (federal, estaduais e municipais), iniciativa privada e academia. “Obter competitividade e produtividade tornou-se a meta das empresas brasileiras que optaram pela via da inovação”, destaca Glauco Arbix, presidente da Finep.

Segundo ele, sete mil empresas investem com frequência em atividades de pesquisa e desenvolvimento, incorporando a inovação à estratégia de crescimento. Ainda é pouco, mas o número significa um progresso importante. O Brasil também está recebendo centros de pesquisa internacionais, construindo parques tecnológicos e aplicando recursos para formar uma rede com maior capacidade para produção local de conhecimento. “O resultado mais importante dos últimos anos está no aumento da demanda por financiamento para os projetos de pesquisa e desenvolvimento. O empresário brasileiro entendeu que precisa inovar”, destaca Arbix.

O estímulo público é de extrema importância para fomentar os projetos. É assim em todo o mundo. Para Arbix, os resultados do programa Inova Empresa – que injetou R$ 32,9 bilhões na economia para serem aplicados em projetos de inovação entre 2013 e 2014 -, demonstra a demanda reprimida por dinheiro para ser destinado em ações que incluem desde a modernização tecnológica até a pesquisa de ponta. Ao todo, a Finep e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) receberam R$ 98,7 bilhões em projetos para avaliação. “Uma das dificuldades para lançar o programa estava no fato de que ninguém acreditava que haveria demanda para os R$ 32,9 bilhões”, conta Arbix. Segundo ele, a integração entre os agentes de fomento, as agências reguladoras e os ministérios foi o principal ganho da iniciativa. “Esse é um modelo que veio para ficar. Deve ser aperfeiçoado, simplesmente porque fortalece o sistema de inovação.”

O Inova Empresa reuniu os orçamentos, espalhados em diferentes ministérios e agências reguladoras em um só pacote e permitiu a ação conjunta das pastas, tornando mais efetivas as ações setoriais. Também integrou as demandas por inovação às políticas de estímulo a setores como saúde, defesa, energia e agricultura. Promoveu a aproximação com a indústria, uma vez que o Inova Empresa responde às demandas dos empresários, com soluções de crédito ajustadas às necessidades reais.

A criação da Embrapii é a grande cartada para ampliar o investimento privado no segmento, uma vez que condiciona o financiamento ao projeto à contrapartida por parte da empresa e do instituto de pesquisa parceiro. Agora é preciso ampliar o estímulo para o setor de serviços. “Para o próximo ano, prevemos o lançamento do Inova Mobilidade e do Inova Educação”, planeja Arbix.

O executivo não acredita que o resultado eleitoral afete os rumos da inovação no país. “Não dá para voltar atrás.” Em 2015, os projetos ainda estarão recebendo aportes comprometidos em 2014, o que deve assegurar o ritmo das pesquisas até a definição de novos programas. Ele admite que o país tem de ser mais ousado para ter, de fato, relevância na rede global. “Para isso, será preciso ampliar a subvenção econômica, ainda tímida no Brasil.” Esse desafio requer recursos públicos, planejamento e definição de prioridades do governo.

A maior parte do dinheiro do Inova Empresa (R$ 20,9 bilhões) está comprometida com contratos de crédito reembolsável. Como o empresário terá de pagar no futuro, o natural é que ele invista o dinheiro em projetos de menor risco ou, até mesmo, de atualização tecnológica.

Fonte: Valor

The post Faps são estratégicas para o modelo integrado appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/destaques/faps-sao-estrategicas-para-o-modelo-integrado/feed/ 0
Fontes de ideiashttp://www.consecti.org.br/destaques/fontes-de-ideias/ http://www.consecti.org.br/destaques/fontes-de-ideias/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:25:17 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23498 Para manter o fôlego dos investimentos em inovação, a equipe que assumir o governo brasileiro – seja qual for a decisão dos eleitores neste domingo – terá de realizar ajustes nas estratégias de fomento. Segundo especialistas e empresários ouvidos pelo Valor, o ano 2015 será importante para sinalizar visão de longo prazo aos projetos de […]

The post Fontes de ideias appeared first on CONSECTI.

