Destaques

TICs Brasil: crescimento desacelera, mas ainda será bem acima do PIB

O mercado brasileiro de tecnologia da informação e telecomunicações (TIC) manterá a tendência de 2014 e vai crescer bem acima do PIB do País em 2015, mas ficará abaixo do ano passado e não deverá, mais uma vez, atingir dois dígitos, como ocorreu até 2013. Em projeção apresentada a jornalistas nesta quinta-feira,22/01, a IDC revelou que a expectativa é chegar a US$ 165,6 bilhões, 5% maior que no ano passado. A consultoria ainda não fechou os números de 2014, mas acredita que a expansão ficará entre 7% e 8%.

Mesmo com a taxa de crescimento mais baixa, o mercado brasileiro de TIC deve fechar 2015 como o quinto ou sexto mais importante do mundo. A indústria de telecom brasileira representa a maior fatia do mercado de TIC, sendo cerca de 80% maior que o de TI, respondendo por US$ 104 bilhões em receitas.

Está havendo, nas palavras de Pietro Delai, gerente de pesquisas e consultoria da IDC, uma desaceleração do crescimento; e alta do dólar é um dos principais fatores que influencia a redução da expansão. “Sempre falamos em dois dígitos, mas mercado deve tirar o pé do acelerador, não é um breque — e existe uma diferença entre brecar e parar de acelerar”, afirmou.

Perguntado se acabou a era do aumento de dois dígitos, Delai disse que se trata de uma fase e espera voltar a ver o crescimento acima de 10%. “Não existe o pleno uso de tecnologia no Brasil. Então, ainda há oportunidade de ganho de produtividade nas empresas por meio da TI. Nos países fora dos emergentes, o crescimento está de flat para baixo.”

Globalmente, o mercado de TIC atingirá valor de US$ 3,8 trilhões. A terceira plataforma segue em evidência e será impulsionada por internet das coisas, impressão 3D, sistemas cognitivos, robótica, interfaces neurais e segurança da próxima geração. Na América Latina, a expansão do mercado de TI é estimada em 5,7% e de telecom, 6% em 2015.  O Brasil, de acordo com a IDC, está puxando o crescimento regional para baixo. A IDC baseou as previsões para 2015 com a cotação do dólar de 2013, já que a consultoria ainda não fechou os números relativos a 2014.

Fonte: Convergência Digital

Próximos Eventos