+55 (61) 9 7400-2446

Destaques

MPME Inovadora recebeu R$ 26,9 milhões até agora

Com nove operações aprovadas, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) começa a movimentar a linha de crédito MPME Inovadora, criada para dar acesso aos recursos do banco de fomento às micro e pequenas empresas, com foco no financiamento dos investimentos necessários à inovação.

Até agora, os investimentos somam R$ 26,9 milhões. A lista de beneficiadas inclui quatro empresas de pequeno porte – Geociclo, Paradigma, T-Cota e Way2 -, além das microempresas Catamoedas, Boreste e Chipus e duas de médio porte, Pixeon e Cianet. Segundo a gerente do departamento de financiamento a projetos de investimentos da área de Operações Indiretas, do banco, Paola Berrino, a iniciativa funciona de forma articulada com os demais atores do Sistema Nacional de Inovação. “A meta é contemplar ações contínuas de melhorias incrementais em produtos e ou processos das empresas do segmento, além do aprimoramento de suas competências, estrutura e conhecimentos técnicos”, descreve.

A linha tem R$ 300 milhões disponíveis e é voltada a empresas com faturamento anual de até R$ 90 milhões que tenham sido apoiadas pelos programas Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec), Serviços em Inovação e Tecnologia (Sebraetec), do Sebrae, ou Edital Senai/ Sesi de Inovação de 2011 para cá ou tenham financiado recentemente a contratação de um dos serviços tecnológicos no âmbito do Cartão BNDES. Entre eles, serviços de avaliação de software, inovação e extensão tecnológica – incluindo desde aquisição e transferência de tecnologia até desenvolvimento de embalagens, design e prototipagem, e propriedade intelectual junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

“Também se enquadram aquelas que tenham patente recentemente depositada ou concedida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), sejam residentes ou tenham sido aprovadas em processo de seleção de Parques Tecnológicos, estejam incubadas ou tenham sido graduadas nas incubadoras classificadas conforme a plicação do modelo Cerne ou tenham, em sua composição societária, a participação de um dos Fundos listados”, detalha Paola. O rol inclui fundos voltados a empresas emergentes, como Criatec, Capital Tech e Burrill Brasil, e a inovação em meio ambiente, como Inseed FIMA e Performa Key.

Com abrangência nacional e vigência até 2015, os recursos da MPME Inovadora podem ser destinados a todos os itens necessários à implementação do plano de negócios da empresa, ressalvados aqueles vedados pelas normas do BNDES Automático. Isso inclui desenvolvimento de novos produtos ou processos até a implantação ou modernização de instalações de MPMEs de base tecnológica em parques tecnológicos. “Serão disponibilizados ainda recursos para capital de giro, para fortalecer a capacidade financeira das MPMEs que estejam realizando esforços para inovar”, diz Paola.

De acordo com ela, o programa ganhará ajustes em 2015, com a ampliação dos critérios para enquadramento das beneficiárias. As condições da oferta incluem taxa variável, com financiamento de até 90% do valor total dos itens financiáveis, ou taxa fixa de 4% ao ano, com financiamento de 100%. O limite é de R$ 20 milhões por cliente e por ano, exceto nos casos de capital de giro isolado, quando o limite anual por cliente será de R$ 10 milhões. O prazo chega a dez anos, incluído o prazo de carência de três a 48 meses – no financiamento a capital de giro isolado, o prazo será de até três anos, incluída carência de três a 12 meses.

Primeira contemplada com recursos da linha, a Catamoedas, também de Florianópolis, recebeu R$ 861 mil para o desenvolvimento dos protótipos da versão em tamanho reduzido de sua máquina criada para promover a troca de moedas por cupons, e-cupons, pontos ou doação a entidades carentes. O equipamento amplia o potencial da empresa que hoje tem participação acionária do fundo de capital semente catarinense SC. Já a mineira Geociclo Tecnologia obteve R$ 15,5 milhões para ampliar capacidade produtiva. Sua unidade industrial em Uberlândia (MG) conta com capacidade de produção de 25.000 toneladas anuais de aditivos biológicos voltados ao reaproveitamento de resíduos orgânicos e minerais, sólidos e líquidos, que são transformados em fertilizantes orgânicos, organominerais e minerais para agricultura e tratamento animal.

Fonte: Valor

Próximos Eventos