]]>
Para manter o fôlego dos investimentos em inovação, a equipe que assumir o governo brasileiro – seja qual for a decisão dos eleitores neste domingo – terá de realizar ajustes nas estratégias de fomento. Segundo especialistas e empresários ouvidos pelo Valor, o ano 2015 será importante para sinalizar visão de longo prazo aos projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e consolidar a inovação como um dos pilares do crescimento sustentável. “Antes de tudo, é uma decisão econômica”, defende Pedro Wongtschowski, membro do Conselho de Administração do Grupo Ultra.

Desde a aprovação da Lei da Inovação, no fim de 2004, os projetos de P&D se beneficiaram do crescimento do PIB e das ações de fomento, somando R$ 54,25 bilhões, em 2012 (último número divulgado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI). Naquele ano, o percentual de investimentos em relação ao PIB alcançou o índice de 1,24%. Em 2004, os aportes em atividades de P&D registraram a cifra de R$ 32 bilhões (ou 0,97% do PIB). A meta inicial do governo Lula – seguida por Dilma – era alcançar 2% do PIB, com ampliação da participação da iniciativa privada nos orçamentos. “Em economias onde a inovação está no centro da política econômica, a relação de investimento é de, pelo menos, 2,5% do PIB”, compara Gerson Valença Pinto, presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei).

Para engordar o orçamento de P&D, o governo federal apostou em maior integração com a iniciativa privada, envolvendo líderes empresariais no desenho de ações de fomento e programas de incentivo como o Inova Empresa, que injetou R$ 32,9 bilhões no sistema de inovação – a maior parte (R$ 20,9 bilhões) em crédito com taxas subsidiadas. Também formatou, em parceria com a indústria, a Embrapii.

Um dos objetivos é ampliar a média histórica de participação de dinheiro privado nos projetos, inferior a 50%. Em 2012, o percentual ficou em 45%. Em países como China, Coreia e Japão, as empresas respondem por cerca de 75% dos orçamentos destinados à inovação. Nos EUA, mesmo em tempos de crise, a média está em 60% de investimento privado.

Ainda não é possível medir os efeitos das políticas de fomento aplicadas no Brasil nos últimos dois anos, principalmente porque elas tornaram-se anticíclicas com o arrefecimento da economia. “Os empresários ainda reagem ao curto prazo. Por isso, a desaceleração econômica afeta os projetos de P&D. Para a maioria, não dá para destinar recursos à inovação quando é preciso lutar pela sobrevivência”, comenta Wongtschowski.

De qualquer forma, o aumento do investimento privado não deve reduzir o montante aplicado pelo poder público, que sempre será importante para compor o orçamento e garantir injeção de capital em linhas de pesquisa que interessam ao país. “É preciso ampliar a capacidade de alavancagem do dinheiro público. A contrapartida tem de ser maior”, diz Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa.

São inegáveis os esforços empreendidos nos últimos anos para os projetos de inovação. A força conquistada pela Finep é prova disso. Segundo Glauco Arbix, presidente da agência federal de fomento, em 2010, a Finep desembolsou R$ 1,2 bilhão. Neste ano, o total deve chegar perto dos R$ 12 bilhões, entre operações de crédito reembolsável e não reembolsável. “A demanda agrupada do Inova Empresa chegou a quase R$ 100 bilhões. A alta procura empresarial por financiamento mostra que o Brasil quer inovar, independentemente de crise.”

“Os programas de incentivo são importantes. Mas o acesso aos recursos financeiros é apenas parte da equação”, diz Pinto. Segundo ele, para ser eficaz na estratégia de inovação, é preciso fortalecer as bases econômicas como um todo, o que inclui maior musculatura ao mercado interno e apoio a iniciativas que tragam maior competitividade aos produtos brasileiros no exterior. “A agenda converge com demandas gerais dos negócios, como a redução do custo Brasil, da burocracia e uma política de câmbio mais favorável à exportação”, avalia o presidente da Anpei. Outro ponto de atenção são os desafios ligados à propriedade intelectual. “Temos de resolver a questão das patentes e reduzir o prazo para o registro das tecnologias e produtos.”

