Destaques

Complexo nuclear começa a sair do papel

Um importante projeto nuclear começa a ganhar corpo no país. O governo deu os primeiros passos concretos para erguer, no interior de São Paulo, um complexo de pesquisa e produção nuclear, estrutura avaliada em mais de R$ 1 bilhão e que promete revolucionar a atuação do país neste setor.

Nada relacionado a empreendimentos como Angra ou Fukushima, onde a fissão nuclear é usada para gerar energia elétrica. Do novo complexo, sairá a produção de insumos cruciais para a área da saúde, materiais usados em tratamentos complexos – como o de câncer – e que garantirão a autossuficiência do Brasil em um setor dependente de importação e que hoje gera uma demanda superior a dois milhões de procedimentos por ano no país.

Paralelamente, o reator vai atender diversas áreas industriais. Suas aplicações vão desde tecnologias usadas para a localização de microfissuras em asas de avião, até a verificação da quantidade de agrotóxicos encontrada em alimentos, atribuições que vão alimentar pesquisas e conhecimento nacionais.

O chamado Reator Multipropósito Brasileiro (RMB) vai ocupar uma área equivalente à de 200 campos de futebol na pequena Iperó, cidade de 28 mil habitantes, localizada a 125 km da capital paulista. Sua primeira etapa de estudos acaba de ser concluída. Projetado pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), autarquia vinculada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o RMB já recebeu R$ 51 milhões, dinheiro que foi aplicado na elaboração do projeto básico de engenharia, além de estudos para licenciamento ambiental. No mês passado, o Ibama encerrou a etapa de audiências públicas do empreendimento e, nos próximos meses, deve emitir a licença prévia do complexo.

“Agora, entramos na etapa de contratação do projeto executivo de engenharia. Já temos R$ 120 milhões para aplicar no desenvolvimento desse estudo detalhado, que será concluído entre junho e julho do ano que vem”, disse ao Valor o secretário-executivo e ministro interino do MCTI, Luiz Antonio Elias. “Nos próximos meses, já vamos iniciar a etapa de terraplenagem, para preparar o terreno.”

A área de dois milhões de metros quadrados prevista para o complexo está localizada ao lado do Centro Experimental de Aramar (CEA), da Marinha. O objetivo do governo é transformar a região próxima a município de Sorocaba no maior polo de desenvolvimento nuclear do país.

“É um projeto estruturante. Se não avançarmos neste setor, acabaremos à margem do desenvolvimento mundial e ficaremos a mercê do que existe no Exterior”, diz José Augusto Perrotta, coordenador técnico do complexo nuclear.

Perrotta cita o exemplo da crise de abastecimento ocorrida entre 2008 e 2009, quando o mundo viu sumir das prateleiras um radioisótopo usado em mais de 80% dos procedimentos que envolvem medicina nuclear, por conta da paralisação de um reator canadense, principal fornecedor do país. “Esse episódio mostrou a nossa vulnerabilidade. O Brasil depende desse material que hoje é usado para atender mais de 5 mil procedimentos por dia”, diz o especialista.

Por ano, cerca de R$ 40 milhões são gastos pelo país para abastecer a demanda nacional. Países como Canadá, Holanda, África do Sul, Bélgica e França são os donos dos principais reatores nucleares em operação.

A expectativa do governo é de que o complexo brasileiro esteja pronto entre 2017 e 2018. No ano que vem, uma licitação deverá contratar as empresas que erguerão a infraestrutura física do empreendimento, além da construção do reator. Apesar de o país deter 100% do conhecimento do ciclo de processamento nuclear, a maior parte das peças deverá ser importada. A expectativa, no entanto, é de que o índice de nacionalização do empreendimento chegue a cerca de 70%.

Segundo Luiz Antonio Elias, do MCTI, o governo tem discutido a possibilidade de empresas privadas serem sócias do empreendimento. A manipulação nuclear e do urânio, no entanto, permanecem como monopólio da União. “Estamos negociando. Acordos são possíveis, mas é uma área sensível. Tudo será detalhadamente discutido.”

O BNDES já foi acionado para financiar o projeto. Recursos do Ministério da Saúde também devem compor o caixa, além da participação de fundações de amparo à pesquisa.

Este não será o primeiro reator nuclear brasileiro. Outras quatro estruturas dessas estão em operação no país. O mais antigo e de maior potência (5 megawatts) foi erguido em 1957, em São Paulo. Outros dois reatores – localizados em Minas Gerais e Rio de Janeiro – foram erguidos na década de 60. O reator mais recente foi construído na década de 80, no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), em São Paulo. No caso do RMB, a potência energética do complexo será de 30 MW. Pode parecer muito, se comparado ao alcance dos atuais reatores de pesquisa em atividade, mas seu potencial torna-se inexpressivo quando colocado ao lado da capacidade das duas usinas nucleares em operação no Brasil. Juntas, Angra 1 e 2 alcançam 1.998 MW. Em construção, Angra 3 vai chegar a 1.405 megawatts de potência.

Atualmente, há 230 reatores de pesquisa em operação em todo o mundo. Destes, mais de 70% estão em operação há mais de 30 anos. A Rússia concentra o maior número de reatores (41), seguida pela China (15), Japão (15), França (12) e Alemanha (11).

Quando for acionado, o novo reator brasileiro deverá contar com aproximadamente 150 profissionais, com perspectiva de atingir cerca de 1 mil especialistas no pico de operação.

Fonte: Valor

Próximos Eventos