+55 (61) 9 7400-2446

Destaques

Programa de bolsas é bem-intencionado mas “pirotécnico”, diz ex-ministro

O ex-ministro da Educação Cristóvam Buarque (PDT-DF) disse nesta terça-feira que o programa Ciência sem Fronteiras é “bem-intencionado”, mas peca em ser “pirotécnico”.

O Ministério da Educação passou a computar entre os alunos do Ciência sem Fronteiras, programa de estudo no exterior, os bolsistas regulares da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), órgão de incentivo à pesquisa.

A maquiagem ocorre há pelo menos um mês e meio, mas, na sexta-feira passada, a Capes informou aos bolsistas de seus programas regulares que eles seriam oficialmente migrados para o Ciência sem Fronteiras se fossem “elegíveis”, isto é, se estivessem dentro dos critérios de seleção do programa.

No comunicado, a Capes diz que a migração é para “fins operacionais”, “com o objetivo de oferecer isonomia no tratamento dispensado aos seus beneficiários”. Alguns dos estudantes ouvidos relataram, no entanto, ter questionado a Capes por e-mail. Eles receberam como resposta que a manobra é “para dar estatística” e cumprir “metas do governo federal”.

“As metas são irrealistas. Se não estamos conseguindo mandar um número maior de alunos para fora, estamos perdendo a chance de reduzir a meta dos que saem e aumentar os que vêm para cá”, disse Cristóvam. “O programa é melhor do que nada. Mas deveria-se pensar que trazer cientistas para o Brasil seria mais eficiente.”

Folha entrou em contato com o MEC e com a Capes na manhã desta terça-feira e questionou por que o governo decidiu migrar os bolsistas regulares no exterior para o Ciência sem Fronteiras. Também perguntou se o governo tem tido dificuldades para cumprir metas estipuladas pelo programa e por que os alunos só foram informados depois de terem sido computados como bolsistas do programa.

Até a última atualização desta reportagem, porém, ainda não havia obtido respostas a seus questionamentos.

Fonte: Folha de São Paulo

Próximos Eventos