A inserção das empresas brasileiras na cadeia global de valor é outro tema espinhoso e que demandará mais esforços em inovação. Uma avaliação dos rankings internacionais das empresas que mais investem em pesquisa e desenvolvimento mostra que há muito trabalho a ser feito no Brasil. De acordo com o estudo Global Innovation 1000, realizado pela Strategy& a partir dos balanços de mil empresas de capital aberto no mundo, só seis brasileiras estão entre os maiores investidores em P&D na edição em 2013 (Vale, Petrobras, Gerdau, Totvs, CPFL Energia e Embraer).

Fernando Fernandes, sócio da Strategy&, explica que a informação mais grave é a queda dos investimentos das empresas brasileiras em comparação com os resultados apurados em 2012. Enquanto os gastos com inovação (levantados pela amostra) bateram recorde histórico em 2013, somando US$ 638 bilhões – com aumento de 5,8% em relação ao ano anterior -, o total investido pelo grupo das brasileiras caiu 18,3%, somando US$ 3 bilhões. “Apostar em inovação é uma forma de sair mais forte de períodos econômicos conturbados. O Brasil está na contramão”, afirma.

No caso da Petrobras, o orçamento global de P&D encolheu US$ 300 milhões, caindo de US$ 1,4 bilhão (2011) para US$ 1,1 bilhão (2013). “Já em 2012, sentimos a queda dos investimentos. A Petrobras investe cerca de 0,8% de seu faturamento em P&D, o que é muito pouco face aos desafios tecnológicos do pré-sal”, avalia Fernandes.

Paulo Mól, diretor do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), acredita que os próximos meses serão delicados para a definição dos projetos de inovação. “Todo mundo sabe que 2015 será um ano de ajustes. O empresário terá de buscar maior competitividade e produtividade em um cenário econômico complexo.” Para dar continuidade aos projetos, o poder público terá de manter o fôlego dos investimentos.

Fonte: Valor

The post Fontes de ideias appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/destaques/fontes-de-ideias/feed/ 0
Lei do Bem: MCTI revela análise de empresas incentivadashttp://www.consecti.org.br/destaques/lei-bem-mcti-revela-analise-de-empresas-incentivadas/ http://www.consecti.org.br/destaques/lei-bem-mcti-revela-analise-de-empresas-incentivadas/#comments Fri, 24 Oct 2014 12:14:14 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23496 O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) publicou na terça-feira, 21/10, o primeiro lote com os nomes das empresas já analisadas pela pasta, no que se refere à utilização dos incentivos fiscais da Lei do Bem no ano-base 2013. Os pedidos de 49 empresas foram analisados e receberam parecer da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico […]

The post Lei do Bem: MCTI revela análise de empresas incentivadas appeared first on CONSECTI.

]]>
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) publicou na terça-feira, 21/10, o primeiro lote com os nomes das empresas já analisadas pela pasta, no que se refere à utilização dos incentivos fiscais da Lei do Bem no ano-base 2013. Os pedidos de 49 empresas foram analisados e receberam parecer da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Setec) no e-mail cadastrado.

O documento enviado pelo ministério às empresas beneficiárias atende a Portaria 715, de julho de 2014, que estabelece procedimento de análise dos Formulários para Informações sobre as atividades de Pesquisa Tecnológica e Desenvolvimento de Inovação Tecnológica (FormP&D). “O que a gente modificou nesse processo é que anteriormente a empresa aprovada, ou a que tinha o pedido negado, não sabia exatamente se tudo estava correto e em que havia errado”, explica o analista de ciência e tecnologia da Setec, Leonardo Burle Gripp.

Segundo ele, com a mudança na portaria, a análise dos formulários gera um parecer que aponta “item a item, projeto a projeto, despesa a despesa, o que está correto e o que está errado”. Após o recebimento do parecer técnico, as empresas terão até 30 dias para fazer o pedido de reconsideração. “Elas poderão enviar o pedido de reconsideração até 20 de novembro”, afirma Gripp. De acordo com o analista, a intenção da Setec é enviar parecer a um novo lote de companhias a cada mês.

Fonte: Convergência Digital

The post Lei do Bem: MCTI revela análise de empresas incentivadas appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/destaques/lei-bem-mcti-revela-analise-de-empresas-incentivadas/feed/ 0
Chamada para envio de projetos Parceria 3M/CONSECTI/ANPROTEChttp://www.consecti.org.br/agenda/chamada-para-envio-de-projetos-parceria-3mconsectianprotec/ http://www.consecti.org.br/agenda/chamada-para-envio-de-projetos-parceria-3mconsectianprotec/#comments Thu, 23 Oct 2014 17:43:39 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23492 1_ChamadaConsectiAnprotec

The post Chamada para envio de projetos Parceria 3M/CONSECTI/ANPROTEC appeared first on CONSECTI.

]]>
1_ChamadaConsectiAnprotec

The post Chamada para envio de projetos Parceria 3M/CONSECTI/ANPROTEC appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/agenda/chamada-para-envio-de-projetos-parceria-3mconsectianprotec/feed/ 0
Anprotec, 3M e Consecti lançam chamada para empresashttp://www.consecti.org.br/destaques/anprotec-3m-e-consecti-lancam-chamada-para-empresas/ http://www.consecti.org.br/destaques/anprotec-3m-e-consecti-lancam-chamada-para-empresas/#comments Thu, 23 Oct 2014 17:36:59 +0000 http://www.consecti.org.br/?p=23490 Dando continuidade às ações conjuntas em prol do empreendedorismo inovador, a Anprotec e o Conselho Nacional de Secretários para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti) lançam achamada de convocação para empresasinteressadas em participar da seleção para o “Innovation Day Anprotec & Consecti”. A chamada é uma oportunidade para que empresas vinculadas a parques científicos […]

The post Anprotec, 3M e Consecti lançam chamada para empresas appeared first on CONSECTI.

]]>
Dando continuidade às ações conjuntas em prol do empreendedorismo inovador, a Anprotec e o Conselho Nacional de Secretários para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti) lançam achamada de convocação para empresasinteressadas em participar da seleção para o “Innovation Day Anprotec & Consecti”.

A chamada é uma oportunidade para que empresas vinculadas a parques científicos e tecnológicos e a incubadoras de empresas associados à Anprotec divulguem seus projetos, processos e produtos inovadores à empresa multinacional 3M, que identificará iniciativas passíveis de apoio.

As empresas selecionadas participarão do “Innovation Day Anprotec & Consecti”, com atividades de visita e exposição de projetos. O evento será realizado no dia 19 de novembro, das 9h às 17h, na sede da multinacional interessada, no interior do estado de São Paulo.

Inscrições

Podem participar empresas de parques e incubadoras associados à Anprotec, que desenvolvam projetos e produtos nas seguintes áreas: tecnologias ligadas à sustentabilidade, novos materiais sustentáveis e/ou de fonte renováveis; tecnologias para as áreas de segurança pessoal, viária e controle de acesso; tecnologias transformadoras do modo de vida; nova geração de tecnologias para a área de saúde; e materiais inovadores disruptivos e outras tecnologias formadoras destes.

As inscrições estão abertas até o dia 27 de outubro e devem ser feitas por meio deste formulário, que deve ser enviado para o email junior@anprotec.org.br.

Acesse o formulário de inscrição. Acesse o edital completo.

Fonte: Anprotec

The post Anprotec, 3M e Consecti lançam chamada para empresas appeared first on CONSECTI.

]]>
http://www.consecti.org.br/destaques/anprotec-3m-e-consecti-lancam-chamada-para-empresas/feed/ 0